O jornalismo de esquerda precisa de você. Venha ser parceiro Carta Maior. Doe agora!
Seja Parceiro Carta Maior
22/06/2012 - Copyleft

Golpe branco no Paraguai?

por Emir Sader em 22/06/2012 às 08:28



Emir Sader

Fernando Lugo esteve praticamente durante todo seu mandato sob ameaça de impeachment da oposição. Era um reflexo da fragilidade de apoio ao governo no Congresso.

Essa fragilidade nasceu já na campanha eleitoral, quando Lugo aparecia como o único líder capaz de derrotar a ditadura de mais de 30 anos do Partido Colorado, mas os movimentos sociais não acreditavam nessa possibilidade e se mantiveram distanciados da campanha quase até o seu final.

Lugo buscou o apoio do principal partido opositor, o Partido Liberal, moderado, mas sem unificar todas as forças anti-coloradas, seria impossível terminar com a ditadura. Os movimentos sociais, por seu lado, não gostavam dessa aliança, sem oferecer alternativa a Lugo.

Quando finalmente os movimentos sociais – ou grande parte deles – se decidira a participar do processo eleitoral, haviam chegado tarde, com pouco tempo para campanha, além de que foram às eleições divididos e só conseguiram eleger dois parlamentares. Lugo começou o governo sem base parlamentar própria, dependente do Partido Liberal e com um vice, deste partido, que rapidamente foi passando a se opor a seu governo, embora, naquele momento, a maioria do Partido Liberal o apoiasse.

Essas travas políticas dificultaram muito o governo de Lugo, que só mais recentemente assumiu uma postura mais decidida, buscando avançar na reforma agrária e em outras medidas, às quais se opuseram todos os partidos tradicionais.

Foram se seguindo enfrentamentos grandes, especialmente no campo, com a resistência dos grandes proprietários de terras, quase todos ligados à produção de soja com transgênicos para exportação, diante das reivindicações dos movimentos camponeses. O sangrento episódio desta semana foi mais um, o mais selvagem, com 11 camponeses e 5 policiais mortos.

Foi a gota d’agua que a oposição esperava para tentar derrubar Lugo, ante mesmo do final do seu mandato, no primeiro semestre do ano próximo. O Partido Liberal decidiu a saída dos membros do partido do governo, praticamente esvaziando-o e somando-se à tentativa de impeachment, que pretende uma via rápida, um golpe branco para derrubar o primeiro presidente popular em tantas décadas da sofrida historia paraguaia.

Mesmo acusando Lugo pelos sangrentos enfrentamentos e criticando a substituição dos ministros diretamente responsáveis por eles por outros ainda piores, os movimentos populares – a grande maior camponeses – se deram conta de como a situação é usada pela direita para tentar terminar com o governo Lugo, circunstância em que eles seriam as principais vitimas e se mobilizam para tentar impedir o impeachment.

Esse é o cenário hoje em Assunçao: o Congresso tentando uma derrubada rápida de Lugo, que apresentou sua defesa. Movimentos populares concentrados na praça central da cidade, em frente ao Congresso. Chanceleres dos países da Unasul presentes no país, ameaçando o isolamento de um eventual novo governo, caso se configure um golpe branco contra Lugo. As próximas horas serão decisivas no futuro do país.

Da mesma forma que Hugo Chavez, Lula, Evo Morales, Rafael Correa, Cristina Kirchner, Lugo pode se valer dos ataques golpistas da oposição para virar o jogo a seu favor. Ou ser derrubado pela direita, que colocará um governo provisório até as eleições do ano que vem, que ganhará contornos de enfrentamentos abertos entre as forças de Lugo e a oposição. Espera-se que desta vez aquelas marchem unidas desde o começo e possam destravar os empecilhos que bloqueiam o governo de Lugo e ameaçam derrubá-lo.

