Política

Desafiando PT federal, Luizianne Lins chega ao 2º turno

04/10/2004 00:00

São Paulo – Se na capital paulista o PT se esforça para conseguir ser digerido pelo fiel eleitorado malufista (que segundo pesquisas e eleições anteriores deve se dividir pelo meio no segundo turno entre o tucano José Serra e a petista Marta Suplicy), o PT de Fortaleza comemora a guinada ao segundo turno com uma campanha que buscou recuperar o mote do "modo petista de governar".

A candidata petista Luizianne Lins – filiada à tendência Democracia Socialista (DS), da esquerda do PT – disputa o segundo turno do pleito para a prefeitura da capital cearense com o deputado federal Moroni Torgan (PFL-CE), que chegou na frente no primeiro turno. Moroni obteve 296.063 votos (26,6% dos votos válidos); Luizianne, 248.215 (22,35).

A direção nacional do PT apoiou o deputado federal Inácio Arruda (PCdoB-CE), que acabou ficando em terceiro lugar, com 214.002 (19,23%).

"Fizemos uma campanha petista e ’municipalizamos’ a eleição", resume o deputado federal João Alfredo (PT-CE), coordenador da campanha de Luizianne. "Trabalhamos esse sentimento, esse pensamento", confirma, lembrando que Luizianne adotou o sobrenome "do PT" em toda campanha.

A campanha local conseguiu colocar seis ministros – Marina Silva (Meio Ambiente), Miguel Rossetto (Desenvolvimento Agrário), Olívio Dutra (Cidades), Patrus Ananias (Desenvolvimento Social), Tarso Genro (Educação) e Humberto Costa (Saúde) – na propaganda eleitoral. Todos eles, porém, enfatizaram ações federais com repercussões locais, como o Programa Saúde da Família (PSF). "Conseguimos "desarmar" uma situação desfavorável que buscava isolar a nossa campanha. Fizemos um contraponto, não entramos em confronto. Sem que precisássemos atacar ninguém", considera João Alfredo.

"Deixamos claro que o PT somos nós. Como brinca o Chico Alencar, nós somos a "ala petista" do PT. Vimos militantes históricos do partido manifestarem o seu orgulho novamente", conta o coordenador da campanha de Luizianne.

Tiro no pé
Todas as tentativas de intervenção do PT federal – especialmente do presidente do PT, José Genoíno, e do ministro da Casa Civil, José Dirceu – em apoio à candidatura de Arruda acabaram favorecendo indiretamente, na avaliação de Alfredo, a chapa de Luizianne. A campanha "Sou PT, voto Inácio" – que além da aparição do presidente Lula na propaganda eleitoral contava com adesivos, outdoors e adesões de outras figuras públicas – foi barrada na Justiça pela candidatura petista local. "A solidariedade à Luizianne aumentou a cada movimento nesse sentido".

O parlamentar cearense lembra que o próprio publicitário Duda Mendonça, que trabalha na campanha de Marta Suplicy em São Paulo, alertou os petistas em um encontro preparatório que a principal referência para as eleições municipais são as propostas de cunho locais. "A população não cai mais nessa história de que o prefeito precisa ser do mesmo partido que o presidente. Soa forçado. Em Fortaleza, o povo não quis votar em quem tem patrão político". 

Veja especial:
> Eleições 2004

Fale com a redação através do endereço redacao@cartamaior.com.br. Os comentários, críticas e sugestões dos leitores estão no Canal dos Leitores.


Conteúdo Relacionado