Política

O dinheiro e a financeirização da economia mundial

O domínio dos EUA sobre o sistema mundial e sobre os países subdesenvolvidos é realizado através do capital em sua forma produtiva e em sua forma dinheiro.

03/08/2014 00:00

.


Na esteira da crise detonada na esfera financeira dos Estados Unidos (EUA) e das medidas tomadas pelo Federal Reserve (FED) para o salvamento de bancos e empresas, através da maciça criação primária de dólares, muitos críticos da posição dominante da economia americana estão defendendo a ideia de que ocorrerá um colapso do dólar como dinheiro mundial.

A fundação do Novo Banco de Desenvolvimento e do Arranjo Contingente de Reservas pelos países que compõe os BRICS, em reunião realizada em Fortaleza nos dias 15 e 16 de julho, fortaleceu aquela ideia e estimulou um debate sobre uma mudança na arquitetura financeira internacional, cujas origens remontam ao Acordo de Bretton Woods e à criação do Banco Mundial e do Fundo Monetário Internacional.

Assim, a nova arquitetura financeira associada ao colapso do dólar permitiria que esse perverso mecanismo da financeirização, através do qual gigantescas massas de riqueza são transferidas dos países mais pobres para os mais ricos, fosse controlado ou suprimido. Por maior que seja o nosso desejo, o fim da financeirização, do domínio do dólar e do capital internacionalizado é muito mais complexo e difícil, devido ao poder econômico, político e militar constituído e expandido por todo o mundo ao longo do século passado, pelos EUA.

O dólar como dinheiro mundial

Como é sabido, o dólar foi convertido em dinheiro mundial após o acordo de Bretton Woods e, desde 1971, não é mais conversível em ouro. Assim, ele converteu-se em papel moeda de curso forçado e sua criação primária é efetuada através da compra de títulos do Tesouro dos EUA ou do sistema bancário. Em junho de 2014, essa criação atingiu, segundo o Federal Reserve (FED), um montante de 3,9 trilhões de dólares, para um PIB estimado em US$ 17,2 trilhões para os EUA.
 
Enquanto isso o volume de negócios, apenas no mercado internacional de moedas, girava um montante médio diário de 5,3 trilhões de dólares, em abril de 2013, de acordo com os dados do Banco de Compensações Internacionais (BIS). Por isso, o mercado internacional de moedas não é mais exatamente o mesmo e o dólar é apenas o nome de um numerário transacionado com outras moedas nos produtos financeiros chamados de derivativos.

Um “Privilégio Exorbitante”, segundo Barry Eichengreen, que permitiu que, durante décadas, os EUA pagassem suas importações de mercadorias com dinheiro fictício. Esses dólares retornam ao FED e são convertidos em capital a juros e acumulados nas reservas internacionais dos outros países. Ou seja, quando um país acumula reservas está entregando mercadorias, propriedades e capital para os EUA ou outros países, sem nenhuma contrapartida. Entre 2000 e 2012, os EUA acumularam um saldo de 7,2 trilhões de dólares na conta de transações correntes, como poupança recebida do exterior.
 
Por outro lado, a parte em dólares dos 3,8 trilhões em reservas da China ou dos 380 bilhões de dólares em reservas do Brasil, mais uma parte importante de todas as reservas internacionais acumuladas constituem a contrapartida desse enorme desequilíbrio no sistema mundial. Um colapso repentino do dólar geraria perdas gigantescas para os países que acumularam essas enormes reservas. Assim todos eles encontram-se em uma armadilha gerada por esse privilégio de criação do dinheiro mundial. Ao mesmo tempo em que criticam e tentam escapar do domínio do dólar, devem atuar para evitar sua desvalorização. O que não garante que essas perdas não possam ocorrer.

Esse privilégio foi construído historicamente desde a criação do FED pelos grandes banqueiros presentes e atuantes até hoje no sistema financeiro internacional.
 
Segundo Ron Paul, Deputado republicano e candidato contra Barack Obama à presidência dos EUA, o centro dessa criação de moeda é "uma parceria público-privada". A rigor, o sistema da Reserva Federal é um conjunto de bancos privados cujos proprietários são os maiores banqueiros dos EUA, que obtiveram esse privilégio através de procedimentos conspirativos. Ron Paul nos conta que, em novembro de 1910 ocorreu uma reunião secreta na ilha Jeckill, onde os participantes foram disfarçados de caçadores de pato para concluírem os acordos em torno da criação do FED. Entre eles estavam Henry Davison, Nelson Aldrich, representantes de J.P. Morgan e dos Rockfeller, Paul Warburg, Frank Vanderlip, do National City Bank, e outros.
 
