Política

As novas bombas da tecnologia contemporânea

Durante a Guerra Fria nos acostumamos a uma proliferação de bombas de alto poder destrutivo. Agora há uma nova produção de bombas, todas de alta tecnologia

16/08/2017 19:16

Carta Maior

Créditos da foto: Carta Maior

Durante a Guerra Fria nos acostumamos a uma proliferação de bombas de alto poder destrutivo. Eis alguns exemplos, todos de triste memória, mesmo que não tenham sido usados:
 
Bomba Atômica: torrou Hiroshima, Nagasaki e seus habitantes. Faz vítimas até hoje.
 
Bomba de Hidrogênio: faria a Bomba Atômica parecer um traque junino.
 
Bomba de Napalm: torrou um monte de asiáticos na Guerra do Vietnã. Ficou famosa ao queimar uma menina fotografada correndo nua por uma estrada, foto que chegou a ser censurada no Facebook. Pela nudez, não pela bomba.
 
Bomba Laranja: destrói a folhagem. Ainda vai ser recomendada para o agrobusiness na Amazônia.
 
Bomba Nêutron: o ideal do capitalismo; mata todo mundo deixando os prédios de pé para futura ocupação por empresas sólidas e confiáveis.
 
Mas agora há uma nova produção de bombas, todas de alta tecnologia:
 
Bomba Temer: destrói a credibilidade de uma nação, de um Estado, tornando tudo isto pasto vendável para estrangeiros a preço de banana nanica. Tem a vantagem de que se auto-destrói junto. Vai desaparecer da história, auto-incinerado. Não deixa rastro, só a destruição.
 
Bomba Jucá: barra investigações de qualquer tipo.
 
Bomba Cunha: atua em qualquer ambiente, mesmo submersa, presa, atolada, espinafrada, é imbatível para efeitos malignos.
 
Bomba Meirelles: especialista em torrar orçamentos, esta bomba de longo alcance queima o futuro. É um novo tipo de arrasa-quarteirão, a famosa bomba da Segunda Guerra Mundial. Com uma diferença: suga o oxigênio disponível em direção a fundos de investimento. O resto queima em fogo lento, e duradouro.
 
Bomba Moro: especificamente dirigida contra Constituições. A cada explosão torra um artigo. Efeito colateral: destrói empresas navais e petrolíferas. Tem uma ogiva especial dirigida a ex-presidentes barbudos de passado sindical.
 
Bomba Dallagnol: construída na forma de power point arrasa com a inteligência de quem a vê. Penetra pelo cérebro e danifica o sistema nervoso central. Se não se cuidar, e se sobreviver, a vítima se torna pregador da Igreja dos Últimos Neurônios.
 
Bomba Maia: bomba de fragmentação e efeito moral. Paralisa sua vítima, deixando-a impotente para que seja atropelada por bandos e quadrilhas oportunistas. De grande efeito em aglomerações de deputados - embora estes fiquem longe de serem paralisados. Ao contrário, são os atropeladores.
 
Bomba Cristovam Buarque: bomba de efeito retardado. Arrasa reputações, fere princípios, aleija espinha dorsal, deseduca quem sofre sua ação. Mortal para populações ribeirinhas da margem social.
 
Bomba Marta Suplicy: é a chamada “bomba da vingança”. Especial para frustrar eleitores, trair seus sentimentos, apagar a memória.
 
Bomba Doria: feita para destruir ciclovias e vidas nas avenidas marginais das grandes cidades. É a preferida pelos transformadores de automóveis em tanques de guerra.
 
Bomba Aecio: esta transforma em pó tudo o que toca, de reputações a helicópteros.
 
Bomba Serra: suga capitais e deposita em conta na Suíça.
 
Bomba Aloysio: especial para queimar a lembrança de Rio Branco na política externa. Especialista em transformar paz em guerra beligerante.
 
Bomba Gilmar Mendes: queima tudo o que não for do PSDB.
 
Enfim, o Brasil ainda vai expor outros milagres da tecnologia.



Conteúdo Relacionado