Soberania Nacional

Parente representa interesses do mercado e dos EUA, diz Samuel Pinheiro

Para o embaixador Samuel Pinheiro Guimarães, o governo Michel Temer 'é um fracasso extraordinário' e o presidente da Petrobras, Pedro Parente, é o representante dos interesses do Estado norte-americano no Brasil que se empenha em destruir a estatal

27/05/2018 09:30

 

 
Em entrevista ao Tutaméia, o ministro-chefe da Secretaria de Assuntos Estratégicos da Presidência da República no governo Lula e Alto-Representante Geral do Mercosul (2011-2012) disse que o Brasil é um país cujo governo faz tudo que o estrangeiro quer. Para ele, o capital externo está forte em todos os setores  e os bancos serão os próximos atingidos por esse ataque.
 
O embaixador destacou que o objetivo é “a destruição das empresas, dos instrumentos de capitalismo nacional”. E afirmou que esse processo de “destruição do que sobrou do capital nacional” está atingindo não só as empreiteiras – que estão prejudicadas em uma futura reforma da infraestrutura brasileira, abrindo espaço para as estrangeiras – mas outros setores também, como os de energia (Eletrobras).
 
Para Guimarães, a destruição promovida pelo governo golpista está presente em vários aspectos: na desorganização no mercado de trabalho, na privatização desenfreada, na redução dos bancos públicos, no enxugamento do Estado.
 
"O golpe em curso efetuou um ataque às grandes empresas brasileiras e nenhum ataque a empresa estrangeira", falou o embaixador.
 
“Vamos supor que o Brasil tivesse sido invadido por uma potência estrangeira. O que as forças de ocupação fariam? Iriam reduzir o Estado, destruir as empresas daquele país que está ocupado. Com fizeram na Alemanha, no Japão. Iriam dar todo o favorecimento aos vencedores. É o caso que estamos vivendo. Estamos vivendo um governo estrangeiro no Brasil. O que é um governo estrangeiro no Brasil? É o que favorece o estrangeiro”.
 
Ele disse ainda que Henrique Meirelles “representa os interesses do mercado internacional” e que o governo Temer “é um fracasso extraordinário”.
 
Na análise do embaixador, “o que os EUA querem é que o Brasil fique na sua posição de país subdesenvolvido, exportador de produto primário, soja, minérios, nióbio, algum processamento, como suínos e frangos, mas não produto manufaturado”.
 
Originalmente publicado no Portal Vermelho.




Conteúdo Relacionado