Cidades

Com almoço desmentido e cobiça pelo Planalto, Doria se revela cada vez mais político puro-sangue

Em mais uma viagem, dessa vez à França, o (ainda) tucano se derramou em elogios ao presidente Emmanuel Macron

08/09/2017 17:51

Jorge Araújo/Folhapress

 
Faltou um tiquinho para o pós-prefeito de São Paulo, João Doria, lançar-se pré-candidato ao Planalto. Em mais uma viagem, dessa vez à França, o (ainda) tucano se derramou em elogios ao presidente Emmanuel Macron. “Ele fez uma revolução nas eleições presidenciais da França”, afirmou Doria. “Rompeu com as tradições e onde haviam (sic) apenas dois partidos, um de esquerda e um de direita, ele veio pelo meio, acelerou e ganhou as eleições”.
 
Doria, como Macron, quer encarnar o novo, o apolítico. Suas novidades, contudo, não vão muito além das fantasias de gari.Qual um político tradicional em sua pior versão, tem mostrado desapego com a verdade. Anunciou, por exemplo, que teria um almoço com o primeiro-ministro francês, mas a equipe de Édouard Philippe disse que o encontro nunca foi marcado. Para a assessoria do tucano, foi apenas um desencontro.

 



Destino cabe a Deus
Também a exemplo dos engravatados de Brasília, Doria se mostra disposto a traições para chegar aonde quer. Perguntado sobre uma possível saída do PSDB, disse que pretende ficar até que alguma “circunstância” o impeça. “Cabe a Deus indicar, iluminar e definir qual é o destino”, disse.
 
Certo. Enquanto isso, São Paulo também segue à mercê da graça divina. Segundo levantamento do UOL, até o início de agosto o tucano era o prefeito com menos projetos enviados à Câmara em 32 anos. O segundo pior nessa avaliação, José Serra, também tinha a cabeça em outro cargo à época. Na metade do mandato, deixaria a Prefeitura para se eleger ao Estado.



Créditos da foto: Jorge Araújo/Folhapress