Política

Gorbatchov confessa: ''o objetivo da minha vida foi a aniquilação do comunismo''

 

16/09/2019 13:51

 

 
Recentemente, a CIA (Agência Central de Inteligência dos Estados Unidos) desclassificou alguns documentos que mostram como o magnata George Soros e a própria agência ajudaram Mikhail Gorbatchov a proporcionar a dissolução da União Soviética.

Durante um discurso realizado em uma universidade da Turquia, Gorbatchov admitiu: “o objetivo da minha vida foi a aniquilação do comunismo… mi esposa me apoiou plenamente e o entendeu até mesmo antes que eu (…) e para alcançá-lo, consegui reunir companheiros de luta, como Yakovlev e Shevardnadze”. Sobre os dois citados, um analista e ex-empregado da NSA (Agência Nacional de Segurança dos Estados Unidos), Wayne Madsen, afirmou que Soros, proporcionou a cobertura econômica ao governo de Gorbatchov, durante o ano de 1987, através de uma ONG ligada à CIA, conhecida como Instituto de Estudos de Segurança Leste-Oeste (IEWSS, por sua sigla em inglês).

A informação mostra que Soros e a CIA promoveram a difusão dos termos orquestrados pelo Ocidente naqueles anos, a “Perestroika” (apertura) e a “Glasnost” (transparência), para que ambas servissem como ente desestabilizador e ponto de partida para o projeto de aceleração do desmantelamento da União Soviética.

Esses documentos da CIA provam que o sucedido não foi obra de um ato “espontâneo e democratizante” de Gorbatchov, e tampouco significava que o sistema socialista estava “esgotado e quebrado”, como quiseram mostrar ao mundo.

Na Turquia, o próprio Gorbatchov afirmou que “para conseguir o objetivo, eu aproveitei minha posição no Partido (Comunista) e no país, tive que substituir a toda a direção, e fiz o mesmo em todos os países socialistas da Europa”.

A verdade é que foi a CIA, com o dinheiro da organização de Soros, que desenhou e executou essa grande operação, e para isso contou com todo o apoio do então líder soviético.

Wayne Madsen assegura que o plano desenhado para eliminar o bloco socialista da Europa oriental foi organizado por dois co-presidentes do IEWWS de Soros: Joseph Nye (economista de Harvard) e Withney MacMillan (presidente da multinacional Cargill, que havia mantido relações comerciais com a União Soviética nos Anos 70 do Século XX).

Não satisfeitos com os resultados alcançados, em 1991 a CIA e Soros centraram seus esforços em provocar um forte golpe na nova Federação Russa, estimulando o separatismo em suas regiões, com o fim de debilitá-la ao máximo.

O informe de Nye e MacMillan relata o fim da União Soviética e os elementos do novo modelo para as futuras relações entre Moscou e Washington, enquanto o país euroasiático entrava na era capitalista. Segundo eles, “qualquer nova avaliação das relações do Ocidente com a União Soviética dos tempos abertura deve partir da existência de uma posição de força, e não de um equilíbrio de poder”.

O informe do IEWWS, com data de 1987, e sua aplicação prática, foi uma forma evidente de intromissão na União Soviética, e um plano para despedaçá-la por etapas.

O documento fala de um Ocidente obrigado a tomar vantagens contra uma União Soviética agonizante, e afirma que o novo mapa geopolítico que se desenhava, em particular no Terceiro Mundo, era uma área que até então havia sido muito influenciada pelos soviéticos.

Madsen aponta a Soros e seus aliados como os “organizadores dos direitos humanos”, e diz que trabalharam ativamente para destruir a Federação Russa, apoiando os movimentos independentistas em Kuzbass (Sibéria), através dos direitistas alemães que buscavam restaurar a Prússia Oriental. Também financiaram nacionalistas lituanos e de outras repúblicas autônomas, e regiões como o Tartaristão, Ossétia do Norte e Chechênia, entre outras, com o propósito de estimular o separatismo nas chamadas Repúblicas Autônomas Socialistas Soviéticas.

A atividade intervencionista de Soros contra a Rússia foi aumentando provocativamente com o tempo, através de suas bases operativas espalhadas nos territórios da Europa Oriental, em países como Ucrânia, Estônia, Letônia, Lituânia, Finlândia, Suécia, Moldávia, Geórgia, Azerbaijão, Turquia, Romênia, Mongólia, Quirguistão, Cazaquistão, Tajiquistão e Uzbequistão. Essa ação incluiu alianças estratégicas com grupos terroristas, fascistas ucranianos e neonazistas moldavos sionistas.

Recentemente, o presidente russo Vladimir Putin, expulsou várias organizações de Soros do país, como a Fundação Open Society Foundation e outras ligadas à CIA, que operavam em território russo em circunstâncias similares. Entre elas, também estavam a NED (Fundação Nacional para a Democracia, por sua sigla em inglês), o Instituto Republicano Internacional, a Fundação MacArthur e a Freedom House, consideradas como indesejáveis, e uma ameaça para a segurança do Estado russo.

Não por acaso, Mikhail Gorbatchov foi premiado com o Prêmio Nobel da Paz, pois seguiu disciplinadamente as orientações da CIA e de George Soros.

A CIA não descansa, e pretende eliminar todo vestígio de socialismo na terra, por isso, seus planes contra Cuba e agora contra a Venezuela continuam com toda a força, e nada do que fazem é casual ou por obra divina. Como diz o evangelho de São João (8-32): “e conhecereis a verdade e esta os libertará”.

*Pulbicado originalmente em Razones de Cuba | Tradução de Victor Farinelli



Conteúdo Relacionado