Poder e Contrapoder

Rumo a uma nova Guerra Fria?

 

14/08/2020 11:53

 

 
Nos últimos dias, prometi refletir sobre a questão do início de uma nova guerra fria. Mais e mais analistas comentam sobre seu renascimento, desta vez entre os Estados Unidos e a China. As maiores divergências estão associadas à dúvida de se esta fase das relações internacionais já começou ou se está em processo de gestação.

Levando em consideração que o conflito anterior dessas características se desenvolveu em praticamente toda a segunda metade do século passado, forjando uma estrutura bipolar das relações internacionais que, por sua vez, marcou o comportamento dos atores no cenário global, vale a pena analisar se estamos ou não em um estágio semelhante, e também vale a pena perguntar se esta é uma nova versão de uma guerra fria ou se copiará as características da anterior.

Ao definir o momento em termos estratégicos, é um truísmo afirmar que vivemos um período de declínio dos Estados Unidos e da ascensão da China como potências mundiais. Esse processo que vinha se desenvolvendo pelo menos desde o início deste século sofreu uma aceleração devido à pandemia de covid19.

Os Estados Unidos emergiram com sucesso da Guerra Fria do Século 20, na qual a China era aliada da União Soviética. Agora, pretende repetir o processo na direção oposta, ou seja, tornar a Rússia uma aliada da China, que é a principal oponente. Nesse âmbito das insinuações veladas, essa proposta de ser coadjuvante parece ser rejeitada pela liderança russa.

Em 3 de agosto passado, em um artigo no portal Sputnik (com o título “Por que os Estados Unidos agora falam sobre uma amizade com a Rússia”), se argumenta que “o secretário de Estado dos Estados Unidos, Mike Pompeo, admitiu a possibilidade de Moscou se envolver em um confronto contra Pequim. O jornal Financial Times noticiou que certos círculos nos Estados Unidos promovem a ideia de se unir à Rússia para enfrentar a China e esperam encontrar brechas nas relações entre os dois países”.

A resposta russa veio na voz da porta-voz das suas Relações Exteriores, Maria Zakharova, que afirmou que “a tentativa dos Estados Unidos de envolver a Rússia na campanha antichinesa é ingênua, e não entende que a Rússia prefere fortalecer ainda mais sua cooperação com a China, que considera o fator mais importante para estabilizar a situação no mundo”.

Dando continuidade à visão persistente de Pompeo nesta área, em 21 de julho, durante sua estadia em Londres, ele exortou descaradamente todos os países do mundo a rejeitar o Partido Comunista da China e a formar uma coalizão contra ele. Simbolicamente, três dias depois, ao fazer um discurso na Califórnia, na biblioteca e museu presidencial Richard Nixon (curiosamente, o primeiro presidente dos Estados Unidos a visitar a China, em 1972, levando à abertura das relações diplomáticas entre os dois países), o ex-diretor da CIA e agora chanceler dos Estados Unidos mostrou um discurso violento e de forte carga ideológica, em que apelava ao isolamento da China, negando aqueles que pensavam que a disputa entre os dois países se baseava em contradições exclusivas de natureza comercial ou tecnológica.

Essa nova etapa do confronto entre os Estados Unidos e a China foi inaugurada em seus aspectos econômico, financeiro, comercial e tecnológico em março de 2018, após a aplicação, por parte do presidente Trump, de sanções e aumento de tarifas sobre produtos chineses importados. Posteriormente, durante 2019, além de aumentar os efeitos sobre o comércio entre ambas as partes, os Estados Unidos deram apoio e financiamento explícito às manifestações violentas de grupos radicais em Hong Kong, cujas demandas iam escalando desde pedidos de ordem vingativa até declarações de rejeição ao sistema político da China. Da mesma forma, a potência norte-americana aumentou sua cooperação militar com Taiwan e aumentou a presença de suas forças armadas nos mares adjacentes à China, em uma clara provocação que agravou ainda mais a situação do meio ambiente e das relações bilaterais.