Tags: Internacional




23 Comentários Insira o seu Coméntario !

Ricardo Meier - 26/06/2012
Aonde estão agora, aqueles que acreditam no espontaneísmo das massas, nos movimentos sociais, que desprezam os partidos, a ação centralizada...Aonde estão os esquerdistas que defendem o isolamento e vivem disputando espaços pequenos no movimento social ao invés de fortalece-los..Diga Lênin !

PS: sinceramente professor, acho que a unidade e a ação do movimento social aqui e lá, carecem de lideranças políticas consistentes !


nandobrown - 25/06/2012
Não lembro de nenhum pronunciamento de Lula à respeito. Penso que sua posição no epsódio conta muito. Lula é um excelente negociador e penso que, neste caso, figuras politicamente influentes devem colocar-se politicamente e, ao mesmo tempo, agirem com os recursos que dispuserem no momento e procurando chamar a sociedade para nossa responsabilidade e ajucar-nos a entender as nuanças e sofisticação do golpe.


Henri - 23/06/2012
A diplomacia brasileira no Paraguai falhou? Foi por causa de alguma greve? Por que tudo pareceu uma surpresa? Por que a embaixada não alertou o Brasil? Porque estavam esperando a Rio + 20? Essas críticas construtivas devem ser respondidas, para evitar repetição.


Bel - 23/06/2012
O Paraguai é mais um tentáculo do imperialismo a ser expandido no continenete sul americano com os olhos voltados para ao Brasil. Fica provado que o que motivou o golpe de 64, não foi a ameaça do comunismo soviético, cubano ou chines como pensávamos e até ingenuamente temíamos. Foi na realidade o temor do comunismo americano de que o Brasil se trasnformasse na potência de mercado que está se transformando e ferisse os interesses do governo americanos no cone sul, como o foi com a falecida ALCA.


ze - 23/06/2012
chegou a hora de declarar o guarani a língua oficial do Mercosal, o guarani a língua da terra, literalmente, dos acidentes geográficos : consciência pele vermelha. os brancos não passarão. o bispo com muitos filhos tb não ajudou : um para cada ano de mandato.


Evandro Pereira - 23/06/2012
Companheiros,



Talvez esta tragédia contra a frágil democracia paraguaia resulte ao menos algo de bom, será a oportunidade que agora a Venezuela terá de finalmente entrar no Mercosul, haja vista que o empecilho que faltava era a assertiva deste execrável parlamento paraguaio e que com certeza, se prevalecer a coerência dos países do Mercosul e Unasul, o Paraguai for expulso o empecilho se remove.



fatima Medeiros - 23/06/2012
Prescedente perigoso para America do Sul, se o Brasil apoiar Dilma estara tambem correndo risco, so nao fizeram o Impechment de Lula porque seria guerra civil, o mensalao foi para isto. Golpe sujo, golpe baixo dos plantadores de soja transgenica do Brasi e a eterna direita golpista.


Ariovaldo - 23/06/2012
Há um claro movimento sincronizado de desestabilização nos países alinhados com o movimento bolivarista no Cone Sul, e coincidente com o aquecimento da campanha a reeleição de Obama nos EUA. Outro fator inquietante já analisado pelos estudiosos James Petras e Noam Comski, estaria relacionada na mudança de focões do Pentágono, de olho nos governos populares e nacionalistas da America Latinaos. Com a redução dos gastos militares que obriga seus jagunços da OTAN a buscar emprego noutra frequezia, a estratégia de controloar o fluxo de gas e petróleo pela Rota da Seda em direção a China, fica para depois. O negócio deles é cuidar do que entendem por ´seu quintal`, antes que a China e a Rússia movimentem as peças do jogo de xadres, e também resolvam explorar o negócio voltado para energia renovável, limpa, barata e abundante dos trópicos.A questão do Paraguai ficou muito bem exposta, sem merecer retoque:um povo que busca salvação no messianismo religioso ou militar, não tem futuro em qualquer lugar...


