Política

A justiça que burla a Constituição joga a democracia na cova

 

23/06/2019 14:55

Ministro Sergio Moro tentando se explicar para os senadores da Comissão de Constituição e Justiça (Pedro França/Agência Senado)

Créditos da foto: Ministro Sergio Moro tentando se explicar para os senadores da Comissão de Constituição e Justiça (Pedro França/Agência Senado)

 
Há três anos, o premiado jornalista investigativo Lúcio de Castro descobriu que Paulo Henrique Cardoso, filho do ex-presidente Fernando Henrique Cardoso, atuava no ramo do petróleo — um fato até então desconhecido pela opinião pública. PHC era sócio de uma empresa de comércio de produtos petroquímicos. Essa empresa mantinha negócios com empresas investigadas pela Lava Jato, como a Odebrecht e a Braskem, e possuía uma offshore em paraíso fiscal. Lúcio de Castro descobriu também que o filho de FHC era sócio, em outros negócios, de um argentino, braço direito do presidente Mauricio Macri, que se suicidou após se ver envolvido em escândalos de corrupção na Argentina.

À época, o jornalista mostrou que a Polícia Federal havia descoberto e-mail do Instituto FHC recebendo doação da Braskem. Os negócios nebulosos da família de FHC não eram meras suposições. Lúcio de Castro tinha tudo documentado. A reportagem foi oferecida para todos os grandes veículos da imprensa. Nenhum quis publicar. Os possíveis crimes contidos ali ainda não haviam sido prescritos.

** Leia o texto na íntegra no 'The Intercept Brasil' **



Conteúdo Relacionado