A chegada do ano de 2020 trouxe consigo a pandemia do coronavírus e, com ela, as recriminações dos Estados Unidos contra a China, acusando-a de ter sido a causa do surgimento do vírus e de sua expansão global. Trump chegou a chamar o microrganismo de “vírus chinês”, contrariando a opinião de cientistas e da OMS (Organização Mundial da Saúde), que ainda não conseguiram determinar sua origem. A dureza e contundência da retórica antichinesa das principais autoridades dos Estados Unidos e as medidas que foram tomadas em todas as áreas levaram à escalada do conflito e forçaram a China a responder reciprocamente e inaugurar um discurso agressivo alheio às tradições. e costumes de sua diplomacia.

Durante este ano, também houve um maior envolvimento dos Estados Unidos nos assuntos internos da China, como a situação nas regiões autônomas de Xinjiang e Tibete, mantendo a agressividade em relação a Hong Kong e seu apoio a Taiwan, dando ao conflito um caráter multifacetado, que se manifesta em diferentes estados de espírito.

Na área de tecnologia, a distância esmagadora que os Estados Unidos mantinham em relação à China até poucos anos atrás está diminuindo rapidamente. Embora existam várias expressões do progresso da China nesta área, nos últimos dois anos, cinco eventos poderiam ser citados para destacar como houve um progresso substancial para a nação asiática. Eles são:

1. O envio bem-sucedido de uma espaçonave que pousou na lua, em janeiro de 2019, evento que ocorreu pela primeira vez na história.

2. O lançamento da tecnologia de 5ª Geração (5G), oito meses antes do Ocidente. Vale dizer que os Estados Unidos conquistaram as quatro anteriores com bastante vantagem com relação aos seus concorrentes.

3. A capacidade científica de enfrentar com sucesso a pandemia covid-19, quando esta era desconhecida no mundo e atacava praticamente exclusivamente aquele país durante os meses de janeiro e fevereiro.

4. O lançamento da primeira missão espacial a Marte.

5. O lançamento do terceiro satélite para completar a rede de 35 aparelhos de terceira geração de seu sistema de geolocalização Beidou (BDS), como alternativa ao GPS americano.

No plano militar, o confronto foi marcado – como já foi mencionado – pela presença cada vez maior e por uma atitude provocativa da Marinha dos Estados Unidos, que reuniu dois porta-aviões com suas forças-tarefa nos mares adjacentes à China, encorajando suas disputas fronteiriças com países da região, que estão sendo discutidas no âmbito das negociações diplomáticas.

Da mesma forma, os Estados Unidos criaram uma nova dinâmica de guerra, ligando suas bases militares no Japão, Coréia do Sul, Ilhas Guam e outras possessões no Pacífico, como nas Filipinas, e agora incorporando a Austrália a este dispositivo, fazendo do país da Oceania um forte aríete, após sua subordinação absoluta à lógica imperial norte-americana.

Nesse quadro, também têm feito grandes esforços para incorporar as bases militares que tinham no Vietnã até 1975, para incluí-las no grande arco naval que estão construindo em torno da China. Da mesma forma, os Estados Unidos estão tentando adicionar a Índia ao seu mecanismo de pivô asiático, criado pelo presidente Barack Obama. Nessa lógica, estimulam as disputas de fronteira entre as duas potências asiáticas no Himalaia.

Mas, por trás de todo esse contexto de luta e contenção, na realidade, se esconde uma lógica de confronto antagônico em termos políticos e ideológicos, como o presidente Trump fez saber durante suas participações nas assembleias gerais da ONU de 2017, 2018 e 2019, nas quais perderam tempo e verborragia, convocando a luta contra o socialismo, sistema que os Estados Unidos haviam declarado desaparecido da face do planeta. Falou-se até em “fim da história” após o desaparecimento da União Soviética.

