Política

"Não estamos num momento 'normal'", diz PT em balanço do ano eleitoral

Por resultados obtidos mesmo em meio à crise do cenário político, Fernando Haddad foi apresentado como a nova liderança nacional do partido

03/12/2018 11:43

(Divulgação)

Créditos da foto: (Divulgação)

 

Em balanço publicado neste final de semana, o Partido dos Trabalhadores (PT) fez uma análise do ano eleitoral, destacando as perseguições políticas e judiciais contra lideranças que buscavam o pleito, incluindo o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, e apresentando o então candidato Fernando Haddad como a "nova liderança nacional do Partido". O documento foi divulgado em encontro em Brasília, nesta sexta (30) e sábado (01), comentando os resultados nas urnas.

Desenhando o cenário do país que enfrentamos hoje, com a "radicalização da econômica neoliberal", o partido mostrou-se preocupado com a "agenda regressiva de ataque aos direitos humanos, aos direitos das mulheres, dos negros, da comunidade LGBT, dos índios, migrantes e dos direitos dos trabalhadores no mercado de trabalho".

"É uma política que verbaliza, milita e tem o objetivo de acabar com o que restou de Estado Laico e de direitos dos grupos historicamente discriminados", manifestou o partido.

Da mesma forma escreveu Lula em sua última carta de dentro da prisão de Curitiba, o partido reafirmou que "não estamos num momento 'normal' pós-eleições". Entre os fatores vistos, a ruptura do "pacto constitucional" desde a derrubada do governo de Dilma Rousseff, a prisão e o impedimento da candidatura de Lula, foram vistos como "ataque à democracia" que "ecenrrou o respeito aos direitos civis e políticos mínimos".

"Depois da eleição, no período de apenas dez dias, a aparato jurídico – policial do golpe iniciou 5 processos novos contra Haddad, Dilma, Lula, Guido Mantega, Vaccari e outros. O objetivo nesse momento é condenar Lula em várias outras ações sem base legal, sem provas e sem direito ao contraditório. No mesmo passo, o companheiro Fernando Haddad foi transformado em réu por meio de ação arbitrária e infundada, seguido pela presidenta Dilma e outros petistas o que revela a natureza do Estado policial que se estrutura a partir do Ministério da Justiça, composto por quadros oriundos da Operação Lava Jato", lembrou o PT, no balanço.

Por fim, na rápida ascensão que conquistou o candidato escolhido por Lula para o substituir nas eleiçoes 2018, Fernando Haddad foi apresentado oficialmente como a "nova liderança nacional" do partido.

"É imprescindível ressaltar nesse balanço que o companheiro Fernando Haddad se projeta como uma nova liderança nacional do Partido. Defendeu o legado do PT, ao mesmo tempo em que simbolizou aspectos de renovação política e social de que o PT é capaz, logrando conjuntamente com a militância democrática, da esquerda e do partido chegar ao final do segundo turno com 47 milhões de votos. É com este saldo político que Fernando Haddad poderá cumprir destacado papel frente aos novos e complexos desafios da conjuntura"

Leia, abaixo, a íntegra da resolução:



*Publicado originalmente no Jornal GGN


Conteúdo Relacionado