Política

A narrativa golpista e os possíveis caminhos para vencê-la (I)

Este primeiro artigo inaugura uma série voltada para analisar o poder comunicativo que se formou em favor do golpe e de uma contrarrevolução neoliberal

27/12/2017 19:47

Reprodução - Youtube

Créditos da foto: Reprodução - Youtube

 
Este primeiro artigo inaugura uma série voltada para analisar o poder comunicativo que se formou em favor do golpe e de uma contrarrevolução neoliberal e buscar caminhos para derrotá-lo.

A construção vitoriosa da narrativa do golpe
Antes de tudo começar, havia a elaboração de uma narrativa. Que construiu um enredo. Que projetou para a população um cenário de caos econômico, desordem, perda de qualidade de vida, volta da inflação, turbulência política, corrupção nunca antes vista. Cenário muito bem ancorado em medos que estão sempre povoando a mente do cidadão médio brasileiro (aquele que precisa trabalhar para pagar as contas e não vive de rendas, que acredita em meritocracia e acha que não é beneficiado por políticas públicas): perda do emprego, crise econômica (porque já vivemos muitas), perda do poder aquisitivo (o terror da classe média), inflação galopante, entre outros.

Na recente história do Brasil, que mostra o afastamento de uma presidenta eleita legitimamente com 54 milhões de votos, a construção e a projeção desse cenário jamais poderiam se tornar efetivassem um instrumento vital: a grande imprensa. Não restam mais dúvidas de que o catalisador do golpe que arrancou Dilma Rousseff do poder, em 2016, foi o discurso de informação da imprensa brasileira,  capaz de construir uma narrativa competente que associou os governos petistas a uma “corrupção nunca antes vista” e projetou para a população o cenário de “uma crise econômica sem precedentes”. 

Para entender o golpe, precisamos, portanto, entender a narrativa. E precisamos, sobretudo, compreender o seu poder. A narrativa que alicerçou o golpe foi projetada e disseminada pela grande imprensa brasileira, esse grupo formado por sete famílias que dominam a comunicação no país. De que se trata? Como foi construída? Que estratégias discursivas deram a ela tamanha força, capaz de projetar para um país um cenário e dar suporte à derrubada de um governo? Quais são os seus limites? E por quais caminhos é possível vencê-la?

Um processo de construção de sentidos
A narrativa é o processo de contar algo que aconteceu, e a notícia, no discurso de informação, incorpora essa narrativa ao levar as informações sobre um acontecimento a um grande número de pessoas. Portanto, entendê-la como processo, e não como ação, é essencial. A narrativa como ação implica o ato isolado de narrar. Compreendê-la como processo envolve a percepção de que há uma construção de efeitos de sentido. E é isso que se deve considerar quando nos referimos à narrativa que embasou o golpe. Considerar a narrativa como processo em que há construção de efeitos de sentidos implica também considerar que a notícia – esse suporte que conduz a narrativa e a dissemina –não é o simples reportar de fatos/acontecimentos.

Ela é um objeto discursivo engendrado pela máquina de informar que é a mídia corporativa e se reveste de elementos como representações dos atores citados, valores, encenação. A narrativa é, portanto, uma construção argumentativa, cuja função é convencer (o leitor, o espectador, o ouvinte) de algo (um ponto de vista, uma análise, um dito) a partir de um projeto de dizer de um enunciador. As narrativas nos apresentam os acontecimentos, e por meio dos acontecimentos, o mundo. Portanto, servem para organizar nossa percepção de uma realidade que não está ao nosso alcance direto, pois não somos testemunhas oculares dos fatos, nossa percepção é mediatizada, temos acesso às versões trazidas pela mídia. Elas ajudam a formar uma visão de mundo e não são relatos meramemte objetivos, posto que incorporam a emoção. 

Realidade mediada
As sociedades contemporâneas são sociedades mediatizadas. As notícias divulgadas pela imprensa cumprem o papel de mediar nossa relação com a realidade dada. E essa notícia, tomada como objeto do discurso, se ancora numa linguagem que não é transparente, cujo funcionamento deve ser percebido para além das regras formais de uso da língua e das regras técnicas do jornalismo.Na tessitura do discurso, o sentido se materializa nos caminhos dados pelas formas do texto, ele se constrói num processo de transformação e ressignificação dos acontecimentos, por meio de qualificações, descrições e argumentações. Portanto, a narrativa jornalística, que projeta um ethos de objetividade e pretensa neutralidade, tem viés, valores, pontos de vista, representações e dissimulações das vozes presentes que, muitas vezes, se ocultam sob estratégias discursivas bem construídas.

