Primeiros Passos

Diário de uma ocupação nº 25 - Como combater tantos ataques?

No dia 7 de dezembro, ocorreu outra invasão e ataque a UFMG por parte da Polícia Militar do Estado de Minas Gerais.

12/12/2016 17:25

Ocupa Tudo UFMG. Artefatos recolhidos após o ataque à UFMG, no dia 07-12-16.

Créditos da foto: Ocupa Tudo UFMG. Artefatos recolhidos após o ataque à UFMG, no dia 07-12-16.

Nesta semana os ataques a nação brasileira foram duros. Quando achávamos que a PEC 55 teria um adiamento na sua votação com a queda de Renan Calheiros. Surpresa, senadores e o STF o mantém no cargo em claro desrespeito contra a Constituição Federal de 1988. A luta contra a PEC 55 continua, como continua a luta contra a MP 746 - 2016, que agora tem até propaganda na televisão pedindo apoio da população. Mudanças na educação são realmente importantes, mas novamente batemos na tecla, que não por Medida Provisória, como querem. A população precisa de informação, mas continuam negando isso a mesma.
 
No dia 7 de dezembro, ocorreu outra invasão e ataque a UFMG por parte da Polícia Militar do Estado. `Provocando repetidamente a insatisfação do Reitor da UFMG, Jaime Arturo Ramirez e toda a comunidade, que entendem a ação como um desrespeito e ilegal devido a não jurisdição da PM no Campus. Entretanto o acontecimento se mostrou mais devastador que o anterior presenciado no dia 18 de novembro, pois atacaram a Escola de Belas Artes, o edifício mais próximo da portaria invadida pela polícia e onde estudantes (secundaristas em sua maioria, e universitários), técnicos administrativos e professores se refugiaram. Sendo a foto acima um dos registros das cápsulas e materiais semelhante coletados pelos estudantes dentro da Belas após a invasão violenta da polícia.
 
Não o bastante os ataques a população  mais frágil seguem ocorrendo, sendo mais um deles anunciado esta semana, a Reforma da Previdência. E pensamos se o que está ocorrendo e suas consequências vão realmente ser perceptível para a maior na população? Será que eles possuem, ou chegarão algum dia a possuir uma consciências das condições que o país com a aprovação desta reforma? Não sabemos como a grande mídia vai apresentar e como vai apresentar essas modificações. Dúvidas geradas devido ao desconhecimento da população sobre a opressão e tortura contra os estudantes que se posicionaram contra as medidas que pretende retroceder as conquistas sociais. A população mal sabe que a educação e a saúde estão com seus investimentos sem garantias de futuro e o que já tem problemas, não tendo dimensão de como isso pode piorar. Será que a Reforma da Previdência terá uma sequência política como a da PEC 55? Não. A revolta popular será muito maior, e já está acontecendo hoje. Porque o entendimento da PEC não é algo tão fácil e muito mais tranquilo de manipular a grande massa. Com a evolução e aumento da participação das redes sociais nas discussões políticas, os memes e outros recursos estão sendo usado como ferramenta que tenta alertar a população sobre as consequências e perigos de tais leis,  como apresentado o logo abaixo:
 

Fonte: Facebook, 08 de dezembro de 2016.
 
Quando pensamos em Reforma da Previdência, pensamos em: "Pensões sendo pagas para pessoas que nunca trabalharam (de maneira vitalícia cada uma de milhares e milhares de reais), de aposentadorias especiais depois 8 anos trabalhados (políticos), das fraudes e corrupções extensas, de juízes que mesmo depois de aposentados podem ganhar mais do que o teto constitucional porque acumulam benefícios". Será que é necessário mesmo uma Reforma da Previdência que onere tanto o povo que contribui em massa? Não acreditamos nisso.
 
Os ataques aumentaram e a resistência também, porém precisamos de mais força, da adesão da população Brasileira. Batalhas são perdidas, mas a guerra “Por Nenhum Direito a Menos”, continua.





Conteúdo Relacionado