Política

Solidariedade a Glenn Greenwald

Na semana passada, o The Intercept expôs a perseguição de Lula pela farsa que era. Agora o jornalista Glenn Greenwald, sua família e o The Intercept estão sob ataque de Bolsonaro e seus seguidores. Eles merecem nossa solidariedade

18/06/2019 16:17

Glenn Greenwald aceita o Prêmio George Polk de Relatórios de Segurança Nacional em 11 de abril de 2014 na cidade de Nova York (Andrew Burton/Getty Images)

Créditos da foto: Glenn Greenwald aceita o Prêmio George Polk de Relatórios de Segurança Nacional em 11 de abril de 2014 na cidade de Nova York (Andrew Burton/Getty Images)

 

O jornalista Glenn Greenwald está mais uma vez arrasando a política internacional, expondo as violações do Estado às liberdades civis. Desta vez, sua reportagem tem como alvo os mais altos níveis do gabinete do presidente brasileiro Jair Bolsonaro. Nos Estados Unidos, Greenwald é mais conhecido  pela publicação da denúncia de programas ilegais de vigilância da Administração Nacional de Segurança, por Edward Snowden, no The Guadian, em 2013.  Naquela época , vários congressistas republicanos exigiram a acusação judicial de Greenwald, incluindo Mike Rogers, então presidente do Comitê de Inteligência da Câmara. Desta vez, extremistas políticos no Brasil, onde Greenwald vive há anos, estão pedindo por sua cabeça. Isso resultou  em ameaças grotescas contra não apenas a vida de Greenwald, mas também as de seu marido, o deputado esquerdista David Miranda, e seus filhos adotivos.

Por quê? Em 9 de junho, Greenwald e uma equipe de repórteres - Andrew Fishman, Rafael Moro Martins, Leandro Demori e Alexandre de Santi - publicaram no The Intercept dois artigos de grande sucesso baseados em comunicações vazadas entre o promotor Deltan Dallagnol e o então juiz responsável Sergio Moro em uma campanha abrangente anticorrupção chamada Operação Lava Jato.

Enquanto a Lava Jato gerou acusações contra políticos poderosos em todo o espectro político, a condenação e a sentença de dez anos concedida ao ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva foram a jóia da coroa de Moro. Lula é de longe o líder mais popular do Partido dos Trabalhadores (PT), que se levantou das fileiras do sindicato dos metalúrgicos para reunir milhões no final dos anos 70 e início dos 80 contra os generais que governavam o Brasil. Ele foi eleito para dois mandatos como presidente entre 2003 e 2010, durante os quais promoveu programas que reduziram a extrema pobreza e expandiram as oportunidades de educação para os estudantes da classe trabalhadora.

Quando seus mandatos terminaram, sua sucessora do PT, Dilma Rousseff (ex-combatente clandestina que foi torturada pela ditadura militar brasileira) ganhou mais dois mandatos. Uma forte recessão em 2014-2015 esgotou a disposição da classe dominante de se comprometer com uma agenda social-democrata moderada. Assim, a direita capitalizou a Lava Jato para estimular o sentimento popular de anticorrupção e o usar como arma contra a esquerda. Isso terminou com um golpe parlamentar  contra Rousseff em agosto de 2016, forçando-a a sair do cargo por acusações de corrupção ridiculamente frágeis.

Depois que um governo de direita fraco liderado por Michel Temer completou o mandato de Dilma, uma batalha real foi marcada para a eleição presidencial de 2018 entre vários candidatos conservadores tradicionais e o popular Lula.

Graças à natureza abertamente política do impeachment de Dilma, quando Moro voltou sua atenção para Lula, milhões acharam suspeito. Moro acusou Lula de aceitar a escritura de um apartamento como recompensa pela concessão de contratos com o governo, mas nunca foi provado que Lula sequer era o proprietário do apartamento. No entanto, no verão de 2018, Lula foi condenado, impedido de concorrer ao cargo e a Suprema Corte negou todos os recursos.

Embora muitos suspeitassem que a investigação sobre Lula fosse politizada, não havia como provar isso - até que Greenwald e sua equipe receberam uma série de comunicações privadas entre Moro e seu principal promotor, Dallagnol. Com uma bomba na mão, o relatório do The Intercept conclui que "Moro ultrapassou grosseiramente as linhas éticas que definem o papel de um juiz".

