O jornalismo de esquerda precisa de você. Venha ser parceiro Carta Maior. Doe agora!
Seja Parceiro Carta Maior

Acordo de Paris: Terra tem apenas 5% de chance de ficar dentro do limite de dois graus de aumento de temperatura

Acordo de Paris: O último trem para evitar o aquecimento climático já partiu. Mesmo que quiséssemos, não conseguiríamos respeitar o limite de dois graus

03/08/2017 12:33

Reprodução

Um grupo de economistas, estatísticos e especialistas em atmosfera da Universidade de Washington começou a fazer os cálculos e publicou na Nature Climate Change as suas previsões para o ano de 2100. Mais do que dois graus: as chances de que o aumento de temperatura do planeta fique dentro desse limite são de 5%.
 
O objetivo da Conferência de Paris de 2015 de não superar um grau e meio tem uma probabilidade de ser irrisório: apenas 1%. A hipótese mais realista, de acordo com os cálculos dos pesquisadores, é de que o aumento se confirme em torno dos 3,2 graus.
 
Os esforços para aumentar as fontes renováveis estão dando efeitos, mas ainda não são suficientes. Daqui a 2100, a intensidade de dióxido de carbono (as emissões necessárias para obter um ponto de produto interno bruto) continuará caindo (em torno dos anos 2000, começou a cair na maioria dos países do mundo), mas não o suficiente. O PIBglobal subirá, de acordo com as estimativas, 1,8% ao ano, a intensidade de dióxido de carbono cairá presumivelmente 1,9%. Enquanto esses dois efeitos tenderão a se anular mutuamente, as Nações Unidas estimam que os habitantes do planeta chegarão a 11,2 bilhões em 2100.
 
Os dois graus são a melhor das hipóteses”, comenta Adrian Raftery, coordenador do estudo. “Para ficar dentro do objetivo, deveremos concentrar os nossos esforços em todas as frentes pelos próximos 80 anos.”
 
As emissões anuais de gases de efeito estufa, que atualmente são de 54 bilhões de toneladas de acordo com o UN Environment Programme, deveriam ser cortadas para 42 bilhões até 2030.
 
“Os objetivos de Paris – acrescenta o professor de estatística e sociologia da Universidade de Washington – são ambiciosos, mas realistas. O problema é que não serão suficientes para manter o aquecimento em até um grau e meio.”
 
Ainda no mesmo número, a Nature Climate Change publica um estudo que vem da Universidade do Colorado e tenta imaginar como a Terra reagiria diante de um cenário bastante improvável: a interrupção repentina, da noite para o dia, de emissões poluentes por parte do ser humano.
 
Em 2100, o aumento de temperatura registrado em comparação com a era pré-industrial seria igualmente de 1,3 graus. Culpa principalmente da inércia térmica dos oceanos e da longa permanência (séculos ou milênios) do dióxido de carbono na atmosfera. No ritmo da poluição atual, o ponteiro de um grau e meio será alcançado em 15 anos.
 
Para fechar o círculo, a revista divulga um terceiro estudo da Universidade da Carolina do Norte com o cálculo das consequências para a nossa saúde. Entre hoje e 2030, a poluição causada pelo aquecimento climática causará a morte prematura de 60 mil pessoas em todo o mundo (260 mil até 2100). Ao aquecimento, estão associados o aumento do gás ozônio no nível do solo e do particulado fino. As chuvas diminuirão, junto com o seu efeito de limpar da poluição o ar que respiramos.
 
Conselho Nacional de Pesquisa da Itália, enfim, foi olhar quais são as consequências das mudanças climáticas sobre o Mediterrâneo. Na revista Scientific Reports de junho, um estudo do ISMAR, o Instituto de Ciências Marinhas do Conselho Nacional de Pesquisa da Itália, em conjunto com a Universidade de Southampton e o Instituto de Ciência e Tecnologia do Mar de Túnis, havia revelado que o Mare Nostrum está se tornando cada vez mais quente e salgado. De 2005 até hoje, esse processo começou a galopar, e, hoje, a sua rapidez é duas vezes e meia maior do que na segunda metade do século XX.
 
“No Mediterrâneo – explica Katrin Schroeder, pesquisadora do ISMAR e uma das autoras do estudo – a evaporação supera as precipitações e o aporte dos rios. Na parte oriental, seca e temperaturas atingiram níveis recordes em comparação com os últimos 500 anos.”
 
 * A reportagem é de Elena Dusi, publicada por La Repubblica, 31-07-2017. A tradução é de Moisés Sbardelotto.



Créditos da foto: Reprodução