Política

Jair Bolsonaro: um perigo para os brasileiros

O presidente está destruindo as tentativas de seu país de conter a disseminação do coronavírus

01/04/2020 13:29

Até ex-aliados estão finalmente reprovando o comportamento do presidente Bolsonaro (Ueslei Marcelino/Reuters)

Créditos da foto: Até ex-aliados estão finalmente reprovando o comportamento do presidente Bolsonaro (Ueslei Marcelino/Reuters)

 
Muito do Brasil está agora fechado. Governadores impõem quarentenas rigorosas. O ministro da Saúde pede às pessoas que fiquem em casa, alertando que, a menos que a transmissão seja reduzida, o sistema de saúde entrará em colapso até o final de abril. Até gangues de traficantes fecham favelas para impedir a disseminação do coronavírus. Enquanto isso, um cidadão desrespeita as restrições e sai para passear no mercado local. Facebook e Twitter removem suas postagens por divulgar remédios não comprovados e atacar o distanciamento físico. Um homem normalmente não pode causar muitos danos. Infelizmente, este é o presidente.

A ascensão de Jair Bolsonaro sempre foi assustadora, e seu histórico desde que assumiu o poder no ano passado – com ataques a direitos humanos, minorias, artes e promovendo a destruição da Amazônia – tem sido vergonhoso. Sua resposta ao coronavírus atingiu novas profundezas. Muitos governos terão que responder por seus erros e complacência quando a pandemia terminar. O desempenho de Bolsonaro está em uma liga própria.

Ele repetidamente descartou o coronavírus como "apenas uma gripezinha" ou "resfriadinho" e como um truque ou fantasia da mídia. Tendo finalmente reconhecido a realidade, disse às pessoas que “encarem isso como homens, não crianças. Todos nós vamos morrer um dia”, e instou o país a “voltar ao normal” – como se isso fosse possível. Conhecer e cumprimentar seus cidadãos em Brasília no último final de semana foi duplamente irresponsável, dado seu contato próximo com casos conhecidos de coronavírus: o perigo não é apenas as mensagens que enviou, mas o risco físico que pode representar para os outros. (A Fox News informou recentemente que o filho de Bolsonaro disse que seu pai havia testado positivo, embora isso tenha sido negado mais tarde.)

O governador de São Paulo, o estado mais populoso e economicamente poderoso do Brasil, disse ao público para não seguir as orientações do presidente. O próprio ministro da Saúde de Bolsonaro alertou que ele teria que contradizê-lo publicamente, aparentemente recuando apenas depois que foi ameaçado com demissão.

O Brasil já tem 4.579 casos confirmados e 159 mortes. Em um país de 210 milhões de pessoas, o curso imprudente do presidente pode ser a diferença entre dezenas ou centenas de milhares de mortes. O perigo para os povos indígenas – pelos quais o desprezo de Bolsonaro é bem documentado – é particularmente grave. As doenças altamente infecciosas devastaram comunidades no passado; o coronavírus pode ser uma ameaça existencial.

Por mais errático que Bolsonaro seja, seu curso atual deve, sem dúvida, algo a seus cálculos políticos. Ataca as restrições agora e, quando a economia avançar, ele pode culpar as terríveis decisões tomadas por outros. Ele já acusou os governadores de serem "exterminadores de empregos". Alguns observadores também suspeitam que ele vê a pandemia como uma maneira de agitar sua base; ele sempre prosperou em confrontos e caos.

No entanto, até os ex-aliados estão finalmente se recusando a agir. Ronaldo Caiado, governador de direita de Goiás, cortou laços com o presidente na semana passada, descrevendo seu comportamento como terrível. O chefe do estado de Santa Catarina, um homem de direita fortemente pró-Bolsonaro, declarou-se "perplexo" pela posição do presidente. Há relatos de rumores nas forças armadas. Bolsonaro pode não acreditar no distanciamento físico, mas está se mostrando notavelmente bem-sucedido em se isolar.

*Publicado originamlente em 'The Guardian' | Tradução de Olimpio Cruz



Conteúdo Relacionado