Primeiros Passos

Diário de uma ocupação nº 5 - Visitando outras ocupações da UFMG

Estamos nos unindo cada vez mais por um projeto que ajude o país a não perder seus direitos e por um reconhecimento cada vez maior da sociedade.

07/11/2016 05:07

reprodução

Créditos da foto: reprodução

Visitar as demais ocupações, num campus como o da Pampulha na UFMG dá um bom trabalho. Visitamos as ocupações, algumas delas. Pois presenciamos aulões, entramos em meio a assembleias, paramos para conversar com muitos estudantes. Vimos que as ocupações tem estudantes de todos os cursos. Mesmo prédios não ocupados tem estudantes deles em meio as ocupações e muitos prédios ainda estão discutindo sobre se ocupam ou não os mesmos, são eles: Direito, Engenharia, Odontologia, Medicina e a Faculdade de Ciências Econômicas (FACE), está última, que em assembleia votou contra a ocupação.
 
Em nenhuma visita ou assembleias anteriores, vimos alguém a favor da PEC 55 (antiga PEC 241). Vimos muitos estudantes contra as ocupações, por inúmeros motivos. Podemos listar alguns: final de semestre e alguns querem se formar, outros continuarem seus projetos, outros ainda, simplesmente querem terminar o semestre apenas ou acham que as ocupações deveriam ser fora da UFMG, onde teriam mais visibilidade, como: ocupar a prefeitura de Belo Horizonte ou a Assembleia Legislativa de Minas Gerais. E como estas pessoas que são contra as ocupações lidam com elas? Temos movimentos como o MBL e o Desocupa UFMG que são mais radicais e querem a desocupação a força, tiram fotos de estudantes ocupados ou que estão apenas fazendo visitas, ficam rondando os prédios ocupados. Em muitas conversas, porém, estudantes de várias ocupações querem conversar com estudantes, professores e servidores que são contra as ocupações. Querem um debate democrático com eles, mas será que quem é contra tem aquele sentimento de pertencimento sobre um prédio ocupado? Muitos que são contra as ocupações não sabem como agir nas ocupações, têm medo de serem hostilizados. Em grupos heterogêneos, isso pode sim ocorrer, as pessoas podem cometer erros, mas queremos ouvir os estudantes que são contra, suas propostas e seu apoio contra a PEC 55. Venham para um debate mesmo os que são a favor da PEC 55. Venham sem armas na mão, venha debater nas ocupações seu lado, sem violência. Tivemos casos de servidores e professores contra as ocupações agredirem estudantes e muitas ameaças. Mas são casos a parte que devem ser investigados, porque as ocupações não vão durar para sempre e o convívio entre todas as partes continuará em algum momento.
 
O tempo é uma grande arma neste momento. Quando a PEC será votada no Senado? Não sabemos, talvez seja apenas no fim do ano, talvez queiram desgastar todos os estudantes ocupantes em seus prédios, mas o que se vê é um aumento dos mesmos, das ocupações, dos estudantes em se unirem a causa, das intervenções fora da bolha universitária, nas escolas pelos secundaristas. Doações de mantimentos e outros, e a segurança são os maiores problemas nas ocupações. No entanto, estamos nos unindo cada vez mais por um projeto que ajude o país a não perder seus direitos e por um reconhecimento cada vez maior da sociedade em geral pela nossa luta, o que nos ajudará a combater os problemas e encontrar novas forças para continuar. Não iremos parar, que o governo golpista e todos os órgãos a ele unidos saibam disso.







Conteúdo Relacionado