Política

Raul Pont lidera em Porto Alegre; José Serra na frente em SP

28/06/2004 00:00

Porto Alegre – A guerra vai começar. Neste caso, a palavra expressa mais do que um artifício retórico, mas um clima de disputa que deve envolver toda a capital gaúcha, despertando interesse nacional e internacional. Serão os 16 anos de Administração Popular, do PT e da Frente Popular, que estarão em jogo na terra do Orçamento Participativo e do Fórum Social Mundial. Sintoma desse ambiente, algumas perguntas começam a ser cada vez mais ouvidas na cidade: "quando é que sai a próxima pesquisa?". Ou então: "quando é quem tem debate na televisão?". Ou ainda: "quando começa a campanha nas ruas?" Pois bem, tudo isso começa nos próximos dias, com exceção das pesquisas, que já começam a aparecer.

Raul Pont, candidato do PT à prefeitura de Porto Alegre, lidera a nova pesquisa eleitoral divulgada nesta segunda-feira (28), com 29,8% das intenções de voto. Realizada pelo Centro de Estudos em Administração (Cepa), a pesquisa aponta em segundo lugar o candidato do PPS, José Fogaça, com 16,8% e, em terceiro, Vieira da Cunha, do PDT, com 10,2%. Em quarto lugar, aparece Jair Soares, do PP, com 9,9% e em quinto Mendes Ribeiro, do PMDB, com 7%. A pesquisa, divulgada pelo jornal Zero Hora, foi realizada no dia 22 de junho e ouviu 625 eleitores. O levantamento, feito a poucos dias do início da campanha aponta para a realização de segundo turno na disputa em Porto Alegre, uma vez que os adversários de Pont, somados, totalizam 63,8% das preferências dos votos válidos.

O candidato petista apresentou o maior índice de rejeição entre todos os candidatos, 35,3%, sendo seguido por Onyx Lorenzoni, do PFL (26,8%), Jair Soares, (24%) e Mendes Ribeiro (22,8%). O candidato com menor índice de rejeição, segundo o Cepa, é Beto Albuquerque, do PSB, com apenas 11,5%. Nas simulações de segundo turno, Raul Pont vence todos os seus adversários. O único que atingiu uma situação de empate técnico foi José Fogaça, que teria 36% das intenções de voto contra 37,9% de Raul Pont.

Candidaturas estão definidas
O cenário eleitoral daquela que promete ser uma das disputas mais acirradas do país já está definido. Neste final de semana, os partidos que ainda não haviam definido suas candidaturas e alianças realizaram suas convenções e apontaram seus representantes para as eleições de outubro. Nove partidos já têm candidatos confirmados: Raul Pont (PT), Beto Albuquerque (PSB), José Fogaça (PPS), Vieira da Cunha (PDT), Jair Soares (PP), Mendes Ribeiro Filho (PMDB), Onyx Lorenzoni (PFL), Vera Guasso (PSTU) e Luís Guilherme Giordano (PCO). Apenas a aliança entre o PPS e o PTB ainda precisa ser confirmada, o que ocorrerá em convenção marcada para o dia 30.

Após ter descartado a candidatura da deputada federal Yeda Crusius, tradicional nome tucano em Porto Alegre, o PSDB decidiu finalmente aliar-se com o PFL, indicando o deputado estadual Paulo Brum como vice na chapa de Onyx Lorenzoni. O PMDB e o PDT não conseguiram fechar nenhuma grande aliança, como pretendiam. Os pedetistas, que chegaram a firmar um acordo com o PL semanas atrás, foram surpreendidos pela decisão dos liberais que romperam o acordo e retomaram a aliança com o PT. Sem um aliado mais forte, os trabalhistas escolheram Lícia Peres (PDT) como candidata a vice. O PMDB, que chegou a namorar com o PSDB e sonhar com uma aliança com o PDT, ainda não definiu o nome do vice. Por enquanto, fechou alianças com o PSDC e com o PHS. A aliança mais heterodoxa de todas ocorreu mesmo entre o PP de Jair Soares e o Partido Verde, tradicional aliado do PT no Estado que apresentou o nome de Edison Souza como vice. Raul Pont terá a deputada federal Maria do Rosário (PT) como vice e o apoio dos seguintes partidos: PC do B, PCB, PL, PMN, PTN e PSL.

O recém-criado P-Sol, dos ex-petistas Luciana Genro, Heloísa Helena, João Fontes e Babá, ainda não definiu sua estratégia para a disputa em Porto Alegre. A deputada federal Luciana Genro (RS), filha do ministro da Educação, Tarso Genro, já adiantou porém que a tendência é por um voto de protesto, ao menos no primeiro turno. Esse voto de protesto se expressaria através do voto no PSTU ou pelo voto nulo. Caso haja segundo turno, é possível que o P-Sol abra apoio para a candidatura de Raul Pont.

Primeiro debate na TV
O primeiro debate ao vivo entre os candidatos à prefeitura de Porto Alegre será realizado quinta-feira (1°), a partir das 11 horas, na RBS TV. Os adversários do PT apostam na nacionalização do debate eleitoral como forma de evitar um quinto mandato da Administração Popular em Porto Alegre. PSDB e PFL já manifestaram a intenção de explorar o desgaste do governo Lula em alguns temas, como o do salário mínimo, para fustigar a candidatura de Raul Pont, tática que também deve ser adotada por PDT, PP e PMDB. Já o PT pretende concentrar o debate nas questões municipais, defendendo o acúmulo e as conquistas obtidas em 16 anos de Administração Popular, como os índices de 100% de coleta de lixo domiciliar, 99,5% das casas com água tratada e uma das maiores redes de creches comunitárias do país.

Mais uma vez, o Orçamento Participativo estará no centro dos debates. Enquanto que a candidatura de Raul Pont pretende defender o aprofundamento da democracia participativa, seus adversários já falam em acabar com o OP. Mendes Ribeiro Filho, candidato do PMDB, deixou isso claro neste domingo durante a convenção municipal do partido. "Não usaremos a população de Porto Alegre para fazer o orçamento", prometeu. Quando venceu as eleições estaduais, com Germano Rigotto, o PMDB extinguiu o OP estadual, implantado durante o governo Olívio Dutra, e adotou a Consulta Popular, um método de representação indireta da população através de conselhos regionais.

Criado em 1989, o OP começou reunindo cerca de mil pessoas, número que hoje está na casa dos 50 mil. De lá para cá, o modelo já passou por várias mudanças. Em 1992, foram introduzidas sete áreas para a priorização de recursos. Em 2001, essas áreas chegaram a treze. A partir de 1994, além das plenárias regionais (em 16 regiões da cidade), foram criadas as plenárias temáticas. Em 2004, a prioridade número escolhida pela população foi a habitação. Referência internacional e um dos principais símbolos da gestão petista, o modelo implantado em Porto Alegre é reproduzido hoje em mais de 150 cidades de vários países do mundo. 

Em São Paulo
O candidato do PSDB à Prefeitura de São Paulo, José Serra, lidera isoladamente com 30% das intenções de voto a pesquisa Ibope divulgada na noite desta segunda-feira (28), pela TV Globo. Depois aparece o candidato do PP, Paulo Maluf, com 21%, e atual prefeita Marta Suplicy, com 16%. Como a margem de erro é de 3,1 pontos porcentuais para mais e para menos, Maluf e Marta estão tecnicamente empatados em segundo lugar, mas o ex-prefeito tem mais chance de estar na segunda colocação. Em quatro lugar está a deputada federal Luiza Erundina (PSB), com 9%.



Conteúdo Relacionado