Política

A renovação da esperança dos frustrados

Entrevista especial com Rosana Pinheiro-Machado

03/12/2018 11:34

(Renovamídia)

Créditos da foto: (Renovamídia)

 

A eleição de Bolsonaro e a ascensão da nova direita no Congresso representam pelo menos três fenômenos: “a falência dos partidos tradicionaisdo Brasil; um populismo atroz que mistura o que parece contraditório: ressentimento e esperança popular; e, por fim, o ataque à democracia tal como ela operou no Brasil até hoje”, resume a socióloga Rosana Pinheiro-Machado na entrevista a seguir, concedida por e-mail à IHU On-Line.

Rosana Pinheiro-Machado, que tem realizado pesquisas com os eleitores de Bolsonaro na capital gaúcha, comenta o sentimento deles pós-eleições. “Eu vi muita esperança popular dos eleitores de Bolsonaro no final das eleições. Muita gente fala que foi a eleição dos ressentidos, amargos e frustrados. Eu penso que foi a renovação da esperança dos frustrados. Era uma esperança genuína de mudança”, relata. Mas o “afã bolsonarista deve diminuir em breve” e “pode se converter em nova frustração, e muito rápido”, afirma.

Para que a “esperança” não se transforme rapidamente em “frustração”, a socióloga frisa que “Bolsonaro precisará urgentemente tomar medidas populistas, como a liberação do porte de armas e melhorar a situação econômica do Brasil e a questão dos empregos, já que a informalidade e a precariedade não param de crescer”. Entretanto, adverte, “é possível acelerar a votação” de medidas populistas, “mas melhorar a situação econômica e combater a desigualdade social do Brasil com ultraliberalismo, aí já são outros quinhentos”.

Nesta entrevista, Rosana Pinheiro-Machado também comenta os erros cometidos pela “esquerda institucional” nos últimos anos, explica as características do bolsonarismo, e esboça algumas alternativas que a esquerda pode oferecer em contraposição ao bolsonarismo. “Teoricamente”, diz, ela pode oferecer “tudo”, como “valores humanistas, emancipatórios e universalistas”. Já na prática, lembra, “o PT andou nos trilhos do negacionismo: da crise e de seus próprios erros”. E desabafa: “Fico muito frustrada de termos uma parte da nossa esquerda institucional que tenha sido tão fechada em si mesmo, tão errada em seus diagnósticos e que não compreendeu que existe uma pulsão de indignação no Brasil que é um prato cheio para a gente, porque indignação e revolta ‘contra tudo o que está aí’ é algo que a esquerda precisa para oferecer a mudança radical que acreditamos ser necessária. A esquerda é quem tem que oferecer mudança, mas não ofereceu: ofereceu o mesmo de sempre”. Apesar de tudo, lembra, “existe a esquerda que se renova por si só, verdadeiramente popular, que é abraçada em alguns partidos como o PSOL. Mas é fundamentalmente autônoma, das ruas, das lutas pós-Junho de 2013, das ondas descentralizadoras, das ‘minorias’ e da primavera feminista”.

Rosana Pinheiro-Machado é graduada em Ciências Sociais pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul - UFRGS e doutora em Antropologia Social pela mesma universidade. Foi professora de Desenvolvimento Internacional na Universidade de Oxford de 2013 a 2016 e atualmente é professora titular visitante da Universidade Federal de Santa Maria - UFSM no PPG de Ciências Sociais, e coordenadora e cofundadora da Escola de Governo Comum.

Confira a entrevista.

IHU On-Line – O que a eleição de Bolsonaro e a ascensão da nova direita no Congresso significam para a política brasileira?

Rosana Pinheiro-Machado – Significa a falência da política institucional brasileira não apenas na percepção popular, mas também na ocupação do Congresso. Significa a deterioração dos partidos tradicionais. Foi a grande vitória do PSL, que representou e capturou o grito “contra tudo que está aí”. Mas principalmente representou não apenas o antipetismo como estamos acostumados a analisar, mas uma derrota brutal do PSDB, que, com todo o tempo de televisão e com todo o dinheiro que teve, fez uma votação vergonhosa para presidente.