E assim se deu com a narrativa pró-golpe que se consolida no discurso de informação da grande imprensa brasileira a partir de 2013, com duas marcações fundamentais para a produção de efeitos de sentido: as representações e os repertórios. O  ator central, de maior poder comunicativo, foi o Jornal Nacional, da Rede Globo de Televisão, que trabalhou de modo sistemático para consolidar essa narrativa.

Representações
Personagens de que tratam as notícias são nomeados, caracterizados e recebem predicados, mesmo que não de forma explícita, mas de forma simbólica, até mesmo na hierarquia das notícias ao longo da edição. Assim, por exemplo, as entradas em relação a Dilma Rousseff, a depender do momento discursivo, sobretudo no período da eleição de 2014, eram antecedidas e quase sempre secundadas por notícias negativas de economia (com as devidas referenciações: crise, pibinho, déficit). Portanto, reforçava-se a alusão à incompetência. Em relação a Lula, a alusão prevalente era a da corrupção, com a mesma estrutura.

Os referentes utilizados na abordagem dos temas principais da  política (as alcunhas para determinados assuntos sempre remetendo à corrupção - Petrolão, Mensalão) e da  economia (Brasil em crise, Crise, Recessão) e para determinados atores (“petistas”, “corruptos”, “mensaleiros”) se repetiam como marcas que faziam referência a determinados grupos e/ou sujeitos e instauravam um lugar (da não corrupção, do cidadão de bem, do Brasil verde e amarelo) em oposição a outro (da corrupção, da sujeira na política).

Os problemas econômicos no Brasil (alta de preços, menor crescimento), circunstanciais em alguma medida, deixam de ser problemas econômicos, que agregam um conjunto de sentidos,e se convertem nos marcos “Crise sem precedentes”, “Recessão”, num outro campo de sentidos que integra um sistema de valores específico. Na narrativa jornalística, o movimento de nomear e predicar,qualificando, personagens e acontecimentos, alimenta o que Bakhtin denominou de uma “ideologia cotidiana”, aquela que parte de um sistema de referência (a mídia corporativa) e se insere nas instâncias da vida cotidiana (o bar, o salão, o supermercado, as famílias).

Repertórios centrais
Direcionar o olhar para que o receptor da notícia possa perceber as coisas do mundo é uma estratégia de que se utiliza o discurso de informação no processo de produção de sentido. O discurso utiliza estratégias que direcionam o olhar, delimitam os sentidos possíveis, conduzem a interpretações. Assim, a função primordial da mídia corporativa não é informar, mas antes transmitir sistemas de valores.

Nesse sentido, os dois grandes repertórios, ou temas, que sustentaram a narrativa pró-golpe foram:

1. Corrupção:sempre associada a determinado grupo, ligado à candidata à reeleição (a então presidente Dilma Rousseff), o que pode ser percebido pela marcação temporal – a corrupção é sempre mencionada em referência a determinado período histórico, levando a uma associação em termos de localização temporal.

2. Crise econômica: como elemento que perpassa toda a produção dos conteúdos e das informações, até mesmo em chamadas e manchetes que não se referem a esse aspecto em particular. Como a crise é marcada discursivamente? Pela menção direta a problemas econômicos, pela dimensão negativa no tratamento de certos dados econômicos, pela ressignificação de termos e referentes (“pibinho”), pela descontextualização marcada (a crise não se ligava a nenhum fator externo ou contextual – era um elemento solto e sozinho no universo da notícia global).

A dimensão desses repertórios na narrativa trazida pelo Jornal Nacional foi devastadora, pois eles consolidaram a perspectiva de que o país estava assolado por corrupção, em decorrência da ação de um determinado grupo, e por uma grave crise econômica, também em função da incompetência desse mesmo grupo. Os dois temas se comunicavam em uma mesma direção de sentido pela visão de mundo neoliberal: Estado corrupto, inchado, ineficiente e gastador.

Momentos discursivos
Perceber estratégias discursivas que compõem uma narrativa requer a observação de padrões de uso da linguagem que são recorrentes e orientam o olhar. É nesse sentido que é preciso marcar os momentos discursivos, considerados como espaços histórico-temporais em que se observam, na construção do discurso de informação, características e estratégias discursivas específicas e marcadas, que alimentam e constroem padrões discursivos, compondo a narrativa pró-golpe.