Vale dizer que, neste último discurso apresentado na mais alta assembleia planetária, em 24 de setembro de 2019, perante representantes de todas as nações do mundo, Trump se encarregou de relembrar “o imenso privilégio de me dirigir a você hoje como o líder eleito do uma nação que valoriza a liberdade, independência e autogoverno acima de tudo. Os Estados Unidos, tendo gasto mais de 2,5 trilhões de dólares desde minha eleição para reconstruir completamente nosso grande exército, também é de longe a nação mais poderosa do mundo”.

Poderíamos nos perguntar o que a China fez para provocar a fúria dos Estados Unidos com a consequente adoção de medidas que são expressão de um confronto franco. Isso se deve, fundamentalmente, ao fato de a China ter criado seu próprio modelo de desenvolvimento, que poderia ser considerado híbrido, uma vez que, partindo da aceitação de que há uma fase de transição para o socialismo, em que a economia global continua a ter um sustento capitalista, deve ser construída uma superestrutura econômica que seja poderosa o suficiente para enfrentar com sucesso o ataque imperial, o desenvolvimento e a melhoria das condições de vida dos cidadãos.

Este modelo não copia o capitalista ocidental fracassado, como ficou evidente no confronto com a pandemia. Ao contrário, está construindo uma própria, que leva em consideração suas peculiaridades, sua história, sua cultura e sua filosofia milenar. Isso permitiu ao país resistir com sucesso ao confronto capitalista ocidental e japonês, e perseverar no seu caminho para o socialismo, o que é inaceitável para os Estados Unidos.

A questão então é se isso inevitavelmente leva a uma nova guerra fria, e também é válido perguntar se ela já começou. Nesse sentido, parece que os Estados Unidos desejam de fato liderar o mundo rumo a uma nova guerra fria, mas é preciso afirmar que, por uma série de razões, não é certo que ela acontecerá, ou, pelo menos, devemos dizer que, se ela ocorrer, será diferente daquela vivida no século passado, tal como está presente na memória e nas experiências de cidadãos mais velhos, que guardam uma imagem da sua evolução ao longo da história.

Vamos ver algumas de suas diferenças:

1. A Guerra Fria do Século XX, entre os Estados Unidos e a União Soviética, ocorreu em um contexto de polarização que não existe hoje. É verdade que Trump, após o sucesso obtido na eleição de 2016, apostou na polarização da sociedade, e tenta repetir o fato no cenário internacional. Aqui está uma primeira diferença com o passado: a União Soviética concordou em participar da Guerra Fria, e também a assumiu como um dos seus interesses. A China de hoje, aparentemente, não quer isso – ou, caso esteja dissimular essas intenções, o está fazendo muito bem.

2. A Guerra Fria do Século XX foi desencadeada contra um país economicamente fraco. Não é o caso da China de hoje.

3. A Guerra Fria do Século XX teve uma linha de fronteira simbolizada pelo Muro de Berlim. em que ambos os sistemas (capitalista e socialista) “se tocaram” sem estarem diretamente presentes, mas que mantiveram um estado de tensão permanente. Esta linha não existe agora. Os Estados Unidos precisam criá-lo em um território que, ao contrário da Europa, não é necessariamente favorável a ele. É por isso que gera conflito no Mar da China Meridional. É a forma de justificar sua presença na região e “tocar” a China, para sustentar o clima de tensão necessário e explicar as condições de uma Guerra Fria. Para isso, utiliza a disputa de fronteira marítima entre a China e outros quatro países que estão na mesa de negociações.

4. Ao contrário do que ocorreu no passado, a guerra fria que os Estados Unidos pretendem desencadear agora não é contra um país que aspira a hegemonia mundial ou a expansão ideológica.

5. Não há possibilidade de confrontos bipolares, como o ocorrido em Cuba em 1962, nem de guerras “delegadas”, como a da Coreia, em 1953, e a do Vietnã, entre os Anos 60 e 70 do século passado, que geraram apoios à luta pela independência dos países africanos e o apoio dos Estados Unidos ao regime do apartheid na África do Sul.

