O jornalismo de esquerda precisa de você. Venha ser parceiro Carta Maior. Doe agora!
Seja Parceiro Carta Maior
Política

Apoiado por donos de jornais do interior, Lula defende democratização da mídia

Ex-presidente defendeu democratização da mídia na abertura do segundo Congresso de Diários do Interior, na noite desta terça-feira (13), em Brasília.

14/05/2014 00:00

Ricardo Stuckert/Instituto Lula


Brasília - O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva foi ovacionado pelos cerca de 300 proprietários de jornais brasileiros que participam do 2º Congresso de Diários do Interior, em Brasília, na noite desta terça (14), quando destacou a importância da mídia regional e defendeu a democratização da comunicação no país.

“Aprimorar a democracia significa também garantir aos cidadãos o direito à informação correta e ao conhecimento da diversidade de ideias em uma sociedade plural. Esse tema passa pela constituição do marco regulatório da comunicação eletrônica, conforme previsto na Constituição de 1988”, afirmou o ex-presidente.

Segundo ele, o Código Brasileiro de Telecomunicações é de 1962, quando no país inteiro havia apenas dois milhões de aparelhos de TV, não havia rádio FM, computadores ou internet. “No Brasil de hoje, é preciso garantir a complementaridade de emissoras privadas, públicas e estatais, promover a competição e evitar a contaminação ideológica de alguns meios de comunicação deste país”, acrescentou.

Os empresários que aplaudiram entusiasticamente o ex-presidente não eram, claro, os proprietários dos grandes grupos de comunicação que fazem oposição sistemática ao governo petista, mas os donos dos 340 jornais de pequeno e médio porte do interior do país que, hoje, atingem quatro milhões de leitores. Mais do que o público de todos os chamados grandes juntos.

São jornais que experimentaram um desenvolvimento recorde desde que Lula assumiu a presidência, em 2003, e decidiu repassar a eles uma fatia do bolo da publicidade oficial, antes só destinada aos grandes. “Quando chegamos ao governo, a publicidade regional era direcionada a 240 rádios e jornais. Em 2009, já chegava a 4.692 rádios e jornais de todo o país”, contabilizou o ex-presidente.

Por isso, decidiram homenageá-lo com o troféu “Amigo da Associação dos Diários do Interior do Brasil (ADI – Brasil)”, entregue na noite da abertura do congresso. Em tom descontraído, mas bastante crítico à cobertura feita pela chamada grande imprensa, Lula exacerbou a importância da mídia regional para fazer o contraponto e ajudar o país a conhecer melhor a pluralidade de vozes existentes na sociedade. Foi aplaudido de pé.

Imprensa regional X nacional

No seu discurso, o ex-presidente ressaltou o acerto do seu governo em investir em mídia regional. Segundo ele, foram os veículos de comunicação do interior e os alternativos que contaram aos brasileiros as mudanças em curso no país que não aparecem na grande mídia. “A maior cobertura de políticas públicas que os grandes jornais fizeram neste período foi para apoiar o fim da CPMF, que tirou 50 bilhões anuais do orçamento da saúde”, ironizou.

Lula desfiou vários exemplos de como a mídia regional retratou as transformações brasileiras, enquanto os grandes veículos de comunicação ignoraram as mudanças realizadas por seu governo, invertendo a lógica do que é notícia para possibilitar manchetes negativas.

“Quando o Luz Para Todos chega em uma localidade rural ou em uma periferia pobre, está melhorando a vida daquelas pessoas, gerando empregos. E isso é uma notícia importante para os jornais da região. Já os grandes jornais, nunca deram importância ao Luz Para Todos. Mas quando o programa superou todas as expectativas e alcançou 15 milhões de brasileiros, um desses jornais deu na primeira página: ‘Um milhão de brasileiros ainda vive sem luz’. Onde estava esse grande jornal quando 16 milhões de brasileiros não tinham energia elétrica?”, questionou.

“Quando as cidades recebem profissionais do Mais Médicos, vocês sabem o que isso representa para os que estavam desassistidos. Já são 20 mil profissionais que vão atender 50 milhões de pessoas. E a imprensa nacional só fala daquela senhora que abandonou o programa por razões políticas ou daquele médico que foi falsamente acusado de errar uma receita”, alfinetou.

“O número de universitários no país dobrou para sete milhões, graças ao Prouni, ao Reuni e ao Fiés. Os grandes jornais não costumam falar nisso. Mas são capazes de fazer um escândalo quando uma prova do Enem é roubada dentro de uma gráfica, que por sinal era de um dos maiores jornais que criticaram o Enem”, ironizou.

A guerra ideológica da imprensa estrangeira

O ex-presidente também não poupou críticas à parcela da imprensa estrangeira que vem investindo contra o país, desde que o Brasil conquistou destaque global, segundo ele com uma política econômica diferenciada, que combina crescimento com inclusão social.

“Quando mais distante estiver da realidade, mais vai errar um veículo de comunicação. Basta ver o que anda publicando sobre o Brasil a imprensa econômica e financeira do Reino Unido. O país deles tem uma dívida de mais de 90% do PIB, com índice recorde de desemprego, mas eles se preocupam em escrever que o Brasil, com uma dívida líquida de 33% do PIB, é uma economia frágil. E eu não posso aceitar a ideia de que uma economia frágil tenha reservas de R$ 376 bilhões, inflação controlada, investimentos crescentes e um índice de emprego que nós nunca tivemos neste país”, disparou Lula.

Segundo o ex-presidente, a imprensa estrangeira escreve que os investidores não confiam no Brasil, mas omite que o país já é reconhecido como um dos maiores destinos globais de investimentos, a frente de qualquer país europeu. “Dizem que perdemos o rumo e devemos seguir o exemplo de países obedientes à cartilha deles. Mas se esquecem que, desde 2008, quando o mundo destruiu 62 milhões de postos de trabalho,  o Brasil criou mais de 7 milhões de empregos”, continuou.

Bonecos de ventríloquos

Lula também investiu pesado contra os jornalistas brasileiros que repetem as informações publicadas pela imprensa estrangeira acriticamente, errando sucessivas previsões sobre o caos econômico que projetam para o país. “O que eu lamento é que alguns jornalistas brasileiros fiquem repetindo notícias erradas que vem de fora, como bonecos de ventríloquo. Isso é ruim para a imprensa, porque o público sabe distinguir o que é verdade e o que não é”, acrescentou.



Créditos da foto: Ricardo Stuckert/Instituto Lula