Sociedade e Cultura

As escolas estão lutando para evitar o agravamento da desigualdade ao reabrir

 

15/07/2020 16:04

(Michael Loccisano/Getty Images)

Créditos da foto: (Michael Loccisano/Getty Images)

 
Quando a Dinamarca se tornou o primeiro dos 22 países europeus a reabrir as escolas, em 15 de abril, os alunos foram informados de que usar máscaras era opcional. Mas nem tudo voltou ao que era antes da COVID-19.

O intervalo, para crianças dinamarquesas agora, requer distanciamento social, e os alunos em idade escolar foram divididos em grupos de cinco para limitar as interações. Os jogos incluem "pega-pega de sombra" em vez do toque real e jogos de bola são proibidos. Os alunos ficam em uma sala o dia inteiro; almoços pré-embalados são servidos nas mesas das salas de aula; e há estações de higienização das mãos em todas as portas. Os bebedouros foram desligados, mas estudantes e funcionários podem reabastecer suas garrafas de água nos locais de abastecimento designados. Por fim, o serviço de ônibus de e para a escola foi suspenso: agora, os alunos precisam andar, ir de bicicleta ou serem levados para a aula.

No estado australiano de Nova Gales do Sul, a configuração é diferente. Lá, as salas se reúnem pessoalmente uma vez por semana; nos quatro dias letivos restantes a instrução é remota. As escolas, no entanto, têm liberdade de escolha: algumas agendam séries diferentes em dias diferentes, enquanto outras dividem os alunos em ordem alfabética, agrupando-os para limitar a frequência a 15 alunos por vez. Os horários de chegada e partida são escalonados e as lanchonetes estão fechadas. A limpeza das superfícies que são muito tocadas aumentou, mas, como na Dinamarca, as máscaras faciais não são necessárias.

Por outro lado, os estudantes que recentemente retornaram às aulas em Taiwan devem cobrir o rosto e sentar-se a pelo menos um metro e meio de distância quando estiverem em ambientes fechados.

E, então, há os EUA. Como a reabertura das escolas deve ocorrer neste outono, esta é atualmente uma questão prioritária e o debate envolve não apenas a saúde e a segurança de estudantes, professores e funcionários, mas também a melhor forma de atender às necessidades dos alunos que vivem em comunidades que foram devastadas pela pandemia, a maioria dos quais frequenta escolas com poucos recursos há décadas. Além disso, educadores, pais e ativistas observam que alguns alunos ficaram para trás e agora estão em um terreno acadêmico instável. Além disso, um aumento previsto de abuso infantil e violência doméstica durante a quarentena precisará ser abordado.

Enquanto isso, o presidente Trump ameaçou cortar o financiamento de qualquer escola que não reabra totalmente, anunciando sua intenção de colocar um ponto final nos planos de oferecer aulas híbridas ou apenas online.

Por sua vez, os Centros de Controle e Prevenção de Doenças (CDC) emitiram recomendações vagas pedindo que, as instalações que planejem reabrir, incentivem a lavagem frequente das mãos com água e sabão; instalem desinfetante para as mãos sem toque; limpem e desinfetem repetidamente as superfícies tocadas com frequência, incluindo equipamentos de playground, bebedouros e maçanetas de portas e pia; ventilem salas sempre que possível; evitem compartilhamento de dispositivos eletrônicos, brinquedos, livros, jogos e material didático; alternem assentos nos ônibus escolares para garantir o distanciamento social; coloquem protetores de espirros e separações quando o espaçamento for impossível; usem utensílios descartáveis na hora das refeições; e impeçam que visitantes e voluntários entrem e saiam dos prédios da escola. O CDC também recomenda o cancelamento de todas as viagens de campo.

Na questão mais difícil de saber se as escolas devem reabrir totalmente, permanecer on-line ou oferecer um híbrido de instruções presenciais e remotas, o CDC é silencioso, delegando a decisão para os conselhos de educação locais.

Os alunos podem estar trabalhando

Nas áreas rurais de American Falls, Idaho, Angie Harker, especialista em desenvolvimento / envolvimento familiar e adoção e ligação com os sem-teto, disse à Truthout que uma preocupação dominante é o envolvimento com estudantes que começaram a trabalhar em período integral após o fechamento das escolas. "A razão pela qual eles foram trabalhar, em primeiro lugar, é a necessidade econômica, a pobreza e sua renda é muitas vezes crítica para suas famílias", diz ela. A maioria trabalha na agricultura, cuidando de batatas, beterraba e outras culturas. “Antes da COVID-19, essas crianças - muitas delas imigrantes da América Central e do Sul ou residentes da reserva de Shoshone-Bannock - poderiam ter frequentado a escola em período integral e trabalhado nos campos em período parcial. Agora, isso é revertido e eles estão tentando se encaixar na escola depois do trabalho, nos fins de semana ou durante o horário de almoço. Os empregos na agricultura pagam um salário decente - US$ 13 a US$ 20 por hora - e como crianças de até 14 anos podem trabalhar legalmente em Idaho, mantê-los na escola será um desafio. ”

Mas as preocupações de Harker vão além do emprego. As crianças que ficam dentro de casa há meses podem ficar com medo de sair e se preocupar com a contração do vírus se voltarem à escola. Os conselheiros treinados, ela diz, serão essenciais para garantir que as necessidades de saúde mental dos alunos sejam atendidas.