O conflito entre a China e os Estados Unidos tampouco está dividindo países, como aconteceu no século passado com Alemanha, Vietnã e Iêmen – além da Coreia, que permanece dividida como último resquício da Guerra Fria anterior, mas que, ao menos neste momento, mantém relações diplomáticas tanto com a China quanto com os Estados Unidos.

6. Não há presença militar da China fora de seu território, nem bases militares, exceto em Djibouti, que abriga um contingente limitado e apoio logístico às missões de paz das Nações Unidas na África, e uma base muito pequena em Sri Lanka, cuja missão é “observar” os cargueiros e supertanques chineses que transportam petróleo do Golfo Pérsico.

7. A China, ao contrário da União Soviética de outrora, não tem nem pretende ter um desenvolvimento militar de acordo com a intenção de “dominar” o mundo, pelo qual acabaria enfrentando os Estados Unidos. A doutrina militar da China é defensiva e o desenvolvimento de sua tecnologia militar está relacionado a essa lógica. Seu orçamento militar ainda é um sexto do orçamento dos Estados Unidos.

8. Ao contrário da União Soviética, a China não se propôs a internacionalizar ou exportar seu modelo para nenhum outro país.

9. Outra diferença é que, no século passado, os Estados Unidos e a União Soviética quase não tinham vínculos econômicos, nem possuíam uma troca comercial que fez com que o confronto tivesse repercussões econômicas em suas relações bilaterais. Hoje, China e Estados Unidos têm economias que se sobrepõem, amplo intercâmbio comercial, tecnológico e financeiro, tanto que uma guerra fria poderia ter repercussões impensáveis %u20B%u20Bpara os dois países e para todo o mundo, que vive ligado por altos níveis de interconexão entre a China e os Estados Unidos, que são essenciais.

10. Finalmente, nos Estados Unidos há eleições em novembro. Em janeiro de 2021, pode haver um novo presidente. Não é certeza que isso possa levar a mudanças profundas na política externa (que, como sabemos nos Estados Unidos, não é do governo, mas do Estado), mas também é provável que outro presidente queira manter o conflito em níveis mais administráveis %u20B%u20Bdo que os atuais, evitando uma guerra fria aberto.

Diante dessa situação, qual é o plano da China? A proposta de seu governo e do Partido Comunista é continuar crescendo economicamente, expandindo seu comércio para melhorar as condições de vida da população, eliminando a pobreza e caminhando para a construção de um “país moderno, próspero, forte, democrático e culturalmente avançado, harmonioso e belo ”, afirmou o presidente Xi Jinping em seu discurso no XIX Congresso do Partido Comunista da China em 2017. Xi também afirmou que “este país e sua sociedade serão socialistas”.

Claro, a China deve resolver inúmeros problemas relativos ao trabalho, ao meio ambiente, os desequilíbrios entre a cidade e o campo, a participação das mulheres e outras questões mais ocultas em sua sociedade. Alguns são problemas que o país reconhece, mas entende que fazem parte da construção do socialismo, e que este é um processo dialético de acertos e erros, de avanços e retrocessos, e que é necessário aprender com eles para corrigir as deficiências e superá-las.

A China parte da ideia de que o mundo é interdependente, formado por múltiplas culturas e civilizações que devem aprender a conviver em paz, e por isso é imprescindível construir uma comunidade de destinos compartilhados, que obrigue imediatamente a defender o sistema multilateral, ao contrário dos Estados Unidos, que pretende destruí-lo.

