Sociedade e Cultura

A chatice é só saber-se

O mundo do futebol está minado pelo populismo cultivado pelos presidentes dos três grande clubes e pelo clima de 'guerreirismo' que domina a televisão

22/05/2018 15:07

Reprodução

Créditos da foto: Reprodução

Por Francisco Louçã

As catacumbas do futebol não são notícia de hoje. Se nos lembrarmos bem, o tipo de suspeitas que nas últimas semanas voltou à tona tem muitos anos e repete-se como um relógio. Se desta vez o resultado for igual ao de todas as anteriores, só podemos esperar pela próxima. Com ou sem Jamor, com um presidente de clube ou com outro, o que nos vai livrar destes incêndios? Receio que nada.

Tantas vezes vai o cântaro...

Vale e Azevedo, ex-presidente do Benfica, foi detido em 2001. Em 2004, foram detidas 16 pessoas, incluindo o presidente da Câmara de Gondomar, Valentim Loureiro, e o presidente da Comissão de Arbitragem da Federação Portuguesa de Futebol. Era o caso ‘Apito Dourado’: suspeita de corrupção de árbitros e de manipulação de resultados de jogos do campeonato. Foi emitido um mandado de detenção de Pinto da Costa, presidente do FC Porto, mas foi avisado e fugiu para Espanha. Mais tarde regressaria e, depois de responder a interrogatório, ficaria em liberdade sob caução. Quatro anos depois, alguns dos acusados foram condenados. Em 2014, Pinto da Costa foi absolvido.

Com muitos outros casos pelo caminho, em 2016 foi detido o empresário José Veiga, que fora diretor-geral da SAD do Benfica. O mesmo tipo de acusações. O processo está em curso. Outros personagens do Benfica foram detidos e constituídos arguidos em 2018 no caso dos e-mails e no ‘E-Toupeira’. Agora foi detido o diretor do futebol do Sporting, também no âmbito de uma investigação sobre a eventual compra de árbitros e a fixação de resultados de jogos.

Se acrescentarmos outros casos avulsos de violência ou de tráfico de droga e mais tropelias, que envolve parte desse submundo das claques e seguranças e outras profissões que circulam no futebol, ficamos com um retrato do que se sabe. Sabe-se desde sempre. Há décadas que há detenções, processos prolongados, escutas divulgadas nas televisões, escândalos violentos. E depois vem o próximo processo. E um presidente de clube pode durar mais de 30 anos. Não há pecado neste lado norte do Equador.

Fazer-se de maluco

O problema não é só a fastidiosa repetição de processos, quase sempre da mesma forma e com os mesmos resultados. É que se sabe bem como se chegou aqui e nem há grande dúvida sobre o assunto.

A primeira responsabilidade é de dirigentes que constroem uma identidade clubística na base do fanatismo e do ódio. Há clubes, talvez até todos eles, em que as cores dos rivais são proibidas e os atletas educados seguindo Pavlov. Há sempre financiadores e sócios eméritos que conspiram para vincular as eleições e que exigem aos candidatos o maior vigor hostil. Todos exigem que o ambiente seja de ódio. Se o populismo existe em algum lugar, é mesmo nos três grandes clubes e os seus cultores têm sido Pinto da Costa, agora mais contido, Vieira, agora na defensiva, e mais recentemente Bruno de Carvalho, sempre na ofensiva, naquela candidamente confessada lógica do “fazer-me de maluco”.

A segunda responsabilidade é essa conjugação da amnistia permanente (houve sempre quem se candidatasse para se proteger de incómodos com a justiça), das facilidades financeiras e da dívida ilimitada (as contas escondem sempre o mistério de clubes falidos que multiplicam investimentos) e do poder da relação. Quando vir deputados, e não são poucos, sentados em programas de debate de futebol, note que eles pensam que estão a dar a sua opinião, quando na realidade estão a repetir juras de fidelidade, como servos de um senhor mandante. A organização de jantares anuais de claques de deputados em São Bento é um dos momentos de degradação parlamentar que exibe o poder do futebol. É assim que os presidentes dos clubes criam os seus séquitos.

O ‘guerreirismo’

Há ainda uma terceira responsabilidade e não é menor. É a mão comunicacional, a mobilização pelo negócio do futebol da colonização do espaço público através de uma estratégia obsessiva. O futebol tem que ocupar toda a fantasia, tem que dominar a imaginação, tem que ser viciante como uma droga, tem que ser omnipresente. Há nesse processo um ganho de escala: quanto mais presente está, mais é necessário o futebol. Por isso, a televisão, e não o estádio, passa a ser o lugar da exibição, revivida em comentários ad nauseam, que é alimentada por uma casta de atores que representam um papel, o do comovido ou o do furibundo adepto. O último é o que tem mais sucesso.

Talvez o melhor exemplo, um caso de estudo, é o de Pedro Guerra. Ele vem do “Independente”, onde aprendeu as manhas da comunicação, foi depois assessor ministerial na Defesa, com Portas, fez notícia porque o seu salário era maior do que o do ministro, passou a assessor parlamentar do CDS e é agora diretor da Benfica TV e comentador de um canal cabo. O estilo é o personagem: levanta-se, ameaça, gesticula, grita - e faz escola. É assim que se quer um puxador de audiências, é o enfático que vale, não é o argumento. O ‘pedroguerreirismo’ da televisão do futebol é o carimbo para a violência no futebol.

Pergunto então: vai mudar alguma coisa no estilo dos dirigentes clubísticos, ou facilidade concedida aos clubes, nas claques ou na promoção da violência pela obsessão televisiva? Não vai mudar nada, mesmo que mudem alguns dos agentes.

Francisco Louçã, professor universitário e ativista do Bloco de Esquerda.

Artigo publicado no jornal Expresso de 19 de maio de 2018 



Conteúdo Relacionado