Paulo Ribeiro - 23/06/2012
A presidenta Dilma precisa ter pulso neste momento e fechar a Ponte da Amizade, em nome da Democracia na América do Sul. Tanto Dilma como Cristina deveriam chamar seus embaixadores de volta e formular um plano conjunto contra este governo golpista, exigindo o imedito retorno do presidente Lugo. Caso os golpistas resistam e não acatem as determinações brasileiras, só vejo uma solução - Guerra!


Alexandre - 23/06/2012
Vejo o lado positivo deste golpe. O Paraguai (por conta do seu congresso) era o unico empecilho para a entrada da Venezuela no Mercosul. Com a sua saída, isso pode se concretizar. O outro aspecto que pode ser positivo é a revisão do comportamento do Brasil com relação à Ponte da Amizade, pois uma boa parte da elite que derrubou Lugo se locupleta com o dinheiro do contrabando que ocorre em Foz do Iguaçu. Com um rigor maior, isso enfraqueceria a elite do Paraguai enormemente, bem como atingiria uma parcela significativa da criminalidade no Brasil.


Jorge Santos - 23/06/2012
Um posicionamento radical por parte dos governos democráticos (entre eles os da Unasul) contra esse golpe não poderá levar o Paraguai, nesta atual situação, para o lado ianque?????



Jorge Santos

Recife/PE


Carlos Henrique Simões da Costa - 23/06/2012
A sitaução no Paraguai é preocupante. Há uma clara reação conservadora em toda a América Latibna, resultado do conluio entre as diretitas locais e os EUA, e que materializa-se através da nova forma de golpe, o golpe branco travestido de uma pseudolegalidade "poolítico-jurídica". Há ações golpistas em curso em outros países do continente e que se exarcebarão se o golpe paraguaio não for derrotado pela UNASUl, que deve reagir com rigor contra os golpistas, não reconhecendo o governo ditatorial, impondo ao país uma séria de penas dentro da organização e estabelecendo sanções comerciais sérias, que prejudiquem a oligarquia paraguaia e forcem a Corte Constitucional a anular io impeachement de Lugo. Se não derrotarmos esse golpe e o "plano maior" golpista dos EUA, do qual ele é só um capítulo, em breve veremos outras sabotagens ianques em curso em nosso continente.


Luiz - 23/06/2012
Parece que, depois da era das quarteladas, chegamos à era das parlamentadas: agora é fast-impeachment.


darcio - 22/06/2012
Essa é a hora do governo Dilma e do PT mostrarem disposição e decisão para enfrentar o imperialismo e seus agentes nacionais, tanto que o Sr. repete aqui nesse blog sobre o novo direcionamento da política externa brasileira, ênfase na direção sul-sul, a integração latino-americana...etc vamos ver agora se isso se concretiza para além do âmbito comercial, se o Brasil com o governo dilma vai tomar a posção que deve ser tomada nessa hora ou se vai vacilar


alice franca leite cafezeiro - 22/06/2012
À essa altura das coisas não se trata de GOLPE BRANCO mas de GOLPE PRETO,ESCURO E COVARDE DE SEMPRE:há que condenarmos nós todos:Chávez,Correa,Evo,Cristina ,Dilma e todos! Temos que ir protestar junto ao Consulado americano,não vamos nos omitir! Até a Igreja é retrógrada!O que fazer com gorilas desse tipo?Como alguém comentou aqui mesmo no Carta Maior:é só tirar a Embaixada dos Estados Unidos de lá!


maria meneses - 22/06/2012
Nós brasileiros , os que tivermos um pouquinho de conscientizão política e torcermos pelo povo brasileiro temos de torcer também pelos paraguaios vizinhos e irmãos.Infelizmente nessa hora não temos uma imprensa séria , que nos traga um pouco de notícias tranquilizadoras. Nem aqui nem lá. Aliás, é com a ajuda delas é que nos deparamos com esse fato absurdo e grotesco em nossa América, como todo cidadão conscientizado sabe.


