Sociedade e Cultura

A esquerda branca precisa abraçar a liderança negra

As revoltas atuais são a luta de classes do século XXI

03/07/2020 13:53

Kiara Williams segura um megafone enquanto fala com a multidão reunida nos acampamentos Occupy City Hall, em Nova York ((Ira L. Black/Corbis via Getty Images))

Créditos da foto: Kiara Williams segura um megafone enquanto fala com a multidão reunida nos acampamentos Occupy City Hall, em Nova York ((Ira L. Black/Corbis via Getty Images))

 
Estamos vendo um dos maiores levantes da história dos EUA, e os organizadores esquerdistas negros e a classe trabalhadora negra estão na liderança. O vídeo de George Floyd implorando por sua vida e chamando sua mãe, enquanto Derek Chauvin, um policial branco, ajoelhava-se em seu pescoço por oito minutos e 46 segundos e fez de Floyd a Emmett Till desta geração. Quando os norte-americanos brancos assistiram àquela cena de racismo, poder estatal e masculinidade tóxica descontrolados que permeiam a cultura policial, eles tinham uma escolha: permitir que o policial falasse por eles ou sair às ruas como parte de um movimento contra a supremacia branca e a repressão policial. Milhões em todo o mundo optaram pela última opção.

Isso não é como os anos 1960. Os brancos marcharam em manifestações de direitos civis, formaram comitês de cooperação inter-racial e se uniram ao movimento pela liberdade negra, mas o fogo desta vez é mais quente. Nós não vimos tantos protestos simultâneos, tão grandes e tão diversos.

Também vemos uma militância em massa e a disposição de um grande número de pessoas de correr riscos. Durante uma pandemia perigosa, as pessoas estão enfrentando gás lacrimogêneo, balas de borracha e cassetetes policiais. Enquanto os manifestantes sustentam a mensagem simples “Black Lives Matter”, os organizadores do Movimento pelas Vidas Negras deixam claro que essa luta é tanto pelo fim do capitalismo racial quanto por qualquer outra coisa.

A esquerda branca precisa entender que é assim que é a luta de classes no século XXI. Negar isso e reduzir os protestos a um impulso "identitário" é autodestrutivo para qualquer projeto sério de esquerda para mudança sistêmica. Os pobres negros e a classe trabalhadora experimentam o capitalismo e a supremacia branca como entrelaçados: a violência policial, o encarceramento em massa direcionado e o abandono social e econômico estão ligados. A esquerda perde força e credibilidade se fingir que há uma experiência de classe sem distinção de cor.

Em seu livro de 1991, The Wages of Whiteness, o historiador David Roediger descreve como a classe trabalhadora branca evoluiu em justaposição ao trabalho negro escravizado. A supremacia branca fazia parte do salário psicológico pago para comprar a lealdade e moldar a consciência dos trabalhadores brancos no período anterior à guerra civil, e esse legado foi levado adiante. Trabalhadores brancos podem ter sido pobres, mas pelo menos não eram n_____s. Os trabalhadores brancos receberam uma espécie de distinção de casta com benefícios materiais e poder social para violar, assediar e matar pessoas negras. Durante grande parte da história dos EUA, o policiamento era a profissão de um homem branco, originário em parte dos caçadores de escravos do Velho Sul.

O salário psicológico dos brancos pode ser visto no rosto de Chauvin enquanto ele olhava para a câmera do celular enquanto matava um negro algemado e desarmado em plena luz do dia. Imóvel, irresponsável e não temendo ninguém, ele projetou a mensagem: "Estou tenho poder para fazer isso."

No entanto, um setor da esquerda branca permanece em negação obstinada sobre a centralidade da luta negra e da liderança negra em qualquer movimento bem-sucedido e sustentável por mudanças radicais. Existem duas versões desse argumento. Uma se apega à noção de que as chamadas políticas de identidade são divisivas e que a esquerda deve se concentrar em plataformas econômicas que possam unir toda a classe trabalhadora. A segunda é uma versão atualizada que argumenta que o racismo sistêmico existia, mas com o fim do racismo de jure tudo aquilo mudou.

