Política

O novo velho continente e suas contradições: A força das drogas e a rendição da Europa

 

08/12/2020 09:22

(Getty Images)

Créditos da foto: (Getty Images)

 
O dinheiro do narcotráfico, uma vez lavado, entra no mercado financeiro internacional. Sustenta bancos e mercados, suborna poderes políticos e policiais, o que torna muito difícil o combate a esse tipo de crime, pois são muitos e variados os interesses que representa, promovendo o sustento de aparatos policiais, jurídicos e políticos. A legalização das drogas, entregando ao Estado o comércio e o controle, não interessa à complexa organização montada para combate-las. Uma mercadoria detém o poder da sua procura. Enquanto houver grupos dispostos a comprá-la haverá sempre alguém para vender e nem a lei ou os costumes são capazes de enfrentar a força de uma mercadoria.

***



Desde milênios o homem tem procurado escapar da realidade ingerindo substâncias de química tóxica que lhe alteram a percepção. Fazem-no sonhar e pensar que é feliz, criam ilusão de onipotência, melhoram a sua forma de divertir-se e, por fim, matam-no. Ao mesmo tempo as drogas financiam grupos criminosos cuja violência aterroriza e intimida, tornando insuportáveis as várias cidades do mundo em que se abrigam. O narcotráfico, um negócio multinacional que fatura anualmente, em cálculos imprecisos, em torno de 320 bilhões de dólares, é o principal negócio do crime organizado. Ao lado da falsificação de mercadorias e do tráfico humano, do tráfico de petróleo ilegal e do tráfico de vida selvagem, que perfazem os cinco maiores negócios do crime e movimentam 2 trilhões de dólares, pelos cálculos do Escritório da ONU contra Drogas e Crimes. O equivalente a quatro vezes o PIB da Argentina e quase dez vezes o da Colômbia. Não estão incluídos o tráfico de órgãos humanos e o roubo de obras de arte, outros grandes negócios do crime.

A cannabis é a droga mais consumida na Europa, com 38% do mercado de varejo e o valor de 9,3 bilhões de euros por ano. Em seguida encontra-se a heroína, com 6,8 bilhões de euros de faturamento, a responsabilidade pelo maior número de mortes e elevados custos sociais. A cocaína está na terceira posição com 5,7 bilhões de euros e o Brasil como um dos maiores fornecedores. Os estimulantes sintéticos anfetamina, metanfetamina e MDMA, este último mais conhecido como ecstasy, respondem por 1,8 bilhões de euros por ano. Além dessas, mais de 560 novas substâncias foram notificadas desde 2015.

A lavagem de dinheiro ou branqueamento de capitais é também um negócio de enormes proporções, responsável pela introdução de mais de US$1 trilhão anuais nos sistemas financeiros, segundo o Fórum Econômico Mundial. O dinheiro do narcotráfico, uma vez lavado, entra no mercado financeiro internacional. Sustenta bancos e mercados, suborna poderes políticos e policiais, o que torna muito difícil o combate a esse tipo de crime, pois são muitos e variados os interesses que representa, promovendo o sustento de aparatos policiais, jurídicos e políticos. A legalização das drogas, entregando ao Estado o seu comércio e controle, não interessa à complexa organização montada para combate-las. Uma mercadoria detém o poder da sua procura. Enquanto houver grupos dispostos a comprá-la haverá sempre alguém para vender e nem a lei ou os costumes são capazes de enfrentar a força de uma mercadoria.



Só a Europa gasta o que foi estimado em 31 bilhões de euros para comprar drogas ilícitas. Um dossiê organizado pelo governo da Holanda afirma que circulam no país 6,7 bilhões de euros em transações criminosas, a maior parte proveniente do narcotráfico. Amsterdam é um entreposto internacional das drogas. As autoridades dizem que a economia gerada pelo crime organizado tem se tornado incontrolável, cada vez movimenta mais dinheiro e atrai “um exército de jovens delinquentes”, dispostos a praticar assassinatos em troco de alguns milhares de euros. Acrescentam que a cidade está perdendo a luta contra o crime organizado.

O confinamento determinado pela pandemia do coronavírus acusou uma escassez da oferta das drogas mais populares e o encarecimento dos preços no mercado varejista. A venda online passou a ser usada mais intensamente e os grupos criminosos adaptaram-se rapidamente ao momento de crise. Ao invés do tráfico de rua, promoveram a venda dos seus produtos nas redes sociais e na darknet, com maior utilização dos serviços de entrega ao domicílio. Com as ruas desertas e as fronteiras fechadas, a qualidade da droga oferecida aos consumidores tem diminuído para fazê-la render mais, o que fez com que se verificasse um aumento no número de mortes por overdoses.

Heroína e cocaína são importadas pela Europa. Com a escassez provocada pelo confinamento, as autoridades revelam temor de que o fentanil, um opióide sintético de 50 a 100 vezes mais poderoso do que a heroína e que responde pela grande maioria de mortes por overdose nos Estados Unidos, torne-se popular na Europa. Já começou a ser produzido, segundo a polícia, em países do Leste europeu.

A darknet

A polícia da União Europeia, Europol, denuncia que o uso da darknet é uma das principais manifestações da crescente, sofisticada e complexa natureza do crime transnacional no continente. Este uso da internet para fins criminosos conheceu o seu início e se organizou a partir de 2010 e evoluiu ao sabor da melhoria da qualidade das comunicações e das tecnologias de encriptação de dados. Os mercados estabelecidos na darknet, também conhecidos como cryptomarkets, proporcionam uma abrangente e anônima plataforma ao comércio de produtos e serviços ilícitos. Todos os tipos de drogas, inclusive as novas substâncias psicoativas, encontram-se disponíveis mediante alguns cliques para quem tenha um conhecimento técnico básico.



Os websites da darknet são muito semelhantes aos ambientes legais, como eBay e Amazon, por exemplo. A diferença é que são anônimos e utilizam atualizados programas de encriptação. A maioria deles é acessível pelo navegador anônimo Tor e as transações são realizadas em Bitcoin. Há pouco a polícia conseguiu desmantelar o Alphabay e o Hansa, dois dos maiores mercados virtuais da darknet para a negociação da oferta e da procura dos produtos originados no crime. Comercializavam desde drogas e armas a pornografia e órgãos humanos. Eram também os sites preferenciais das organizações terroristas. O Alphabay Market foi fechado pelo Departamento de Justiça estadunidense em colaboração com as polícias do Canadá e da Tailândia. Seu fundador, o canadense Alexandre Cazes, de 26 anos, suicidou-se na prisão. Já o Hansa Market foi descoberto numa investigação da polícia da Holanda e fechado pela Operação Bayonet, formada em colaboração com as polícias de vários outros países.

Um dos pioneiros e dos mais conhecidos foi o Silk Road Market, lançado em 2011 e fechado pela ação do FBI dos Estados Unidos em 2013 mas logo em seguida foi criado o Silk Market 2.0. Desde então houve a proliferação de sites para esse tipo de comércio com o lançamento de mais de uma centena de novos mercados virtuais à disposição dos negócios do crime.



Um recente relatório da Europol assinala uma crescente complexidade técnica e de organização, assim como a interligação entre os grupos criminosos com especialização cada vez maior. Além disso, a globalização e a tecnologia estão a acelerar o ritmo da evolução e o crescimento cada vez maior do mercado de drogas não só na Europa mas também em todo o mundo.



Conteúdo Relacionado