Sociedade e Cultura

Um Brasil terrivelmente evangélico - Neopentecostalismo e Democracia

 

16/09/2020 13:11

 

 
:: Leia mais: Especial 'Nem Freud Explica...' (CLIQUE AQUI)

Jaqueline Moraes

Igreja Universal do Reino de deus

1. tecnologia do governo de centro e a produção de sujeitos políticos a partir dos “direitos humanos”

2. 60% mulheres, 61% negros, 28 milhões de pessoas que se pensam a partir da segmentariedade

     a. Universal decresce e igrejas autônomas “Igrejas da Quebrada“ crescem

3. O Brasil não constituiu uma religiosidade privada e qual a religião que está no espaço público

     a. o catolicismo e a constituição de instituições

     b. indeterminação entre o secular e o religioso

     c. constituição de 1889: um Estado que proteja as religiões

     d. constituição de 1934: quem pode ser e quem não pode ser uma religião, ou seja, uma      associação civil”, uma representação civil junto ao Estado. Partir daí as religiões se      incumbem das tarefas sociais: saúde, educação, direitos humanos. Formação de uma      gramática de reconhecimento de direitos humanos, baseada em uma modelagem      católica

     0. Constituição de 1989.

     1. 2003 ... secularização da linguagem dos direitos humanos

      3. 2008 .... aprovação do Plano Nacional de Direitos Humanos

     4. demarcação de terras indígenas

     5. constituição da comissão da verdade

     6. ideologia de gênero: capaz de unir o que Lutero separou (junto com espíritas)

     7. 2011 ... Projeto Brasil sem Homofobia (Dilma)

          a. ditadura gay ?

          b. primeira aparição pública de Bolsonaro no programa Gimenz denunciando o           kit gay (caderno Escola sem Homofobia e Brasil

          c. Embrião da Mamadeira de Piroca

     8. Bancada evangélica assume a presidência da Comissão de Direitos Humanos (Marco      Feliciano e Damares é sua assessora) gerando 47 projetos de lei: cura gay, proibição do      ensino de gênero nas escolas, e escola sem partido: disputa sobre o significante “família”

A experiência pós-colonial retém a religião

     1. Disputa sobre quem pode estar no espaço público

     2. quem pode fazer o público?

Gideon

1. ganhar ou perder uma eleição por meio da religião

2. oração batista luterana logo após a eleição de Bolsonaro

3. a escolha foi de Deus?

     ... Deus não vota mas elege

     ... votaram com uma procuração divina

     .... antes Deus apoiava o partido das trevas

1. Transformações na relação entre público e privado

    
a. a lógica do condomínio: a demissão do Estado em relação a certos espaços de seu      território e declínio da intimidade

     b. mudança do estatuto social do sofrimento no interior do neoliberalismo e a crise neoliberal de 2008 (Plano Nacional dos Direitos Humanos)

     c. a narrativa da batalha espiritual

     d. a religiosidade com valor de exportação (Namíbia, S. Andrés, Israel)

1. O chamado a “parar de sofrer

     a. a prevalência de um narrativas de sofrimento baseado no objeto intrusivo

2. o pastor perguntando “como era sua vida antes de chegar à Universal?”, em seguida indagando “Qual foi seu fundo do poço?”, até chegar à questão chave “qual foi a graça que a senhora (o) recebeu?”, onde o “serviço de cura” da Igreja recebe do fiel a confirmação de sua eficácia.

     b. a contratualização da narrativa de sofrimento baseada no pacto

3. ocupação do espaço: Universal também investe pesado na construção de enormes catedrais em áreas de intensa mobilidade e visibilidade, onde permanecem com as portas abertas durante todo o dia

4. “socorro espiritual” 24 horas e a dominação do discurso dos direitos humanos

      a. A narrativa da dissolução da unidade simbólica do espírito (a família móvel e o pertencimento do expatriado)

5. uma fração de classe que tudo faz para não ser a última da fila desta “ralé estrutural”

1) pequenos empreendedores (como os que freqüentam a “Reunião dos Empresários”) sob o risco de serem rebaixados de seu status e

2) pobres com baixa qualificação que almejam abrir o seu próprio negócio como forma de evitar o “fundo do poço” da marginalidade e do fracasso (que, em sua maioria, freqüentam as “Sessões de Descarrego” e as correntes especiais de libertação).

Os meios:

a. ética da convicção: nível das “boas” e “más” vontades

b. sem instância de transcendência: a fusão de mundos

c. mas com redução da tensão com o mundo: “eliminação ou castração paulatina dos conteúdos que poderiam estar em tensão com essa realidade” ... como na indústria cultural

d. período de reclusão e afastamento do mundo ... mas sem grande preocupação com a formação intelectual

e. a graça e os bens que contam para a salvação

f. orientação para a ação e para o espetáculo

g. nem um tradutor das escrituras nem um preservador de ritos [mas um caso especial e invertido destas duas práticas]

h. a métrica [pragmática] da adesão dos crentes [eficácia]

i. não há espaço nem para o sacerdote nem para o feiticeiro portador de carisma mágico pessoal

“empreendedores com baixa ou nula formação teológica, mas que devem demonstrar grande capacidade de atrair público e gerar dividendos para a igreja, de acordo com o know -how administrado empresarialmente pelos Bispos.”(PRANDI, 1996: 258).

