Zizek contra Bill Gates

11/07/2006 16:30

Bil Gates é a melhor imagem do que ele chama de ¿capitalismo sem fricções¿ ou da sociedade pós-industrial, com o ¿fim do trabalho¿, etc., etc. Ele busca projetar a imagem de um ¿marginal subversivo¿, um antigo hacker que tomou o poder e se disfarçou de executivo respeitável para seguir fazendo a mesma coisa de sempre.

No entanto sua doutrina é uma versão pós-moderna da ¿mão invisível¿ de Adam Smith, em que o mercado e a ¿responsabilidade social¿ não se contradizem, podem ser conciliados para o interesse de todos. Nas palavras de Friedman, não é mais preciso hoje ser um canalha para fazer negócios: a colaboração com os assalariados, o diálogo com os consumidores e o respeito pelo meio ambiente são as chaves do sucesso.

Olivier Malnuit fez uma lista dos dez mandamentos dos libreais-comunistas na revista francesa Technikart, que consistem no seguinte:

1. Você concederá tudo (internet com acesso livre, fim dos direitos de autor); você só cobrará os serviços adicionais, o que basta para te tornar rico.

2. Você mudará o mundo, em lugar de se contentar em vender coisas.

3. Você será super simpático: você terá o sentido do compartilhamento e da responsabilidade social.

4. Você será criativo: privilegiará o design, as novas tecnologias, as ciências.

5. Você dirá tudo: não terá segredos, se sacrificarás ao culto da transparência e da livre circulação da informação; toda a humanidade deve colaborar e dialogar.

6. Você não trabalhará nunca: os empregos fixos de 9 a 17 horas não são para você, você se dedicará à comunicação smart, dinâmica, flexível.

7. Você voltará à escola: praticará a formação permanente.

8. Você será uma enzima: não contente de trabalhar para o mercado, você criará novas formas de colaboração social.

9. Você acabará pobre: você redistribuirá suas riquezas aos que têm necessidade, pois você não poderia jamais gastar.

10. Você será o Estado: as empresas devem trabalhar como parceiras do Estado.

Os liberais-comunistas são pragmáticos que detestam a ideologia. Não há mais classe operária explorada, há apenas problemas concretos a resolver: a fome na África, o destinos das mulheres muçulmanas, a violência fundamentalista. O que mais adoram os liberais-comunistas são as ¿crises humanitárias¿, em que eles podem dar o melhor de si mesmos. Ao invés de diagnosticar a exploração colonial e imperialista nas crises da África, busca-se a melhor maneira de resolver concretamente cada problema: colocar os indivíduos, os governos e as empresas a serviço do interesse geral, fazer com que as coisas aconteçam ao invés de ficar esperando tudo dos Estados, abordar a crise de uma forma criativa e original.

Eles se consideram os verdadeiros ¿cidadãos do mundo¿, que vivem o tempo todo preocupados com o destino do planeta. Se inquietam com o populismo, o fundamentalismo, o terrorismo. As raízes profundas dos problemas do mundo estão na pobreza e no desespero que produzem o terrorismo fundamentalista. Eles não estão a fim de ganhar dinheiro, mas de mudar o mundo ¿ e de passagem, se enriquecer ainda mais. Bill Gates transformou-se ¿ ou foi transformado ¿ no maior benfeitor a história da humanidade. Ele demonstra todos os dias seu amor pelo próximo consagrando centenas de milhões de dólares à educação, à luta contra a fome e a pobreza.

Mas, para distribuir riquezas, é preciso ganhá-las ¿ ou, como diriam os liberais-comunistas: tê-las criado. Essa é a questão de fundo. Para conseguir esses fundos, a empresa privada é de longe a forma mais eficiente diante dos métodos ineficientes dos Estados centralizados e coletivistas. Taxando as empresas, regulando suas atividades, o Estado se choca com sua própria razão de ser: tornar a vida melhor para o maior número de pessoas, ajudar os que necessitam. Isso daria sentido à sua vida, eles não querem ser máquinas de produzir lucros. Por isso também eles são adeptos da espiritualidade, da meditação não-confessional. Eles fazem da responsabilidade social e da gratidão seu credo: são os primeiros a reconhecer que a sociedade os favoreceu incrivelmente, o que lhes permitiu juntar grandes fortunas, daí sua obrigação de promover um retorno para a sociedade, ajudando as pessoas a terem oportunidades de seguir um caminho similar. Eles dão com uma mão o que ganharam com a outra. Soros, por exemplo, usa a metade do seu tempo em especular, a outra em atividades ¿humanitárias¿, que buscam compensar, em parte, os efeitos negativos da sua especulação. Bill Gates também tem duas caras: de um lado, um homem impiedoso, que esmaga ou compra seus concorrentes para criar um quase-monopólio. Por outro, o grande filantropo, que recorda: ¿De que adiante ter computadores, se as pessoas não têm o que comer?¿

Na oposição entre essas duas caras ¿ smart e non smart -, a idéia mestra é a de deslocalizar, exportando a face escondida (e indispensável) da produção para os paises da periferia ¿ non smart -, com a super-exploração e a degradação do meio ambiente.

Assim Zizek se opõe a Bill Bates e os seus ¿liberais-comunistas¿.

(O artigo original foi publicado pela London Review of Books.)


Conteúdo Relacionado