Política

Lula: preso político hoje, presidente da República amanhã

O menino de Caetés está mais forte hoje do que estava na semana passada. E o operário líder sindical será novamente o nosso candidato a presidente nas eleições de outubro

09/04/2018 20:49

Ricardo Stuckert_Instituto Lula

Créditos da foto: Ricardo Stuckert_Instituto Lula

 

Paulo Pimenta*

 O golpe iniciado com a conspiração de Eduardo Cunha para afastar do governo a presidenta Dilma Rousseff deu mais um passo neste final de semana, com a prisão ilegítima do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. O Brasil e o mundo democrático, que já acompanhavam perplexos a perseguição judicial contra Lula, agora assistem à sua transformação em preso político.

 Para os golpistas, entretanto, o tiro saiu pela culatra. Rede Globo, PSDB, DEM, Temer e outros violadores da Constituição e da democracia imaginavam que a prisão de Lula seria um passeio no parque. Esperavam que iríamos para casa chorar esse revés pontual. A arrogância e o desconhecimento da nossa realidade social levam mais uma vez a direita brasileira a subestimar a capacidade do PT e do povo brasileiro de serem protagonistas do seu destino.

 É certo que a prisão de Lula dói muito em cada militante do PT e em cada pessoa do Brasil que tem esperança e trabalha por um país verdadeiramente justo e igualitário. Mas é igualmente certo que, graças à liderança do nosso eterno presidente e à tenacidade da nossa militância e do povo brasileiro, anulamos o pretenso espetáculo midiático que deveria causar o deleite da direita. Para além disso, expusemos ao mundo, com mais força do que nunca, a perversidade e a vilania daqueles que não aceitam disputar a eleição contra Lula no voto popular, pois sabem que não podem nos derrotar no terreno da democracia.

 O menino de Caetés está mais forte hoje do que estava na semana passada. E o operário líder sindical será novamente o nosso candidato a presidente nas eleições de outubro. Seguiremos denunciando a ilegalidade e o caráter político desta prisão e dedicaremos toda a nossa energia para fortalecer a defesa jurídica e garantir a libertação de Lula no mais curto prazo.

 E a nossa bancada, que esta semana volta a ser a maior da Câmara, apesar de todo o massacre jurídico e midiático que enfrentamos, carregará a responsabilidade de ser uma das muitas vozes de Luiz Inácio Lula da Silva, aquele que voltará a governar o Brasil a partir do próximo 1º de janeiro.

 *Paulo Pimenta é deputado federal (PT-RS) no quarto mandato, ex-presidente da Comissão de Direitos Humanos e Minorias da Câmara e é o Líder do PT na Câmara em 2018.



Conteúdo Relacionado