Política

PSD no governo: ‘A posse do ministro Afif traz a pessoa certa para o lugar certo’, diz Dilma

09/05/2013 00:00

EBC

Créditos da foto: EBC
Brasília – A presidenta da República, Dilma Roussef, empossou o vice-governador de São Paulo, Guilherme Afif Domingos (PSD), como ministro-chefe da recém-criada Secretaria da Micro e Pequena Empresa na manhã desta quinta-feira (9). A presidenta qualificou o novo ministro como “o mais importante formulador e, ao mesmo tempo, representante de milhares de cidadãos que têm na micro e pequena empresa o objetivo de suas vidas” e detentor de “todas as qualidades indispensáveis” para o cargo: “Experiência, eficiência e visão estratégica”, listou.

“A posse do ministro Afif traz a pessoa certa para o lugar certo”, disse Dilma.

Durante seu discurso, o também vice-governador paulista lembrou que assumiu a direção da Associação Comercial de São Paulo em 1976; que organizou o primeiro Congresso Brasileiro da Pequena Empresa em 1979; que foi um dos responsáveis pela aprovação do Estatuto da Pequena Empresa; que emplacou, já como deputado constituinte, o artigo 179 da Constituição dando tratamento diferenciado ao setor; que esteve a frente da criação do Simples Nacional (regime tributário diferenciado) ; e que trouxe ao governo federal a proposta do Microempreendedor Individual (MEI).

Afif colocou como prioridade de sua gestão o combate ao “excesso de burocracia” e afirmou que sua pasta se dividirá, basicamente, em duas secretarias: uma de racionalização e simplificação e outra de competitividade. “Nós temos que ter obsessão por des-re-gu-la-men-tar”, reforçou sílaba por sílaba.

Dilma também afirmou que a desburocratização é fundamental dentro da atual conjuntura brasileira, onde os microempreendedores individuais e as micro e pequenas empresas empregam 11 milhões de pessoas, totalizam cerca de 7,4 milhões de negócios formalizados, representando 99% das empresas do país. Segundo Dilma, no crescimento desse setor, aliado as políticas de combate a pobreza, de distribuição de renda e formalização de empregos, “está uma das sínteses do Brasil”. “Faz parte do sonho cultural de melhorar a vida de brasileiros e brasileiras”, disse.

MP dos portos
A presidenta também aproveitou a cerimônia para apelar ao Congresso Nacional que realize a votação da Medida Provisória (MP) dos Portos, enviada pelo Planalto, até a próxima quinta-feira (16), prazo de vencimento da MP. “As questões de diferença de opinião numa democracia são legítimas, elas ocorrem e é isso que nós queremos. Mas, o que nós não podemos ter é o silêncio, é não discutir”, reclamou.


A presidenta disse que o “não-livre trânsito de mercadorias” é uma barreira “desde os primórdios do desenvolvimento econômico” e defendeu a privatização: “Nós não podemos desenvolver o nosso país se não tivermos uma estrutura dos portos aberta ao setor privado”.

Afif
Guilherme Afif Domingos, 69 anos, foi deputado constituinte, presidente da Associação Comercial de São Paulo por duas vezes e presidente do Conselho do Serviço de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae) nos governos Collor e Itamar Franco. Ele também foi o idealizador do Impostômetro - painel colocado no centro de São Paulo que registra em tempo real os valores dos impostos arrecadados no Brasil.

Afif também foi secretário da Agricultura do governo biônico de Paulo Maluf em São Paulo, secretário de Planejamento do ex-prefeito paulistano Celso Pitta (PPB) e secretário do Trabalho do ex-governador José Serra.

O novo ministro já foi do PDS, partido que apoiou o regime militar na década de 80, esteve no PL, PFL e agora está no PSD, partido cujo principal articulador foi Gilberto Kassab, que chegou a definir a agremiação como “nem de direita, nem de esquerda, nem de centro”. A falta de definição da sigla veio bem acalhar para Afif, que agora concilia o cargo de ministro no governo federal petista e vice-governador da gestão tucana em São Paulo.



Conteúdo Relacionado