Por outro lado, é possível supor que os Estados Unidos tenham um plano de contragolpe? Claro que sim, mas este é baseado em sua aspiração de impor sua lógica ao planeta por quaisquer meios – mesmo os violentos. No entanto, a médio e longo prazo, isso parece improvável. Entre 1980 e 2019, o crescimento da economia dos Estados Unidos manteve uma média anual de 2,7%, com uma inflação média de 1,6%, que é tecnicamente uma expressão de crescimento. Porém, para um país que pretende permanecer como potência hegemônica global, com um orçamento militar crescente ano após ano, tais números não o garantem a manutenção de sua liderança mundial.

A indústria estadunidense está em crise. Na verdade, pode ser considerado um país desindustrializado, já que, tentando aproveitar as facilidades da globalização, suas empresas localizaram alternativas em todo o mundo, na busca de baixar custos e maximizar lucros. Hoje, os Estados Unidos são importadores de… produtos americanos, o que gera um grande déficit de saldo e uma grande dependência do exterior para manter seus altos níveis de consumo. Da mesma forma, a distância tecnológica com a China, que até há poucos anos atrás tinha uma grande vantagem, hoje foi encurtada, e, em algumas áreas, o gigante asiático já superou os estadunidenses.

Além disso, como diz o investigador galego Xulio Ríos, hoje “os Estados Unidos precisam da OTAN (Organização do Tratado do Atlântico Norte) para pagar a suas contas e para continuar a sustentar o seu poder global”. Finalmente, a dissociação da economia dos Estados Unidos da China – que Trump anunciou como possível – não passa de uma quimera, já que levaria tempo para se implementar tal situação, e significaria um altíssimo custo, que as empresas não estão dispostas a assumir, e tampouco o governo tem recursos %u20Bpara executar.

Em resumo:

1. O mundo não quer uma nova guerra fria. Não haverá nova bipolaridade.

2. Existem outros atores: Rússia, Europa (que é bastante sufocada e subordinada aos Estados Unidos), Ásia Ocidental, Ásia Oriental, Japão (em declínio, mas ainda com uma economia forte) e mesmo a África tentam mantes uma presença na mesa onde as decisões globais são tomadas.

3. A América Latina não terá chance de ser um grande ator global, a não ser de forma efêmera, especialmente por suas oligarquias locais atrasadas, cegamente subordinadas aos Estados Unidos, que continuam controlando o poder na maioria dos países. A América Latina e o Caribe continuam sendo, em termos políticos, a região mais atrasada do mundo, negando suas próprias possibilidades de integração em favor da construção de miniblocos ideológicos desatualizados, cujo único interesse é mostrar sua lealdade aos Estados Unidos.

4. O mundo buscará novas formas de se organizar – e esse processo já está acontecendo.

5. A China não aspira ser a nova hegemonia do planeta. Além disso, não precisa ser.

6. Os Estados Unidos ainda controlam o poder cultural da mídia, por meio da gestão de grandes empresas transnacionais de informação, das redes sociais e do poder de Hollywood, sem contar que ainda mantém o poder militar. Mas está perdendo em termos de economia, em tecnologia e até o seu poder financeiro está começando a declinar, à medida que vários países abandonam o dólar como taxa de comércio.

7. O modelo chinês não entrará em colapso. Mais cedo ou mais tarde, será a principal potência econômica mundial, mesmo que nunca seja no âmbito militar.

8. O cenário ideal seria o de uma cooperação entre as duas maiores potências do planeta, mas isso é impossível neste sistema capitalista em crise, que não vê a política mundial como um espaço de colaboração, mas sim de competição.

9. Se Biden se tornar presidente, nada mudará em termos de estrutura, ou o caráter agressivo e intervencionista da política externa dos Estados Unidos, que permanecerá inalterado. Não esqueçamos que o Partido Democrata é o verdadeiro partido imperialista dos Estados Unidos.

10. A China está se preparando para ou pior. Isso foi afirmado por vários porta-vozes do governo e de empresas. Não sei se os Estados Unidos estão se precavendo para esse possível cenário de calamidade.

*Publicado originalmente no blog do autor (aqui e aqui) | Tradução de Victor Farinelli

Conteúdo Relacionado