José Ivanildo de oliveira - 22/06/2012
É o que dá fazer acordos espúrios com a extra-direita ou existe extrena direita liberal. hahaha. Acho sim que é um golpe, mas temos que aprender, eles a direita nuca foi confiável.


Antonio Leon Rosa - 22/06/2012
Um precedente gravíssimo essa deposição do Presidente Lugo. As orquestrações golpistas, urdidas pelas as elites, os agentes do imperialismo ianque, com o apoio da grande mídia, voltarão a assolar nosso continente. A menos que haja forte reação das massas, violenta se preciso for. Essas iniciativas antidemocráticas da DIREITA têm de receber um repúdio veemente, de modo a sustá-las no nascedouro. Agora não dá mais pra permanecer inerte, apenas lamentando o ocorrido. Os golpistas paraguaios vão ter de recuar de alguma forma, ou seus pares nos demais países sulamericanos se sentirão encorajados a armar golpes similares, com "roupagem constitucional", para inviabilizar os governos progressistas/nacionalistas/populares no poder. É hora de LUTAR!!!!


Luiz Carlos Fabbri - 22/06/2012
Caros,



Se não foi assim previsto, este processo de impeachment poderia ao final culminar numa badalada negociação (como parece querer o governo brasileiro), que acabe por amordaçar o povo paraguaio e exigir o abandono programático do mandato de Lugo, em particular a reforma agrária. Por isso, não basta proclamar um respeito vago à democracia, é preciso não se fazer de tolos e ver que o que está em jogo é o retorno do governo da velha oligarquia, aliada do agronegócio brasileiro, que aliás jamais deixou de reforçar o seu poder.



Vale também como ensinamento àqueles que defendem uma nova forma de fazer política, como uma boa parte dos movimentos sociais, para os quais valeria a pena parodiar a máxima do marqueteiro de Clinton: "É a luta de classes, estúpidos".


marcosomag - 22/06/2012
Creio que as tímidas advertências do chanceler Patriota não farão efeito no caso paraguaio. Também não creio que tenha colocado na mesa as mais duras conseqüências aos golpistas, caso prossigam em aventura. Evidentemente, o Departamento de Estado está por trás de mais um golpe na América Latina. Qualquer U$S 100 mil por cabeça compra aqueles deputados. Desde logo, creio que a posição geográfica do Paraguai em relação aos vizinhos, todos governados pela centro-esquerda, favorece a uma rápida asfixia dos golpistas. Brasil, Argentina e Bolívia devem fechar as fronteiras com o Paraguai, impedir todo e qualquer fluxo de mercadorias, revistar todo e qualquer vôo vindo dos EUA, Colômbia, Chile e Honduras com destino ao Paraguai que passe por seus espaços aéreos para evitar tráfico de mercadorias e armas. Depois que os golpistas forem derrotados, devem ser julgados sob a Lei e receber punição exemplar! A ABIN deve investigar a ação do agronegócio brasileiro na conspiração paraguaia pois o agronegócio no Paraguai é simples filial do brasileiro. Repito: as punições devem ser exemplares!


José Ivanildo de oliveira - 22/06/2012
A direita existe, e sempre vão dar golpe. Eles nao sabem o que é poder popular. Governo Pupular...


Raimundo W. S. Melo - 22/06/2012
Nunca imaginei que o golpe de estado "democrático" de Honduras pudesse replicar em um genérico no Paraguai. Quem será o novo gorillete?


orlando f filho - 22/06/2012
Os ditos "movimentos sociais" em sua cegueira habitual, não sabem distinguir o joio do trigo. Surge um cara disposto a derrotar a matilha colorada e o que acontece? Eles ficam céticos, desconfiados. Ora, que falta de informação!! Será que não foram conversar com Lugo para saber suas convicções políticas? Aqui no Brasil é a mesma coisa. Infelizmente esse quadro não vai mudar tão cedo.