A crise econômica e a crise política, juntas, foram uma bomba-relógio pronta para explodir o populismo de direita – Rosana Pinheiro-Machado

Se o impeachment representou para uma parte da população uma possibilidade de renovar o sistema político, o escândalo da JBS enterrou de vez essa possibilidade, mostrando, como dizem popularmente, “que eram tudo farinha do mesmo saco”. A crise econômica e a crise política, juntas, foram uma bomba-relógio pronta para explodir o populismo de direita, que segundo a definição do Cas Mudde [cientista político holandês], é a divisão da sociedade entre uma suposta elite corrupta e o resto “puro”, guardião da moral. Além disso, representa a corrosão das instituições democráticas pela via democrática, pelo voto. Destruir o sistema sem ter nada, mas nada mesmo, para oferecer em troca. Há hoje um amplo apoio de uma parte significativa da população em atacar os meios de comunicação, as universidades etc. Esta parte da população que apoia o desmonte das instituições entende que a democracia tal como ela funcionou no Brasil não cumpriu sua promessa de bem-estar.

Então, resumindo: a eleição de Bolsonaro e de um Congresso extremamente conservador representa a falência dos partidos tradicionais do Brasil, um populismo atroz que mistura o que parece contraditório: ressentimento e esperança popular e, por fim, o ataque à democracia tal como ela operou no Brasil até hoje.

IHU On-Line – Que avaliação está fazendo do cenário pós-eleitoral no país?

Rosana Pinheiro-Machado – É muito cedo. Impossível fazer uma aposta fechada. O que mais existe na história são exemplos de governos que começam de um jeito e terminam de outro. Nosso esforço, enquanto resistência e oposição, é forçar para que Bolsonaro ande na linha democrática. O custo para ele para não andar na linha é também altíssimo. Mas tudo isso depende de como a economia irá reagir. Eu vi muita esperança popular dos eleitores de Bolsonaro no final das eleições. Muita gente fala que foi a eleição dos ressentidos, amargos e frustrados. Eu penso que foi a renovação da esperança dos frustrados. Era uma esperança genuína de mudança. Para que essa esperança não se transforme em frustração rapidamente, Bolsonaro precisará urgentemente tomar medidas populistas, como a liberação do porte de armas e melhorar a situação econômica do Brasil e a questão dos empregos, já que a informalidade e a precariedade não param de crescer. Em relação às medidas populistas punitivistas, é possível acelerar a votação. Mas melhorar a situação econômica e combater a desigualdade social do Brasil com ultraliberalismo, aí já são outros quinhentos.

Muita gente fala que foi a eleição dos ressentidos, amargos e frustrados. Eu penso que foi a renovação da esperança dos frustrados – Rosana Pinheiro-Machado

Eu tenho a impressão, portanto, de que esse afã bolsonarista deve diminuir em breve e que pode se converter em nova frustração, e muito rápido. Se isso ocorrer, Bolsonaro apostará suas fichas na distração popular: na caça de inimigos internos, na culpabilização de minorias, “vagabundos” e professores, numa certa depravação do povo. Historicamente, as questões morais no Brasil têm funcionado muito bem como bode expiatório porque elas remetem a um universo de significados que faz sentido popularmente. Culpar o kit gay é muito mais fácil do que a taxa da inflação. Então se eu fosse fazer uma aposta me baseando na escolha dos ministros da Educação[Ricardo Veléz Rodríguez] e das Relações Exteriores [Ernesto Araújo], por exemplo, reconhecendo os limites de qualquer aposta neste momento, eu diria que a marca do bolsonarismo será ainda de muita perseguição a uma suposta doutrinação marxista-petista, não por convicção, mas como distração do povo, desviando o foco das críticas.

IHU On-Line – O que é o “bolsonarismo”?

Rosana Pinheiro-Machado – Bolsonarismo dispensa Bolsonaro: é o que ele encarna. É um movimento que tem paralelos com diversos regimes fascistas que conhecemos e, sincronicamente, com a onda de populismo global. Todavia, eu gosto de pensar como um movimento brasileiro, com características brasileiras que estavam no integralismo, no malufismo e que, apesar de fazer parte de uma onda de contágio da extrema direita, atualiza um antigo conservadorismo moral e religioso, e nos lembra que os dados alarmantes de intolerância e violência contra indígenas, LGBTs, negros e mulheres não nascem do vácuo sociológico, mas de uma sociedade antidemocrática e, portanto, autoritária.

