Primeiros Passos

Diário de uma ocupação nº 26 - Futuros distópicos e o Brasil

Quando pensamos no nosso futuro, pensamos em distopias, só imaginar obras como: 1984, Admirável Mundo Novo e Fahrenheit 451.

13/12/2016 09:58

reprodução

Créditos da foto: reprodução

Em um diário, o dia 5 de novembro foi mencionado. Foi em meio a uma pequena poesia sobre as lutas. O dia 5 de novembro, para quem não sabe é um dia que marca o fim da alienação de um povo contra o governo corrupto da Inglaterra, mostrado em V de Vingança de Alan Moore e David Loyd. Esta Graphic Novel foi levada aos cinemas pelo diretor James McTeigue e roteirizado pelas irmãs Wachowski, que as pessoas lembram por Matrix e mais recentemente, por Sense 8. Como é o fim disso? Devem ler o quadrinho ou assistir ao filme, ou ainda os dois, porque se limitar?
 
E o que isso tem a ver com toda a luta da ocupação do IGC e de outras ocupações? Parece que não estamos fazendo nada, não estamos atingindo muitas pessoas com nossas intervenções ou que as intervenções da UFMG não estão surtindo nenhum efeito. Parece que são só atos que fecham uma das vias mais importantes da cidade de Belo Horizonte que é mais visto. Não é o fechamento da Av. Antônio Carlos ou da Praça Sete que são os símbolos das ocupações. Cada coração que tocamos, cada pessoa que estamos conscientizando, que ajudamos a tirar da alienação é uma vitória. Mas sobre legados, vamos falar depois, pois a Ocupa IGC continua. O que queremos focar é algo maior, o futuro.
 
Quando pensamos no nosso futuro, pensamos em distopias. Em distopias, pensamos em extrema opressão, só imaginar obras como: 1984 (George Orwell, publicado em 1949), Admirável Mundo Novo (Aldous Huxley, publicado em 1932), Fahrenheit 451 (Ray Bradbury, publicado em 1953), V de Vingança (1982) e o recente Jogos Vorazes (Suzanne Collins, publicado em 2008). O que têm estas obras em comum com o que acontece hoje no Brasil? Simples, já falamos de extrema opressão contra o povo e todas falam sobre opressão. A máscara do V é um símbolo de luta contra a opressão, no mundo real pode ter sido desvirtuada por alguns movimentos, mas ainda sim remete a opressão. Cada um dos livros expõe alguém que luta contra a opressão. E os livros ajudam a mostrar mundos em que a alienação tomou conta da maioria das pessoas. O nosso mundo real está chegando perto da ficção distópica. O que é certo? Nos é dito, por regras extremas, mas que alguns não obedecem, olhem nosso judiciário, executivo e legislativo desrespeitando a Constituição Federal que rege suas condutas. São os três poderes aproveitando a alienação do povo para poderem agir, enquanto ao povo cabe ser correto, honesto e respeitar as leis impostas.  
 
Quem não torceu para Katniss Everdeen conseguir vencer o Presidente Snow ou V conseguir derrotar o governo inglês distópico? Como derrotamos Temer e seus asseclas? Eles que querem controlar a internet também e acabar com a pouca informação que ainda dispomos livremente. Somos zumbis de informação e redes sociais, mas o quanto pesquisamos e sabemos os reais motivos de cada ataque do governo golpista? PEC 55, Reformas da Previdência e Trabalhista estão aí e quantos estão realmente preocupados com isso no Brasil. Nesta terça, dia 13 a PEC 55 deve passar pelo Senado e depois sancionada pelo dito Presidente Temer. Cadê a população agindo contra. São poucos milhões contra centenas de milhões alienados. Centenas de milhões que ainda não acordaram, que talvez acordem com a Reforma da Previdência ou que despertem de verdade na Reforma Trabalhista. Ou para nossa tristeza, dos poucos milhões acordados, talvez nem isso seja parado ou aconteça o despertar. Onde está a Reforma Política? Algo tão necessário para tentarmos mudar o rumo da nossa política e não ficar a mercê de uma escolha ruim ou outra escolha ruim. As urnas mostraram que votos brancos e nulos em muitos lugares superam os votos do representante eleito.
 
Ficção e realidade se misturam, pois nos dirigimos para futuros distópicos, de pesadelos se não acordarmos. Precisamos fazer o Brasil, mais de 200 milhões de pessoas, acordarem. E mostrar que a luta existe e que podem e devem fazer parte. Se não, as lutas de 2016 podem virar lendas, enquanto o povo brasileiro vive décadas de atraso e em meio a pesadelos para manter uma condição digna de vida. Centenas de milhões de pessoas neste prognóstico, porque nossos representantes cumprem muito bem seu papel de retirar cada um dos nossos direitos e só faltando nosso direito de pensar livremente.
 
Fora alienação! E fora agentes da alienação!



Conteúdo Relacionado