Poder e Contrapoder

Putin: 'o ataque à Síria é uma agressão contra um Estado soberano'

Presidente russo condenou 'com a maior seriedade' a ofensiva contra o território sírio promovida por Estados Unidos, Reino Unido e França'

15/04/2018 17:36

 

 
Do portal RT
 
“Neste 14 de abril, os Estados Unidos, com o apoio de seus aliados, lançaram um ataque com mísseis contra as instalações das forças armadas e a infraestrutura civil da República Árabe da Síria. A ação não teve a aprovação do Conselho de Segurança das Nações Unidas, em violação da Carta da ONU e das normas e princípios do direito internacional, o que significa um ato de agressão contra um Estado soberano, que está na vanguarda da luta contra o terrorismo”. Estas foram as palavras do presidente russo Vladimir Putin sobre o bombardeio, detalhadas em um comunicado difundido pelo Kremlin.

Segundo Putin, a Rússia convocou uma sessão extraordinária do Conselho de Segurança da ONU (ocorrida no mesmo sábado), com o objetivo de discutir as ações agressivas dos Estados Unidos e seus aliados.

O presidente da Rússia expressou que as forças ocidentais “utilizaram como pretexto a ação com o uso de agentes químicos contra a população civil” em Duma, uma semana antes. Segundo Putin, “os especialistas militares russos que visitaram o lugar do incidente imaginário não encontraram rastros de cloro ou outras substâncias tóxicas, e nenhum residente local confirmou o ataque químico", recordou.

Putin também lamentou que os países ocidentais estejam empreendendo “uma ação militar sem esperar o resultado da investigação” da missão da Organização para a Proibição das Armas Químicas (OPAQ).
“A Rússia condena com a maior seriedade o ataque à Síria, onde os militares russos estão ajudando o governo legítimo na luta contra o terrorismo”, afirmou o chefe de Estado.

“Estados Unidos estão agravando a catástrofe humanitária na Síria”

“Com suas ações, os Estados Unidos agravam ainda mais a catástrofe humanitária na Síria, afetando a população civil e colaborando com os terroristas que vêm atormentando o povo sírio nestes últimos sete anos”, lamentou o mandatário russo, agregando que esse ataque provocará “uma nova onda de refugiados”, na Síria e em toda a região.

“A atual escalada de violência na Síria tem um impacto devastador em todo o sistema das relações internacionais. A história colocará tudo em seu lugar, assim como já impôs sobre Washington a pesada responsabilidade pelos massacres na Iugoslávia, no Iraque e na Líbia”, comentou Putin.

Estados Unidos, Reino Unido e França decidiram bombardear a Síria na madrugada do dia 14 de abril, em resposta ao suposto ataque químico realizado na semana anterior, na região de Duma, que o Ocidente afirma que foi executado pelo governo de Bashar al Assad, embora sem apresentar provas a respeito.

O embaixador russo nos Estados Unidos, Anatoly Antonov, afirmou que haverá consequências pelo ataque militar desatado contra o Estado sírio por parte dos Estados Unidos, Reino Unido e França.

Por sua parte, o representante permanente da Rússia nas Nações Unidas, Vasili Nebenzia, durante a sessão do Conselho de Segurança, lamentou que os países ocidentais não se importem em comprovar se realmente se empregou armamento químico em Duma, e opinou que só queriam um pretexto para atacar a Síria.

O diplomata russo qualificou como “uma loucura” o fato de que somente com algumas informações não verificadas, procedentes dos “provocadores” Capacetes Brancos, os países da comunidade internacional aceitaram a versão de que o governo sírio utilizou armas químicas contra o seu povo.



Conteúdo Relacionado