Primeiros Passos

Diário de uma ocupação n° 3

"Os secundaristas, verdadeiros heróis do movimento, foram os responsáveis por nos mostrar que nós, universitários, tínhamos que fazer algo"

06/11/2016 18:46

Reprodução

Créditos da foto: Reprodução

O movimento de ocupações e a luta contra a PEC é nacional. A indignação às consequências da emenda constitucional é nacional. A revolta é nacional. E a indignação contra as mudanças no Ensino Médio, através da MP 746, ainda puxam com mais força o movimento. Podemos ter idades, ideologias e crenças diferentes, podemos ver o mundo de maneira individual, mas uma coisa é única e coletiva, a luta contra a perda de direitos. Por isso, nossa ocupação possui uma “Comissão de Rua”, que não apenas procura fazer trabalhos de conscientização e promove manifestações, como também vai às escolas secundaristas visitar nossos companheiros, ajudá-los e fortalecê-los. Pois a pressão é gigante, nos adolescentes.
 
Os secundaristas são os verdadeiros heróis desse movimento. Foram eles que começaram a se posicionar, que nos mostraram que nós universitários tínhamos que fazer algo. Foi essa a conclusão que chegamos ao visitar algumas escolas ocupadas. Eles não tem todas as respostas e nem ferramentas para se articularem. Eles precisam de autorização dos pais para lutarem pelos seus direitos, muitas vezes são oprimidos pelos diretores, professores, pais e alunos, mas continuam firmes, pois acreditam na força e importância do movimento. O maior medo deles é pela segurança. O que é nossa maior preocupação também, nas universidades.
 
A organização e articulação de estudantes secundaristas depende muitas vezes dos professores, que em alguns casos optam por não se manifestar oficialmente, por medo  de pressão de pessoas contra o movimento e retaliações a partir disso. Entretanto, a coragem e a vontade de aprender desses estudantes foi o que mais nos impressionou, acreditamos que eles como muitos de nós que aderiram a essa causa nunca mais seremos os mesmos, pois enxergamos a necessidade de se abandonar a concepção da política pré-estabelecida - ou movimentação política - como “assunto de políticos” e “um assunto chato” e fizemos a primeira greve política do país. Pelos jovens e sonhando, com um futuro menos tenebroso.



Leia mais:

04/11/16 - Diário da Ocupação



 

Diário de uma ocupação: O que é uma ocupação e por que lutamos









Conteúdo Relacionado