Bolsonarismo é também a nova cara populista e autoritária que o neoliberalismo atual tem utilizado para se recriar após a crise do capitalismo, caçando fantasmas e questionando séculos de conhecimento científico sobre a humanidade. De toda essa mistura de ingredientes autoritários, fascistas, conservadores e até obscurantistas, o que me assusta é menos o que Bolsonaro pode vir a falar ou a fazer, mas o que ele autoriza: o de dizer o que outrora era impensável, a aniquilar o Outro.

IHU On-Line – Em artigo recente, a senhora disse estar “convencida” de que para analisar o bolsonarismo é preciso olhar para os regimes fascistas do Ocidente e para o autoritarismo da esquerda. Pode nos dar exemplos de traços de fascismo e de autoritarismo que percebe no bolsonarismo?

Quando me referi ao autoritarismo da história da esquerda, referi-me pontualmente aos métodos do curto período da Revolução Cultural chinesa – Rosana Pinheiro-Machado

Rosana Pinheiro-Machado – Bolsonarismo é um movimento de extrema direita e que, consequentemente, terá características fascistas (no aniquilamento do inimigo por uma lógica fundamentalista e nacionalista). [Quando me referi ao autoritarismo da história da esquerda, referi-me pontualmente aos métodos do curto período da Revolução Cultural chinesa, cujas consequências podem nos ensinar algumas lições, como o que mencionei anteriormente: que a perseguição anti-intelectualista é um desvio de foco e que causa traumas e feridas profundas por décadas]. Mas o autoritarismo bolsonarista é de caráter duplo. De um lado, ele é típico autoritarismo do neoliberalismo global atual, que precisa usar do braço armado do Estado para garantir o contínuo cercamento do público e do “comum” e a contínua renovação do lucro das grandes corporações. De outro lado, ao surfar na onda de uma profunda crise econômica e política, o bolsonarismo cresce na forma clássica do autoritarismo: culto à personalidade, personificação da política, centralismo político, tendência à militarização do governo e repressão dos movimentos sociais. Sobre este último aspecto é bom lembrar que a onda antimanifestação que pode ser deflagrada ganha legitimidade com a lei antiterrorista, a qual já tinha sido aprovada no governo Dilma.

IHU On-Line – O que a esquerda tem a oferecer em contraposição ao bolsonarismo?

Rosana Pinheiro-Machado – Teoricamente, tudo. Valores humanistas, emancipatórios e universalistas. A insistência no valor da camaradagem ou da solidariedade democrática como um valor em que uma sociedade só pode existir pelo amor que existe para além de nossas famílias e laços particularistas, mas ampliando-os à comunidade e à humanidade em sua diversidade como um todo. Além disso, a esquerda tem a certeza de que o capitalismo não entrega suas promessas e que a desigualdade econômica e social não pode ser resolvida sem ampla política redistributiva.

A esquerda tem a certeza de que o capitalismo não entrega suas promessas e que a desigualdade econômica e social não pode ser resolvida sem ampla política redistributiva – Rosana Pinheiro-Machado

Na prática, o PT andou nos trilhos do negacionismo: da crise e de seus próprios erros. A candidatura do Boulos representou uma ambivalência clara e evidente entre uma tentativa de se formar como herdeiro de Lula (o que não colou) e um radicalismo (no melhor sentido da palavra) do que ele representa das lutas populares.

Eu fico muito frustrada de termos uma parte da nossa esquerda institucionalque tenha sido tão fechada em si mesma, tão errada em seus diagnósticos e que não compreendeu que existe uma pulsão de indignação no Brasil que é um prato cheio para a gente, porque indignação e revolta “contra tudo o que está aí” é algo que a esquerda precisa para oferecer a mudança radical que acreditamos ser necessária. A esquerda é quem tem que oferecer mudança, mas não ofereceu: ofereceu o mesmo de sempre.

Mas… existe a esquerda que se renova por si só, verdadeiramente popular, que é abraçada em alguns partidos como o PSOL. Mas é fundamentalmente autônoma, das ruas, das lutas pós-Junho de 2013, das ondas descentralizadoras, das “minorias” e da primavera feminista. Essa onda está furando as bolhas, não está ocupando sem pedir passagem e, como brilhantemente mostrou a capa da New Yorker, está entrando nas festas para as quais não foi convidada. A esquerda institucional precisa parar de olhar para velhas (no sentido figurado) figuras e segurar o dinheiro para as suas campanhas, e investir nessa onda “grassroots” que vem das lutas populares.

