Política

Hostilidade à Dilma tem cor e tem classe

O Brasil que torce pela seleção brasileira em casa e nas áreas públicas reage à elite que pagou caro para xingar a presidenta Dilma Rousseff.

13/06/2014 00:00

Roberto Stuckert Filho/PR

Créditos da foto: Roberto Stuckert Filho/PR


Brasília - A presidenta Dilma Rousseff reagiu, nesta sexta (12), aos xingamentos que ouviu de privilegiados torcedores que puderam pagar os preços dos ingressos disponibilizados pela FIFA para a partida de abertura da Copa do Mundo, no Itaquerão, em São Paulo. 

Durante a inauguração da primeira etapa do BRT Eixo Sul, no Distrito Federal, mais uma das “obras da copa” que teimaram em dizer que jamais ficariam prontas, ela lembrou que nem as agressões físicas que sofreu durante a ditadura à intimidaram a ponto de desviá-la do seu caminho e dos seus compromissos.

“Não vou me deixar perturbar, atemorizar por xingamentos que não podem sequer ser escutados pelas crianças e famílias. Aliás, na minha vida pessoal, enfrentei situações do mais alto grau de dificuldade, situações que chegaram num limite físico. Superei agressões físicas quase insuportáveis e nada me tirou do meu rumo, dos meus compromissos, nem do caminho que tracei para mim. Quero dizer para todos, não serão xingamentos que vão me intimidar, não me abaterei por isso”, disse.

A presidenta exaltou o caráter do povo brasileiro que, segundo ela, é “civilizado e extremamente generoso e educado”, deixando bem claro que a hostilidade partiu de uma parcela bem específica da população brasileira. E que salta os olhos de quem observa as imagens da partida e sabe o quanto custaram as entradas.

Nem mesmo a imprensa consegue mais disfarçar que a hostilidade contra a presidenta tem cor e tem classe. A Folha de S. Paulo registou, ainda ontem, no seu portal, que os xingamentos partiram da área VIP.

Juca Kfouri, em artigo publicado na ESPN, acrescentou que 95% dos trabalhadores do estádio e voluntários, que ele teve o cuidado de ouvir após a partida, estavam revoltados com o comportamento daqueles torcedores, batizados por ele de “elite branca”.

Nas ruas e nas redes sociais, o sentimento parece ser o mesmo, pelo menos entre as pessoas que pegam ônibus, trabalham oito horas por dia e torcem pela seleção em áreas públicas ou nas suas casas.

Uma espécie de comoção similar à ocorrida quando essa mesma “elite branca” chamou de “escravo” o médico cubano Juan Delgado, que chegava à Fortaleza (CE) para aderir ao programa Mais Médicos. Médico que, por sinal, recebeu, dias depois, a solidariedade da própria presidenta.

Conteúdo Relacionado