Peter Fry (1980) Umbanda e Pentecostalismo: duas respostas à aflição

Tipologia do sacerdote

“Nunca foi uma tarefa fácil na sociologia da religião estabelecer uma classificação minimamente clara entre o papel do profeta, do sacerdote e do magofeiticeiro”

     a. xamãs verticais ... sacerdote = sua ação é regida por uma tradição, pelo carisma institucionalizado no cargo que ocupa, que não deriva dos atributos únicos de sua pessoa [Saduceus]

     b. xamãs horizontais ... profetas = anunciação de uma promessa que está sustentada em geral em pressupostos éticos, em que exigências de um determinado rigor comportamental, (...) até o limite da salvação no outro mundo [Fariseus]

     - profeta ético

     - profeta exemplar

     c. xamãs transversais ... mago = carisma pessoal que, através de receitas e prescrições mágicas, visa normalmente a solução de problemas cotidianos e pessoais dos indivíduos que recorrem ao seu serviço. [Essênios]

          - presume e induz a dualização do mundo ?

          - a cidade e as montanhas

          - este mundo e o outro

     [d. xamãs .... guerreiros = [Zelotas] ... não mencionado por Brand]

“as idéias religiosas podem estar disponibilizando uma linguagem enriquecedora para a luta política”

financiar a “guerra espiritual” promovida pela IURD (dízimo)

estar sempre ritualisticamente protegido através das idas constantes às “seções ou banhos de descarrego

Fontes:

Brand Arenari Roberto Torres (2007) A magia do sucesso na indústria cultural: por uma sociologia crítica do Neopentecostalismo[1] - Igreja Universal do Reino de Deus e a Indústria Cultural da Fé

a. “a empresa de serviços mágico-religiosos” ...”narrativas pessoais patrocinadas “de fora”

“a Igreja Universal é capaz de desenvolver uma argumentação que parafraseia, sob alguns pontos de vista, a do Banco Mundial, dando a seus adeptos confiança em seu universo familiar. No seu discurso ela relaciona consolo e recusa da humilhação com uma visão global de mundo” (DOZON, CORTEN & ORO, 2003: 39). Todas as decisões envolvendo a compra de emissoras, a construção de templos ou qualquer outro investimento da IURD ou de suas empresas18, são realizadas pelo Conselho de Bispos, para onde também vai todo o dinheiro arrecadado pela Igreja. Isso possibilita uma ação mais coordenada e uma gerência com maior racionalidade empresarial.

b. instituição religiosa distribuidora de bens [e serviços] para a massa

Pobres de baixa escolaridade, vivendo o risco do rebaixamento à marginalidade e à delinqüência, e as baixas classes médias, com seus propósitos de ascensão social ameaçados e assombradas pelo fantasma da pauperização – que em geral compartilham as mesmas periferias e subúrbios de nossas médias e grandes cidades com os pobres – constituem os mais importantes “estratos condutores” dispostos a consumir os “serviços de cura” da Igreja Universal (MARIANO, 2004: 122-128).

c. [reversão da moral do sacrifício?]

“IURD e o neopentecostalismo, advoga que o cristão, além de liberto do pecado original pelo sacrifício expiatório de Cristo, tem o direito, já nesta vida e nesse mundo, à saúde física perfeita, à prosperidade material e a uma vida abundante, livre do sofrimento e das artimanhas do diabo.”

d. [é curiosamente uma religião exportada pelo Brasil, como as novelas[2]]

a “máquina narrativa” neopentecostal

Record passou a transmitir sua programação para África do Sul, Angola e Moçambique, onde é proprietária da emissora Record Miramar, e a partir de 2001 fez chegar o seu sinal também nos Estados Unidos.

o papel da televisão é muito mais o de reforçar disposições e tendências já constituídas do que o de criá-las

e. disposição de romper a empatia com o outro, ou seja, a disposição afetiva de “ver o mundo com os olhos do outro” (JOAS, 2004: 397)

     um “ego forte e bem definido” é solapada por uma identidade sem fronteiras      avaliativas e sem concepções do “dever ser”

Hipóteses sobre o sucesso

a. preencher carências de natureza religiosa, salvação e temor à finitude

c. derrotar concorrentes:

“o avanço das religiões neopentecostais sobre as religiões afro-brasileiras [ou religiões étnicas] se deve ao fato das primeiras terem um modelo de promessa religiosa assentado num discurso universal de salvação individual.” Flávio Pierrucci

“a ação da IURD e de outras instituições neopentecostais que seguem seu estilo, arruinou também com a atividade dos pequenos e médios especialistas religiosos que ofertam bens mágico-religiosos”

a Assembléia de Deus, copiam da Universal não apenas os “serviços de cura mágica”, mas também a forma empresarial e centralizada de gerir seus negócios. (ALMEIDA, 2004)

d. satisfação das carências “deste mundo” que dizem respeito ao alcance da dignidade através da obtenção de poder de consumo no mercado capitalista (ou da ilusão desta participação)

e. oferecendo linguagem religiosa que é a principal característica de nosso desenvolvimento religioso, ou seja, a magia

***
[1] https://anpocs.com/index.php/papers-31-encontro/st-7/st13-5/2880-arenari-torres-a-magia/file
[2]Igreja Universal possuía no Brasil 62 emissoras de rádio, e sua Rede Record 16 reúne 63 emissoras de televisão, formando a terceira rede em números de retransmissoras e em audiência. Inicialmente, a Universal adquiriu duas emissoras – uma em São Paulo (TV Taiti) e outra na Bahia (TV Cabrália) -, formando a Rede Família. Ela está presente em 85% das capitais brasileiras e em cerca de trezentos municípios, sendo também distribuída por intermédio das operadoras de TV a cabo. (FONSECA, 2003: 259)

Conteúdo Relacionado