 Os momentos discursivos são:

1: Jornadas de Junho 2013

2: Eleições 2014 – janeiro a outubro/Pós-eleições até votação do impeachment na Câmara (outubro/2015 a maio/2016)

3: Período de afastamento de Dilma Rousseff até votação de afastamento definitivo pelo Senado (maio a agosto/2016)

A observação das estratégias e dos padrões presentes na narrativa da mídia corporativa, considerando-se veículos representantes da grande imprensa comercial, estabeleceu a projeção de um determinado cenário econômico e político no país. Dessa forma, as construções simbólicas (presentes nas estruturas linguísticas das chamadas e reportagens econômicas), repetidas de maneira constante, consolidadas em valores simbólicos, possibilitaram a criação de identificações e a formação de um quadro negativo de percepção do real em relação a determinado contexto e a determinados atores. De um modo geral, nas notícias veiculadas pelo Jornal Nacional nesse período dividido em três momentos, percebe-se um padrão narrativo, com variações nos momentos, marcado por:

- Ênfase na dimensão negativa: Observamos o uso de palavras, expressões e termos com referenciações negativas para os sujeitos, além de uma dimensão referencial negativa para determinados temas – como economia e política, prioritariamente, com associações reiteradas a crise, tendo força o uso de termos como crise, caos, recessão,

- Composição de uma cena enunciativa: a emoção no discurso é muito bem trabalhada para que o leitor interaja com a narrativa. Um bom recorte é o “jogral” apresentado por William Bonner e Renata, na divulgação dos áudios vazados de uma conversa entre o ex-presidente Lula e a então presidenta Dilma. Os trechos recortados não são projetados na tela nem tampouco apenas lidos: eles são interpretados. Saem da cena os locutores e entram a representação de Lula e Dilma no diálogo, com as supostas entonações pertinentes.

- A dramatização da informação enunciada: a emoção na narrativa não deixa espaço para a contextualização histórica. E rouba a cena.

- O silenciamento como estratégia: há um projeto de dizer que utiliza o silenciamento como estratégia de produção de sentido. Esse projeto de dizer orienta a materialização do discurso (querer dizer), construindo uma estrutura de “dizer X” para “não dizer Y”. Assim se comporta o Jornal Nacional na edição que mostra o encerramento das Olimpíadas, sendo Michel Temer ainda interino. A sua ausência da cerimômia – por temer as vaias – foi discretamente citada, em poucos segundos, na voz de um jornal estrangeiro. Prevaleceu o espetáculo. Ao silenciar assuntos/temas/abordagens, a mídia reconfigura o espectro político e econômico, pois há sentidos no silêncio. O silenciamento, política editorial da mídia corporativa, como descreve Eni Orlandi, limita o percurso dos sentidos pelo leitor, pelo espectador.

Uma marca importante para perceber como o silenciamento se torna política editorial – e não simples lapso ou ocultação – é o tempo dedicado à notícia. Em 16 de setembro de 2014, por exemplo, a ONU divulga em seu relatório que o Brasil, pela primeira vez na história, está fora do mapa da fome. Era o governo Dilma Rousseff, já em período eleitoral. O Jornal Nacional não dá chamada de abertura e dedica 38s à notícia na edição interna, antecedida por uma notícia sobre onda de violência, que recebe 1min15s. Nessa mesma edição, a notícia sobre o tempo recebe 37s. Silenciar não é apenas ocultar, é fazer calar, retirar de um acontecimento sua dimensão. Num país desde sempre assolado pela fome, é de se espantar que essa chamada não tenha entrado na abertura do jornal.

4.Ressignificação de temas, dando origem a novos campos de sentido (petrolão – petróleo corrupção)

O discurso produz sentidos e direciona interpretações, o que se liga a um real histórico, ao contexto, às disputas de poder engendradas na sociedade. Enfim, a palavra não é neutra, e os padrões nos mostram a continuidade da narrativa, que elabora seu fio condutor para que o espectador produza sentido. Uma ideologia política, nos lembra Jean-Pierre Faye, coloca em sua origem uma narração. A marcação repetida, a ocorrência sistemática de termos e personagens, a construção cuidadosa da cena enunciativa, tudo conspira para a produção de sentidos. E tudo, na narrativa da mídia corporativa, conspirou para o sucesso do golpe.

 * Eliara Santana é doutoranda em análise do discurso PUC Minas /CAPES

 * Juarez Guimarães é professor de Ciência Política da UFMG e coordenador do Centro de Estudos Republicanos Brasileiros ( Cerbras)









Conteúdo Relacionado