Política

Soninha Francine virou ficha suja

O silêncio da imprensa é plenamente justificado. Afinal, Soninha Francine é uma figura midiática, que ainda goza de certo prestígio no eleitorado jovem.

31/08/2014 00:00

Arquivo

Créditos da foto: Arquivo


A mídia tucana não deu qualquer realce para uma curiosa notícia nesta semana. Na quarta-feira (27), o Tribunal Regional Eleitoral (TRE) de São Paulo rejeitou a candidatura à deputada federal de Soninha Francine, do PPS. Ela foi enquadrada na Lei da Ficha Limpa, conforme pedido do Ministério Público.
 
Em 2011, quando ocupava o exótico cargo de diretora-técnica da Superintendência do Trabalho Artesanal nas Comunidades (Sutaco), nomeada pelo governador Geraldo Alckmin, a ex-vereadora teve a contabilidade do órgão rejeitada pelo Tribunal de Contas do Estado (TCE) por uso irregular de recursos públicos. A nova ficha suja do PPS agora só poderá se candidatar novamente em 2020.

O silêncio da imprensa é plenamente justificado. Afinal, Soninha Francine é uma figura midiática, que ainda goza de certo prestígio no eleitorado jovem.
 
Ex-apresentadora do MTV, ela foi eleita vereadora pelo PT na capital paulista com propostas ousadas. Na sequência, ela deixou a sigla e tornou-se uma direitista estridente. Filiou-se ao PPS e virou porta-voz do tucanato, mantendo íntimas ligações com o ex-governador José Serra.
 
Sempre tentou se travestir de “musa da ética” e, com este modelito, cumpriu o papel de algoz do PT. Agora, porém, ela é carimbada de “ficha suja” – e por isto é escanteada pela mídia tucana, que faz de tudo para garantir a reeleição de Geraldo Alckmin em São Paulo.





Conteúdo Relacionado