Política

Adeus, meu país, adeus

À noite, vendo a vitória do troglodita Jair Bolsonaro, entendi o que aconteceu comigo ontem: entre uma tarde ensolarada e a velha calçada do bistrô, meu país mudou

31/10/2018 09:40

(DPA)

Créditos da foto: (DPA)

 

Opinião

Adeus, meu país, adeus

Por Eric Nepomuceno

Ontem, depois de votar, fomos minha companheira de mais de quatro décadas atrás, nosso filho e eu ao " Alvaro’s " comer algo leve e experimentar a emoção de ter votado para um futuro em que acreditamos e que era ameaçado .

Na segunda metade da década de 1960, em plena ditadura, e, em seguida, até o retorno da democracia o "Alvaro’s" um bistrô de bairro, era um ponto de encontro de artistas e pessoas progressistas.

Vamos continuar: no final volto ao "Álvaro's" o antigo.

No sábado à noite, meu filho, que estava fora e retornou ao Brasil com a única missão para votar ontem, me disse: "Você tem que levar um livro".

Levei um minuto e meio para entender: enquanto Jair Bolsonaro disse em sua campanha que queria que cada brasileiro tivesse uma arma na mão, Fernando Haddad contestava afirmando que seu sonho era ver cada brasileiro com um livro na mão. Minha companheira escolheu "As veias abertas da América Latina", do nosso irmão Eduardo  Galeano, e eu "O Povo Brasileiro", do meu segundo pai, Darcy Ribeiro.

Então recebi outros pedidos, por telefone, por e-mail, e achei curioso. Era como se, em vez de votar, estivéssemos todos indo para uma gigantesca feira de livros. Gigantesca e alegre festa da democracia.

Havia dias que nas grandes cidades brasileiras se notava claramente, uma onda de esperança impulsionando ou tratando de impulsionar uma mudança dramática na campanha eleitoral que,  no primeiro turno, tinha colocado um troglodita desequilibrado como favorito.

Mais de eventos de massa, mais que atos públicos realizados em palcos históricos em apoio a Fernando Haddad, mais que qualquer coisa, me chamaram a atenção as manifestações espontâneas, nas ruas e praças de centenas e centenas de cidades brasileiras.

No domingo, 28 de outubro, nós três saímos para votar. Eu moro em um bairro privilegiado da minha cidade, um daqueles cantos chamados "bairro nobre".

Mas nas ruas nós tropeçamos, enquanto caminhávamos para o local de votação, com casais ou grupos de jovens, ou de pessoas da minha geração, muitos deles com livros nas mãos.

Era um domingo de sol, temperatura agradável, e caminhar pela lagoa Rodrigo de Freitas, olhando a paisagem única e paradisíaca da cidade mais linda do mundo me fez bem.

Chegamos, votamos, e agora sim, voltamos ao "Álvaro's".

A ideia tem sido a do meu filho: desde 1992, quando ele votou pela primeira vez, nunca mais havíamos nos encontrado num dia de eleições, para após irmos ao velho bistrô.

Fomos.  Meu filho, com um punhado de esperanças. Minha companheira, com alguma esperança. Eu, pouco otimista.

Na saída, estávamos todos na calçada, à espera de um táxi. E Deus sabe por que diabos, um casal, formado por um senhor grisalho, elegante, pituquito, e sua esposa, devidamente silicone nas partes correspondentes,  nos olhou com desgosto e desprezo, e disparou:  "Petralhas Ladrões! Ladrões!

"Petralha" é um termo que algum direitista infernal inventou para referir-se aos “petistas” em geral, ou seja, alguém que segue ou é filiado ao Partido dos Trabalhadores, o PT de Lula, já "canalha", todos conhecem o significado.

 
Nem minha companheira, nem meu filho e muito menos eu somos do PT. E dos ladrões de Temer e companhia sempre mantivemos total distância.

O domingo de sol e alegria foi abatido por aquele homem grisalho. Em vez de reagir, meu filho e eu apenas olhamos para ele e rimos.

A que ponto chegamos: estar na rua,  num lindo dia de domingo,  significa correr o risco de que uma pessoa sem cérebro me reconheça e me ofenda.

Então minhas memórias vividas naquele velho bistrô se foram.

À noite, vendo a vitória do troglodita Jair Bolsonaro, entendi o que aconteceu comigo ontem: entre uma tarde ensolarada e a velha calçada do bistrô, meu país mudou. Ele retornou aos tempos em que nos encontramos no "Álvaro’s" para discutir meios de sobrevivência à ditadura.

Há uma diferença, além do tempo que passou por mim, minha alma e minha vida: aqueles eram tempos de ditadura.

E agora meu país cai sob as garras imundas de uma espécie de Pinochet nascido das urnas.

Por volta das dez horas da noite, os atos de agressão física se multiplicaram por todo o meu país a quem quer que fosse um manifestante em favor de Haddad, do PT, ou qualquer coisa que não fosse Bolsonaro.

Eu conheço o filme. Eu moro aqui e na Argentina. O final é trágico.

Adeus, meu país, adeus.

Adeus.

Conteúdo Relacionado