Política

RBS pode substituir presidente convocado para CPI da Zelotes

A RBS é uma das empresas suspeitas de participação no esquema de corrupção montado para não pagar impostos e que sonegou bilhões de reais.

29/09/2015 00:00

Reprodução

Créditos da foto: Reprodução
A notícia está entre os trending topics do twitter desde que começou a circular, na manhã desta terça-feira, 29, em Porto Alegre. O presidente executivo do grupo RBS – afiliada da Rede Globo no Rio Grande do Sul e Santa Catarina – Eduardo Melzer, pode estar de saída da casa.


Quem deu o furo foi o jornalista Luiz Cláudio Cunha, que desde o ano passado acompanha a crise na empresa em matérias publicadas no Jornal JÁ de Porto Alegre. Segundo Luiz Cláudio, o afastamento de Duda Melzer, como é conhecido, será oficializado em outubro.


A especulação – já conhecida há semanas no mercado da comunicação – ganha força a medida em que se aproxima o momento em que a Polícia Federal denunciará os primeiros nomes da Operação Zelotes.


Segundo o jornal Folha de S. Paulo, as gaúchas RBS e Gerdau são as empresas sobre as quais recaem os indícios mais fortes de participação no esquema de corrupção montado para não pagar impostos. Nesta primeira leva de denunciados estarão o nome de seis empresas e seus dirigentes, cujos crimes contra a Receita Federal somam R$ 5,7 bilhões.


A CPI do Conselho Administrativo de Recursos Fiscais (Carf), instalada no Senado Federal, já aprovou a convocação de Duda Melzer para dar seu depoimento sobre a investigação. Ainda que deixe o cargo, o executivo deverá ir ao Legislativo, neste caso como ex-presidente do grupo.


O Grupo RBS é, atualmente, o principal conglomerado de comunicações no Rio Grande do sul e em Santa Catarina. Detém, nos dois estados, quatro canais e 18 retransmissoras de TV que atingem quase 800 municípios, oito jornais impressos e sete rádios.


Executivo faltou a grandes eventos


A RBS não confirma a mudança na sua direção, mas o site Coletiva.Net, que cobre o mercado de comunicação gaúcho, endossou a matéria de Luiz Cláudio. “Há semanas circula no mercado a informação de que foi contratado um escritório de head hunters (caça-talentos) de São Paulo para identificar um profissional que assuma o comando do grupo”, diz um texto publicado no site.


A se confirmar a informação, será a primeira vez em mais de meio século de existência, que a condução da empresa deixará as mãos da família Sirotsky e passará para um profissional do mercado.


Em sua matéria, a Coletiva.Net elenca sinais de que Duda Melzer está de saída. Segundo o site, o presidente executivo faltou a dois grandes eventos do grupo realizados recentemente, o ZH Em Pauta e a entrega do Troféu Guri, na Expointer. “Na Expointer, uma das mais destacadas promoções do grupo de comunicação, o anfitrião e orador foi Nelson Sirotsky; Duda não compareceu”, assinala o texto.


Tesouradas atingiram homens de confiança


Duda Melzer é neto do fundador da empresa, Maurício Sirotsky e assumiu o comando do grupo em 2012, no lugar do tio, Nelson Sirotsky, que hoje é presidente do Conselho de Administração da companhia, onde tem assento outros parentes diretos ou indiretos do fundador.


A figura de Duda Melzer ganhou fama além dos círculos da comunicação em agosto do ano passado quando anunciou a demissão de 130 funcionários por e-mail, o que ele considerava uma demonstração de “coragem e desapego”.


“Temos apoio dos acionistas nas nossas decisões e temos também (...) coragem, energia e desapego para deixar de fazer coisas que não agregam e investir no que pode nos fazer crescer”, escreveu, na ocasião.


Duda também saudou as novas operações da empresa, vinculadas à indústria da bebida. “Muitos de vocês que já são sócios da Wine agora poderão também ser da Have a Nice Beer, o maior clube online de cervejas da América Latina, que está vindo para o Grupo”, destacou em seu comunicado.


Como a repercussão – inclusive entre leitores, ouvintes e telespectadores da empresa – foi ruim, a demissão em massa acabou sendo feita a conta gotas para evitar maiores desgastes à empresa.


Era tudo parte de um plano orientado pelo consultor Cláudio Galeazzi, que segundo Luiz Cláudio é conhecido como Galeazzi Mãos de Tesoura porque atua nas empresas para promover cortes em nome dos resultados positivos para acionistas.


“O fio agudo do consultor acabou sangrando até as relações entre criador e criatura, os dois Sirotsky que se revezaram no poder, Nelson e Eduardo”, revela Luiz Cláudio.


Os cortes teriam atingido gente de confiança do antecessor de Duda, Nelson Sirotsky. “Dois homens da tropa de elite de Nelson — o vice-presidente de jornais, rádio e digital, Eduardo Smith, e o diretor de jornalismo, Marcelo Rech — foram excluídos do círculo de decisão da RBS, provocando uma cisão irreparável nas relações entre tio e sobrinho”, relata o jornalista.


Manifestação tardia

 

Embora a RBS tenha optado por não se manifestar no dia em que as informações sobre a saída de Duda Melzer da presidência executiva do grupo circularam amplamente - segunda-feira, 29 de setembro -, na manhã seguinte os empregados receberam em seus e-mails uma mensagem do dirigente garantindo que fica.

 

“Sou e continuarei sendo presidente do Grupo RBS, sob a liderança e com o apoio do Conselho de Administração, presidido por Nelson Sirotsky, e com toda a energia e foco que o momento nos exige”, asseverou.

 

Na mensagem, Duda justifica o silêncio diante das consultas dos diversos veículos de comunicação que buscaram a confirmação: "Responder a boatos é contra nossos valores e princípios. Eles desviam nossa energia e nos movem em direção à desinformação", defendeu.

 

A mensagem na íntegra, pode ser lida no site do Grupo RBS.

Conteúdo Relacionado