Política

Boaventura de Sousa Santos: ''Por que o Neoliberalismo de fachada democrática só resiste no Brasil?''

 

04/11/2019 12:27

João Batista da Silva

Créditos da foto: João Batista da Silva

 
OUÇA AGORA:



SUA VOZ NA CONJUNTURA

Entrevista exclusiva:

BOAVENTURA DE SOUSA SANTOS, Doutor em Sociologia pela Universidade de Yale e professor aposentado da Universidade de Coimbra.

Por que o Neoliberalismo de fachada democrática só resiste no Brasil?

Por João Batista da Silva, de Brasília para a Rádio Carta Maior.

Nos anos '90, o receituário econômico das ditaduras voltou com democracias domesticadas.

Criou-se uma tensão inconciliável entre a soberania popular e a supremacia da lógica financeira.

Esse modelo entrou em colapso na América Latina, mas paradoxalmente, resiste e avança no Brasil.

A singularidade regressiva brasileira: mistura tóxica entre neoliberalismo e conservadorismo religioso.

Evangelismo neopentecostal converte desigualdade em resignação: rico é quem foi abençoado por Deus.

Conservadorismo religioso proliferou com aliança de João Paulo II e Rockfeller, contra Cuba e Teologia da Libertação.

Relatório Rockfeller propôs em 1969 a criação de um escudo evangélico neopentecostal contra clamor popular na América Latina

Dez anos depois, criou-se a Igreja Universal do Reino de Deus; hoje, quem fala e é ouvido nas periferias é ela.

Estou defendendo enfaticamente que as esquerdas se unam e se voltem para as periferias

O colonializador foi-se mas ficou o legado colonialista, muito forte, como mostra o patriarcado e o racismo.

Com Bolsonaro o capitalismo brasileiro endurece: aumenta o exterminio racial, a ocupação das favelas, o machismo etc.

A Lava Jato é um projeto internacional da 4ª Guerra dos EUA: depois do comunismo, da droga e do terrorismo, o álibi é a corrupção.

Lava Jato e a extrema direita destruiram a base econômica do Brasil para reduzi-lo a  um domínio norte-americano.

O conflito China X EUA é para saber quem vai dominar a 4ª Revolução, a da inteligência artificial;  isso atinge os BRICS.






Conteúdo Relacionado