Poder e Contrapoder

Putin fala sobre uma eventual guerra nuclear

Em entrevista difundida esta semana nos meios locais, o presidente russo declarou que "se alguém tomar a decisão de destruir a Rússia, temos o legítimo direito de responder"

08/03/2018 11:44

 

 
“A decisão sobre o uso de armas nucleares só se pode tomar em resposta a um ataque com mísseis”. Esta é a frase mais eloquente da recente entrevista do presidente russo Vladimir Putin, para o documentário Miroporiádok 2018, do jornalista Vladimir Soloviov, que foi recentemente difundido no país.

“Quero dizer a vocês, na Rússia e no exterior, que nossos planos de uso – embora espero que isso nunca aconteça de fato –, os planos teóricos de uso (das armas nucleares), são para responder a um ataque, e em nenhuma outra ocasião”.

E logo ressaltou: “isso significa que a decisão sobre o uso de armas nucleares só pode ser tomada em caso de que nosso sistema de alerta de ataques com mísseis registre um lançamento, e mais que isso, que também dê coordenadas precisas sobre as trajetórias de voo, assim como o tempo da queda da ogiva em nosso território”.

Em outro momento da entrevista, Putin diz que “se alguém tomar a decisão de destruir a Rússia, temos o legítimo direito de responder. Sim, seria uma catástrofe para a humanidade, uma catástrofe global, mas eu, na minha condição de cidadão russo e de líder do Estado russo, quero lançar esta pergunta: para que necessitaríamos um mundo assim, sem a Rússia?”.

O mandatário lembrou que a bomba nuclear não apareceu pela primeira vez na Rússia, e sim nos Estados Unidos. “Nunca utilizamos armas nucleares, e os Estados Unidos as utilizou contra o Japão”. Neste sentido, Putin precisou que em muitos livros japoneses se omite este fato e se diz que a bomba foi lançada pelos aliados. “Que aliados? A União Soviética era um aliado dos Estados Unidos naquele momento, mas ninguém nos informou sobre aquele ataque”, disse o presidente durante a entrevista, e logo perguntou “que garantias temos de que isso não ocorrerá novamente?”.

Inovação em armamento

Na semana passada, durante sua mensagem anual nas duas Câmaras da Assembleia Federal, Putin apresentou os inovadores avanços do Exército russo.

Ao mesmo tempo, o mandatário insistiu em dizer que “o crescente potencial militar da Rússia não visa ameaçar ninguém, e sim dar uma garantia de paz firme ao nosso planeta, porque este poderio mantém e seguirá mantendo um equilíbrio estratégico de forças no mundo, o que ainda é um fator preponderante para a segurança internacional, assim tem sido desde depois da Segunda Guerra Mundial até hoje em dia”.



Conteúdo Relacionado