Os partidários desses argumentos agrupam todas as vozes políticas negras como identitárias, se o primeiro plano da luta for contra o racismo. Eles ignoram as vozes de esquerda negra que argumentaram contra a política de identidade estreita, o nacionalismo negro burguês, o integracionismo convencional e a política tendenciosa representativa de classe. Do coletivo Combahee River Collective ao Black Radical Congress, a muitos dos organizadores de hoje, os esquerdistas negros, especialmente feministas de esquerda negra, nunca promoveram uma análise de raça sem classe ou uma análise de classe sem raça ou sem gênero.

O fracasso em confrontar a supremacia branca como uma característica definidora do capitalismo norte-americano tem consequências. A campanha de Bernie Sanders é um exemplo triste. Ofereço essa crítica como alguém que apoiou publicamente Sanders e que, juntamente com outros, tentou empurrar sua campanha para avançar para uma agenda robusta de justiça racial. Quase todos os candidatos presidenciais democratas apareceram em Selma, Alabama, para comemorar o aniversário da marcha pelos direitos civis através da ponte Edmund Pettus. Numa época de crescente nacionalismo branco, era importante para muitos negros que os líderes políticos marcassem a luta pela justiça racial no sul. Sanders, o candidato mais à esquerda na corrida, estava conspicuamente ausente.

Então, Sanders deveria ir ao Mississippi para fazer um discurso de candidatura para coincidir com o seu endosso pelo radical prefeito negro de Jackson, Chokwe Lumumba. A feminista negra Barbara Smith estava em um avião para encontrá-lo e ficar na plataforma ao lado dele. Ele não apareceu. Em vez disso, ele foi para Flint, Michigan, onde novamente deveria fazer um discurso sobre raça para a comunidade afro-americana. Em vez de proferir esse discurso, moderou desajeitadamente um painel de brilhantes ativistas negros ensinando o público esmagadoramente branco sobre racismo. Ainda assim, a plataforma de Sanders teria melhorado materialmente as condições para um grande número de trabalhadores negros e pessoas pobres, e é por isso que muitos ativistas negros o apoiaram. Mas seu fracasso em articular uma compreensão clara e o compromisso de combater os fundamentos da supremacia branca do capitalismo racial pode ser o motivo pelo qual ele nunca obteve o apoio necessário dos negros para vencer a indicação. Havia muitos pontos fortes na campanha de Sanders, mas essa pode ter sido sua falha fatal.

Outro exemplo perturbador dos desafios da esquerda predominantemente branca com a raça são os Democratic Socialists of America (DSA). Por um lado, a eleição de Trump alimentou o crescimento exponencial da organização, e as vitórias e campanhas eleitorais subsequentes a encorajaram. Ao apresentar candidatos e demandas que parecem senso comum para muitos norte-americanos, a DSA ajudou a reintroduzir o socialismo no discurso político convencional.

Dito isto, e apesar de um punhado de líderes brilhantes no quadro afro-socialista, a DSA é em grande parte desprovida de liderança negra em nível nacional. Como é possível aceitar isto? Por que todos na organização não estão preocupados com as implicações, ou pelo menos com a ótica? Por que a DSA não recuou profundamente para ler, aprender e propor mudanças ousadas que abrirão as portas para a liderança da esquerda negra? Se não souberem quem são os mais ferozes organizadores antirracistas desta geração, precisam apenas olhar para as ruas de Atlanta, Chicago, Minneapolis, Los Angeles e Nova York.

Podemos erguer essa rocha política e criar a solidariedade baseada em princípios necessária para sustentar um movimento radical de esquerda antirracista neste país? Há alguns sinais de muita esperança. Centenas de milhares de brancos invadiram as ruas das principais cidades norte-americanas, e também em pequenas cidades, para dizer não ao racismo. Quem pensa que não é uma mudança radical na consciência racial não está prestando atenção.

