Editorial

'Auschwitz tropical': símbolo do apoio privado à repressão

02/05/2012 16:18

Em troca de créditos e facilidades junto à ditadura, uma usina de açúcar do Rio de Janeiro teria cedido seu forno para incinerar cadáveres de presos políticos mortos nas mãos do aparato repressivo. O acordo que teria sido feito no final de 1973, se comprovado, pode se tornar o símbolo mais abjeto de uma faceta sempre omitida nas investigações sobre a ditadura: a colaboração funcional, direta, não apenas cumplicidade ideológica e política, entre corporações privadas, empresários e a repressão policial, que envolveu inclusive empresas de comunicação. Um caso conhecido é o do jornal 'Folha da Tarde', da familia Frias, que teria cedido viaturas ao aparato repressivo para camuflar operações policiais. Entre as vítimas do suposto 'Auschwitz tropical' agora revelado estaria Ana Rosa Kucinski, irmã do jornalista e escritor Bernardo Kucinski, desaparecida em 1974. A informação, divulgada pelo site iG, consta do livro de um dos protagonistas da barbárie, o delegado do DOPS, Claudio Guerra, que mediou os serviços da usina e acaba de publicar um relato desse e de outros crimes.

Em 'Memórias de uma guerra suja', um depoimento a Rogério Medeiros e Marcelo Netto, Guerra afirma que pelo menos uma dezena de presos políticos brasileiros foram reduzidos a cinzas no imenso forno da Usina Cambahyba, localizada no município fluminense de Campos. Seu proprietário, um anti-comunista radical, Heli Ribeiro, era amigo pessoal de Guerra.

As vítimas do 'crematório Cambahyba', segundo o livro, seriam: João Batista e Joaquim Pires Cerveira, presos na Argentina pela equipe do delegado Fleury;-- Ana Rosa Kucinsk e seu marido, Wilson Silva, "a mulher apresentava marcas de mordidas pelo corpo, talvez por ter sido violentada sexualmente, e o jovem não tinha as unhas da mão direita"; - David Capistrano ("lhe haviam arrancado a mão direita") , João Massena Mello, José Roman e Luiz Ignácio Maranhão Filho, dirigentes históricos do PCB; - Fernando Augusto Santa Cruz Oliveira e Eduardo Collier Filho, militantes da Ação Popular Marxista Leninista (APML).

Informado hoje sobre a nova versão para o desaparecimento da irmã, Bernardo Kucinski não descarta a hipótese: "Nunca tinha ouvido isso antes, mas é verossímel: os precursores desse método foram os nazistas', diz o jornalista, autor de um romance que leva o leitor a percorrer o outro lado igualmente cruel da tragédia: a labiríntica procura de um pai pela filha tragada no sorvedouro do aparato repressivo. "K", publicado no ano passado pela Editora Expressão Popular, está na segunda edição com lançamentos previstos na Inglaterra e Espanha. Leia as resenhas de Flávio Aguiar, Marco Weissheimer e Eric Nepomuceno, publicadas em Carta Maior.

Bernardo recebeu a notícia sobre a versão de Guerra quando se preparava para prestar um depoimento à Promotoria Pública sobre o desaparecimento da irmã; uma rotina de dor e busca pela verdade que se arrasta por quase quatro décadas.