Essa mesma história é contada por outros autores como Barry Eichengreen e Nicholas Hagger. Este último explica em seu livro "A Corporação" que "a criação do FED foi aprovada pela Câmara dos Deputados e pelo Senado Federal em 23 de dezembro de 1913, quando muitos congressistas e senadores já estavam em recesso, por ocasião dos feriados natalinos. Uma hora depois da votação no Senado, Wilson sancionou e promulgou a lei, convertendo em lei o Decreto do Federal Reserve".  Essa história nos mostra o poder e a influência dos proprietários do sistema bancário norte americano sobre toda a economia mundial e eles não estão dispostos a entregar seu privilégio para nenhum outro país do mundo.

 
O dólar e a financeirização

Uma parte do debate está viciado por um problema bastante complicado decorrente da imprecisão no uso das categorias dinheiro e capital dinheiro, sendo que alguns nem conseguem diferenciar essas categorias. Além disso, o próprio dólar hoje é criado através de registros contábeis de débitos e créditos entre o FED, o sistema bancário e o público em geral. Por outro lado, os bancos e as empresas ou convertem o dinheiro em capital ou criam capital, real ou fictício, denominados em dólar ou outras moedas.

O Brasil, por exemplo, acumulou em suas relações comerciais com o resto do mundo um saldo na Balança Comercial de 326,7 bilhões de dólares, entre 2000 e 2013. No mesmo período enviou para o exterior 418,5 bilhões de dólares a título de renda de investimentos, segundo os dados do Banco Central. Esses investimentos são constituídos pelo investimento estrangeiro direto (quando a participação estrangeira é superior a 10% do capital), investimento em carteira e outros investimentos. Assim, tudo o que o país recebeu pelos produtos exportados foi devolvido e ainda faltou dinheiro para o pagamento pelo uso do capital estrangeiro, que impregna todo o sistema produtivo nacional. Além disso, expandiu o endividamento interno em títulos para, também, poder acumular as reservas internacionais, comprando dólares e devolvendo esses dólares para o FED em troca de títulos de dívida, acumulados nas reservas, que formam uma parte do capital fictício internacional.

Dessa forma, o domínio dos EUA sobre o sistema mundial e, mais particularmente, sobre os países subdesenvolvidos é realizado através do capital, tanto em sua forma produtiva, através da implantação de empresas estrangeiras, da associação de empresas nacionais com multinacionais, como em sua forma dinheiro e de capital fictício, através de investimentos estrangeiros diretos e investimentos em carteira.

Esse domínio, também constituído historicamente, coloca parte importante das classes dominantes nacionais, assim como todo o poder do Estado ao serviço da financeirização da economia nacional e mundial. Toda a política econômica, após a crise decorrente dos ataques especulativos contra o Real, em 1998, centrada no tripé constituído pelas metas de inflação, superávit primário e cambio flutuante com a livre mobilidade de capitais atua no sentido do privilégio ao capital a juros e à polpuda remuneração das formas fictícias de capital criadas pela financeirização da economia.

Enfim, deve-se destacar que a maior parte desse capital dinheiro, aplicado a juros em formas fictícias de capital, não contribuem em nada para o desenvolvimento da economia nacional e ao bem estar da maioria da população. Eles atuam parasitariamente, extraindo enormes massas de riqueza, as quais poderiam ser utilizadas para  melhorar as condições de vida da parcela mais pobre da população brasileira.
 
(*) Professor da Universidade Federal do Espírito Santo e ex-presidente da Sociedade Brasileira de Economia Política (SEP).

 

ACOMPANHE AQUI O SEMINÁRIO VIRTUAL "A INTERNACIONAL DO CAPITAL FINANCEIRO"

 

Saul Leblon: O candidato oculto

Tarso Genro: A Internacional do Capital Financeiro

Marcio Pochmann: Dominação financeira e suas contradições

José Félix Rivas Alvarado: Abutres e tubarões rondam a integração finaneiro produtiva regional

Antonio Lassance: Como pensa a elite brasileira
Alejandro Nadal: Os BRICS e a fábrica de mitos

Mônica Peralta Ramos: A Argentina, a crise do capitalismo e o nó no górdio
Ladislau Dowbor: O debate sobre a financeirização da economia



Conteúdo Relacionado