As mensagens de texto vazadas  provam que, mesmo depois de Dallognol ter colocado Lula atrás das grades, ele e outros promotores supostamente apartidários continuaram a planejar contra Lula e o PT:

Carol PGR – 11:22:08 Deltannn, meu amigo

Carol PGR – 11:22:33 toda solidariedade do mundo à você nesse episódio da Coger, estamos num trem desgovernado e não sei o que nos espera

Carol PGR – 11:22:44 a única certeza é que estaremos juntos

Carol PGR – 11:24:06 ando muito preocupada com uma possivel volta do PT, mas tenho rezado muito para Deus iluminar nossa população para que um milagre nos salve

Deltan Dallagnol – 13:34:22 Valeu Carol!

13:34:27 Reza sim

13:34:32 Precisamos como país

Fonte:The Intercept

Com o espetacularmente popular Lula fora do caminho, a marca de extrema direita e antiestablishment de Bolsonaro o impeliu ao cargo, onde rapidamente recompensou Moro com o controle do Ministério da Justiça. As revelações de Greenwald ameaçam não apenas Moro e Dallagnol, mas questionam a independência do judiciário brasileiro e a legitimidade do governo de Bolsonaro.

Naturalmente, a campanha contra Greenwald  se assemelha muito a política de Bolsonaro: xenofóbica, homofóbica e violenta. Nas horas após o lançamento do relatório, a #DeportaGreenwald começou a ser a mais usada no Twitter. David Miranda foi direto ao assunto, tuitando  :

“A homofobia infantojuvenil não fará desaparecer as evidências maciças de delitos cometidos por Moro, Deltan e LJ. Eles estão buscando qualquer coisa porque não têm meios de abordar o conteúdo da reportagem. Oq falar ?! Cortina de fumaça. #VazaJato”

Miranda sabe do que ele está falando. É deputado federal no congresso nacional do Rio de Janeiro pelo Partido do Socialismo e Liberdade (PSOL). Miranda substituiu Jean Wyllys do PSOL , o primeiro congressista abertamente homossexual do Brasil, depois que ameaças de morte forçaram Wyllys a renunciar e deixar o país. E pouco mais de um ano atrás, a vereadora do PSOL Marielle Franco  e seu motorista foram assassinados no meio da rua. A ascensão de Bolsonaro ao poder deixou uma onda de assassinatos políticos em seu rastro, incluindo dois líderes  do Movimento dos Trabalhadores Sem Terra (MTST).

O maior apoio de Bolsonaro está concentrado entre os elementos de extrema direita que estão armados até os dentes, tanto oficialmente nas forças policiais e militares, quanto extraoficialmente em gangues paramilitares nas cidades e grandes milícias do agronegócio no interior. No mês passado, Bolsonaro recompensou esses grupos com  a flexibilização de leis de porte de armas  em uma nação que sofre mais de 68.000 assassinatos por ano. Ameaças contra Greenwald, sua família e a equipe do The Intercept e os meios para realizá-las são reais demais.

O PSOL e a esquerda mais ampla apelam para a solidariedade  com Miranda e sua família, dezenas de meios de comunicação estão se unindo ao The Intercpt pela Liberdade de Imprensa e a uma Comissão Parlamentar Conjunta de Inquérito(CPI) ,foi formada pelo PT, PSOL e outros partidos de esquerda para investigar a alegação contra Moro e outros.

Enquanto isso, Bernie Sanders tuitou seu apoio a Lula  : “Durante sua presidência, Lula lidou com enormes reduções na pobreza e continua sendo o político mais popular do Brasil. Eu estou junto a líderes políticos e sociais de todo o mundo que estão pedindo ao judiciário brasileiro para libertar Lula e anular sua condenação”

Apenas alguns meses atrás, parecia que a extrema direita estava à beira de derrotar decisivamente a classe operária brasileira e as feministas insurgentes, LGBT e movimentos afro-brasileiros. Na semana passada, uma combinação poderosa da The Intercept reportagem bombástica e uma greve geral massiva em 14 de junho  desequilibraram o jogo. Se Lula for libertado, os dias de Bolsonaro podem estar contados, pois não haveria dúvida de quem venceria  em uma eleição justa entre os dois. A direita do Brasil fará tudo o que puder para silenciar Greenwald e o The Intercept e eles terão amigos na Washington de Trump, enquanto planejam seu próximo passo. Devemos ter certeza de que a solidariedade com Greenwald e o respeito à liberdade de imprensa, às liberdades civis básicas e ao fim da perseguição politizada da esquerda sejam ouvidos em alto e bom som em Brasília.

Todd Chretien é um organizador, autor, tradutor e professor de espanhol do ensino médio. Ele contribuiu para vários livros, incluindo Estratégia Socialista e Política Eleitoral, e é editor Testemunhas da Revolução Russa.

*Publicado originalmente jacobinmag.com | Tradução de Cristiane Manzato

Conteúdo Relacionado