Eu tenho dito que talvez tenha sido preciso o sistema todo ruir para que essa nova esquerda pudesse ganhar espaço, porque no arranjo institucional anterior, das democracias liberais, as mulheres, as LGBTs e os negros não tinham espaço.

IHU On-Line – Nos últimos anos a esquerda tem recebido muitas críticas. Na sua avaliação, quais foram os erros cometidos pela esquerda ao longo dos últimos anos e, posteriormente, no período eleitoral?

Cada vez mais, nós da esquerda teremos que lidar com o contraditório e com as revoltas populares ambíguas – Rosana Pinheiro-Machado

Rosana Pinheiro-Machado – Errou em se afastar das bases populares no processo de institucionalização dos movimentos sociais e no modelo lulista de Estado gestor que transfere renda, mas vai aos poucos deixando de fomentar espaços coletivos democráticos. Errou em debochar ou escrachar tudo que não compreende com sua mentalidade do século XXI: Junho de 2013 à greve dos caminhoneiros. Errou em negar a crise econômica e fazer uma discussão honesta sobre corrupção, que é sim um problema sistêmico. Errou em achar que o bolsonarismo era nicho e em apostar todas as fichas no Lula, enquanto o antipetismo era orquestrado cada vez mais fortemente nos bueiros das fake news. Errou nos métodos de eleição: primeiro usou a máscara de Lula, depois no segundo turno o Lula desapareceu e deu espaço para uma narrativa que reivindica o verde e amarelo (oi? Houve quatro anos de deboche do verde e amarelo…).

Enfim, é uma série de erros que todos têm uma mesma causa: o autocentramento que ofusca a visão do brasileiro comum: aquele ser contraditório que assiste à Record, à Globo, que tem valores conservadores e que sente revolta do sistema, da política tradicional e das elites. Cada vez mais, nós da esquerda teremos que lidar com o contraditório e com as revoltas populares ambíguas. A história já nos ensinou que dizer #Eunãobatipanela ou #euavisei não serve para absolutamente nada. Às vezes penso nessa soberba medonha de uma parte da esquerda que pensa assim: “eu aqui sentado no meu sofá fico debochando do povo se ferrando porque daqui uns dias eles vão perceber que eu estava certo e se renderão à minha sabedoria”. Não, cara-pálida, não é isso o que vai acontecer e não foi isso que aconteceu. O que aconteceu é que se o povo se ferra, a radicalização política veio da direita, que, a propósito, não escolhe militante ideal.

IHU On-Line – Quais são os colapsos que evidencia no sistema político? Quais são as causas desse colapso?

Rosana Pinheiro-Machado – Os colapsos políticos são conhecidos e já comentei: colapso dos partidos tradicionais e a descrença total da população na democracia e no status quo. Agora, o problema é que junto a isso nós tivemos uma crise econômica global. E o resultado de uma dupla crise como essa é o colapso de “tudo”: é o colapso e o questionamento de valores ocidentais, democrático, laicos e humanistas na carona. E isso é grave e profundo porque questiona todo o nosso chão e todos os nossos parâmetros e a gente percebe que não tem mais nada que podemos prever, nem em que nos ancorar como ética de verdade e como prática política. É desnorteador, mas também é uma oportunidade para que nós, da esquerda, possamos nos reinventar dessa antítese do mundo tal qual conhecemos.

IHU On-Line – Que tipo de oposição ao governo Bolsonaro é possível esperar da esquerda? A esquerda tende a continuar fragmentada na oposição ou não?

Rosana Pinheiro-Machado – A frente de oposição é fácil de ocorrer no Congresso, mas não é suficiente. Precisamos ter uma frente ampla mesmo, incluindo todos os setores democráticos para tentar fazer um cordão de contenção para os excessos de Bolsonaro. De resto, as lutas populares seguem e fortalecem seu curso. As mulheres estão cada vez mais politizadas. Nós continuaremos crescendo, organizando manifestações, fazendo alianças interseccionais e cada vez mais ocupando cada espaço político que houver para ocupar.

*Publicado originalmente no IHU On-Line

 

Conteúdo Relacionado