A coordenadora estadual de educação para sem-teto, do escritório de instrução pública de Montana, Heather Denny, destaca uma questão que seu estado está enfrentando: "O coronavírus parece algo que está acontecendo em outro lugar", diz ela. "Não parece real para a maioria de nós, já que tivemos tão poucos casos." Ao mesmo tempo, as escolas públicas de Montana estão fechadas desde março e a reabertura permanece incerta. "Depende muito de coisas que ainda não sabemos", diz ela. "Estamos planejando garantir que as crianças lavem mais as mãos e que os zeladores limpem tudo mais completamente".

Como Montana tem uma população tão pequena, ela continua, foi relativamente fácil manter contato com os alunos e suas famílias, mas, em alguns casos, as pessoas se mudaram, foram morar com membros da família ou retornaram a uma das sete reservas indígenas do estado.

"Estamos regularmente entrando em contato para ver o que as pessoas precisam", diz Denny. "Às vezes isso significa enviar um computador para um novo local de residência ou enviar pacotes de tarefas para eles". No entanto, Denny reconhece que alguns estudantes desapareceram. “Eu diria que tivemos contato com 75 ou 80% dos nossos alunos. Eles nem sempre estão atualizados com os trabalhos escolares, mas entramos em contato com eles quando entregamos refeições, cartões de supermercado ou carga de telefone. Estamos discutindo o que faremos com crianças que não acompanharam as tarefas quando voltarem à escola.”

As necessidades sociais e emocionais dos alunos também são uma preocupação. "Temos que avaliar o impacto do fechamento da escola em cada criança", diz Denny. Outras grandes preocupações, ela acrescenta, incluem violência doméstica, abuso infantil e negligência infantil. "Existe uma certa proteção que vem do fato de vermos as crianças todos os dias", ela diz à Truthout. "Em muitos casos, não vemos essas crianças há meses, por isso, se o abuso aconteceu, não tomamos conhecimento e não interviemos."

Denny também prevê um aumento da população sem-teto quando a moratória do estado sobre despejos terminar no final de julho - algo que provavelmente se repetirá em pelo menos 30 estados nos EUA, à medida que as moratórias de despejo expirarem. "É provável que seja uma bagunça quando a escola recomeçar, e precisamos estar preparados para ajudar os alunos e suas famílias, mantendo-os academicamente no caminho certo".

Escolas urbanas enfrentam diferentes problemas

No que diz respeito à reabertura de escolas, existem algumas preocupações que se sobrepõem para os educadores urbanos e rurais, mas a magnitude da pandemia atingiu de forma extremamente dura os moradores da cidade.

"Precisamos encarar a morte de maneira diferente do que antes do vírus", disse o professor Wayne White, presidente da Associação de Professores de Bellport, em Bellport, Nova York, à Truthout. “Todos conhecemos alguém que perdeu alguém. Assistentes sociais e conselheiros de orientação são geralmente as primeiras pessoas a perder o emprego quando há déficits orçamentários, mas mesmo que nosso estado esteja enfrentando um déficit enorme, precisaremos como nunca de mais conselheiros profissionais e assistentes sociais.”

White também teme que, como a pandemia impactou desproporcionalmente as comunidades negras e pardas, ela tenha aumentado a diferença de resultados entre estudantes brancos e estudantes negros e pardos.

Isso também preocupa Rann Miller, editor do Urban Education Mixtape Blog, que existe há quatro anos. "Nós já estávamos vendo um enorme desnível de oportunidades para estudantes latinos e negros antes da pandemia", diz Miller. “Meu medo é que, quando voltarmos, alguns estudantes ficarão para trás e as escolas que impõem rigor e padrões aos estudantes, que historicamente tem sido frustrados por um ensino racista, vejam essas questões agravadas. “A escola terá que, não apenas colocar as crianças de volta aos trilhos academicamente, mas encontrar novas formas antirracistas de educá-las. Voltar à escola como ela era não é uma opção.”

Capacitar os pais é essencial, diz ele.

Tafshier Cosby-Thomas é a CEO da Parent Impact em Newark, Nova Jersey, um grupo dedicado a ajudar as famílias a se tornarem defensores mais eficazes para os alunos. “Os pais precisam fazer parte da conversa antes que sejam tomadas as decisões finais sobre a reabertura, sobre o uso de equipamentos de proteção individual ou o debate de atividades esportivas permitidas, a disponibilidade de programação depois das aulas ou a programação de aulas particulares”, disse ela a Truthout.