Segundo, há rumores liderados por negros(a            s) e latinos(as) na arena eleitoral. O Working Families Party (Partido das Famílias Trabalhadoras) reimaginado e mais inclusivo, sob a liderança de Maurice Mitchell, é um desafio para o Partido Democrata corporativo, que absorveu tantos políticos negros com espírito de carreira em seu sistema de patrocínio e conformidade. Justice Democrats (Democratas da Justiça) também são uma lufada de ar fresco, sem medo de desafiar os democratas eleitos com alternativas mais progressistas.

Terceiro, há uma crescente visibilidade dos movimentos sociais liderados por negros, que passaram os últimos anos construindo poder. Existe uma ligação direta entre o movimento Black Lives Matter de 2012–16 e os protestos de 2020, entre Ferguson e Minneapolis e entre Mike Brown e George Floyd, ambos representantes de muitos outros, incluindo muitas mulheres e mulheres trans vítimas de violência policial, de milicianos e até de parceiros íntimos. Os debates, campanhas locais, infraestrutura organizacional, construção de relacionamentos e autocríticas que ocorreram desde Ferguson prepararam um novo quadro de líderes para a maior batalha de suas vidas.

O Movement for Black Lives (Movimento para Vidas Negras - M4BL) - que surgiu dos protestos dos assassinatos de Eric Garner, Tamir Rice, Sandra Bland e Michael Brown em 2014 - está construindo amplo apoio a um conjunto de políticas que surgem da equipe de política e pesquisa própria coalizão. Ele atualizou o documento Visão para as Vidas Negras de 2016, que Robin DG Kelley chamou de nada menos que "um plano para acabar com o racismo estrutural, salvar o planeta e transformar a nação inteira". No fim de semana do Juneteenth (comemoração da libertação do último negro escravizado nos EUA), o site da M4BL ostentou mais de 500 protestos em todo o país.

Em 2017, o M4BL lançou uma formação multiracial de mais de 80 organizações, denominada Rising Majority (Maioria Crescente). Isso por si só é uma reversão da prática usual de grandes formações lideradas por brancos reunindo grupos, estruturando a conversa e, em seguida, adicionando organizações lideradas por negros à mistura após a fundação das bases. A Rising Majority é liderada por antirracistas, anticapitalistas e negros, indígenas e povos de cor. Ela trabalhou para construir a união com autoridades eleitas progressistas, mantendo um fórum televisionado com os representantes Ilhan Omar, Alexandria Ocasio-Cortez, Ayanna Pressley e Rashida Tlaib na Universidade Howard em fevereiro. Também está construindo solidariedade entre os setores do movimento. Em 2018, o M4BL enviou um contingente de ativistas para San Diego para apoiar o #FreeOurFuture Day of Action de Mijente contra a detenção de imigrantes e a violência da Imigração. Mais recentemente, organizou um programa virtual com Angela Davis e Naomi Klein, que atraiu mais de 200.000 espectadores.

O Leftroots é outra organização socialista liderada por pessoas de cor que tem engajado ativistas em profundas discussões e estudos nos últimos anos. Por fim, acadêmicos e intelectuais estão se organizando através da rede liderada por feministas negras Scholars for Social Justice (SSJ), que publicou declarações e artigos de apoio a protestos negros, realizou ensinamentos, dividiu currículos e convocou um grupo de trabalho sobre reparações no ensino superior. O SSJ organizou um importante treinamento on-line sobre universidades e polícia durante o Juneteenth. Dada a política neoliberal que dominou as universidades e o aumento da corporatização das universidades, o SSJ é uma tentativa de sair da estrutura intelectual e política restritiva da academia.

Se a esquerda branca abraçar essa liderança negra ascendente, todos ficaremos mais fortes. É hora de um debate rigoroso, de solidariedade com princípios e humilde determinação. E agora, vejo cada vez mais todas essas coisas. No meio de tudo isso, apesar dos desafios, estou determinada a ter um "otimismo da vontade". Maldito seja o pessimismo.

Barbara Ransby é historiadora, escritora e ativista política de longa data. Ela é professora com distinção de estudos afro-americanos, estudos de gênero e mulheres e história na Universidade de Illinois em Chicago (UIC), onde dirige a Social Justice Initiative Social em todo o campus.

*Publicado originalmente em 'The Nation' | Tradução de César Locatelli

Conteúdo Relacionado