Cosby-Thomas diz que diferentes famílias em sua comunidade experimentaram a COVID-19 de maneira diferente. “Alguns pais estão trabalhando em casa e normalmente conseguem ajudar seus filhos a usar dispositivos eletrônicos e acessar a Internet. Outras famílias não têm computadores ou os pais não têm conhecimentos de informática, ou não falam ou leem inglês, e não conseguem ajudar os filhos. Alguns estudantes tiveram que confiar em pacotes de papel de tarefas.” Ainda assim, ela diz, apesar dos esforços da Parent Impact, cerca de um terço das crianças que frequentam escolas públicas em Newark caíram nas brechas até certo ponto. “As escolas entraram em contato; os professores ligaram, mandaram mensagens de texto e até fizeram visitas domiciliares para tentar manter as crianças conectadas.”

A professora da escola primária de Chicago, Mariama Cosey, é igualmente inflexível quanto ao fato de os pais precisarem ser parceiros na educação de seus filhos. "O papel dos pais é fundamental para avançar com instruções remotas", diz ela. "Precisamos de workshops e reuniões presenciais para os pais resolverem o problema e aprenderem como a tecnologia funciona, para que possamos nos encontrar no meio do caminho e ajudar seus filhos a aprender."

O que eles aprendem também é extremamente importante, diz Monique Lee, professora de inglês e educação especial. Como instrutora na High School for Construction Trades, Engineering and Architecture em Ozone Park, Nova York, ela diz que tenta fazer tarefas socialmente relevantes. "Há momentos na história que nos deixam desconfortáveis", ela diz a Truthout. O atual apoio ao Black Lives Matter, diz ela, desafiou alguns de seus alunos. "Eu me concentrei em fazê-los escrever sobre por que o ativismo social é importante durante a COVID-19 e por que … os protestos têm sido tão grandes e tão bem-sucedidos neste momento específico." Lee também destacou as interseções entre todas as formas de opressão - racismo, discriminação contra pessoas com limitações intelectuais e contra mulheres, a comunidade LGBT e imigrantes. "Perguntei-lhes se essas condições deveriam ser um motivo para alguém sofrer discriminação e enfatizei que, se as vidas negras fossem tratadas da mesma forma que outras vidas, não haveria problema".

Ricardo Colon é um treinador instrucional, orientando professores da Escola Pública / Escola Intermediária 30, no Brooklyn, Nova York. Embora ele reconheça a importância dos currículos relevantes, ele diz que aumentar o nível de conforto de todos com a tecnologia também é vital para a realização educacional.

“Antes de nos afastarmos, os professores das escolas públicas da cidade de Nova York tiveram três dias para se preparar. Não havia tempo para criar um nível básico para todos os alunos, mesmo quando distribuímos os Chromebooks para que todas as famílias tivessem um”, diz ele. Com o passar dos meses, os professores desenvolveram cada vez mais maneiras de construir uma comunidade online. "Eles criaram dias de 'vestir-se', 'dias de imagem' e encontraram outras maneiras de as crianças interagirem umas com as outras. Assim que isso começou, os alunos começaram a ficar mais engajados. Eles perceberam que a escola ainda é escola e você ainda tem seus amigos mesmo que você não consiga vê-los pessoalmente. Também percebemos que também precisamos de uma linguagem compartilhada para falar sobre instrução."

Inicialmente, quando administradores, educadores e pais falaram sobre dispositivos, muitos assumiram que isso incluía telefones e iPads. Porém, quando as atribuições foram criadas, elas geralmente eram projetadas para um laptop.

"Temos que dizer claramente de quais dispositivos, que tecnologia, estamos falando, caso contrário, involuntariamente exacerbamos a divisão digital", explica. "Isso é algo que precisamos ter em mente quando voltarmos à escola no outono ou sempre. Isso será verdade, independentemente da forma que o retorno assuma, seja de volta às aulas, nos encontrando on-line ou fazendo uma combinação híbrida. ”

Para Juliette Keenan, de 9 anos, aluna da 5ª série da Escola Primária Clinton em Maplewood, Nova Jersey, não há dúvida de que o modelo híbrido é o melhor.

"Eu não gosto de aprendizado remoto", admite Keenan. "Mas também quero me manter saudável e seguro."

Eleanor J. Bader ensina inglês no Kingsborough Community College no Brooklyn, Nova York. Ela venceu, em 2015, o prêmio Project Censored por "excelente jornalismo investigativo" e um prêmio da Independent Press Association de 2006. É coautora de Alvos do Ódio: Antiterrorismo. Ela atualmente contribui para Lilith, Rewire.News, Theasy e outros blogs feministas progressistas e publicações impressas.

*Publicado originalmente em 'Truthout' | Tradução de César Locatelli

Conteúdo Relacionado