Pelo Mundo

A América Latina vai mudar

Boletim Semanal de Notícias da Carta Maior - de 18 a 24 de outubro de 2021

24/10/2021 11:03

(Arte/Carta Maior)

Créditos da foto: (Arte/Carta Maior)

 

 

O CHILE DESPERTOU

Multidão comemora os dois anos de levante social e exige “Fora Piñera”

Dezenas de milhares de chilenos voltaram às ruas na segunda-feira (18) para relembrar os dois anos do levante social de uma jornada histórica, comemoração que coincidiu com o início da redação da nova Constituição, grande fruto das mobilizações, e exigir a destituição do presidente Sebastián Piñera, que teve parte de seus crimes flagrados pela operação Pandora Papers.

Informações compiladas e divulgadas pelo Consórcio Internacional de Jornalistas Investigativos (ICIJ), a Pandora Papers envolve cerca de 600 jornalistas de dezenas de meios de comunicação e está fundamentadas em cerca de 11,9 milhões de documentos de 14 empresas de serviços financeiros em todo o mundo.

Desde as seis da tarde, a Praça Dignidade, no centro de Santiago, voltou a ficar repleta de manifestantes para frisar que “o Chile despertou” e que “Piñera está com as suas mãos repletas de sangue de inocentes”. O mesmo sentimento contra o retrocesso, pelo desenvolvimento e pela libertação dos manifestantes que estão ilegalmente detidos há meses se espraiou por mais de 50 cidades de todas as regiões. Contrastando com o clima festivo da multidão, um destacamento de cinco mil carabineiros (a polícia militar) provocava e prendia.

Ao final do ato alguns delinquentes e milicianos infiltrados tentaram desviar a atenção do protesto, provocando distúrbios. A conduta foi prontamente rechaçada pelo oposicionista Gabriel Boric, do Aprovo a Dignidade/Frente Ampla, que reiterou a necessidade do entendimento.

“A violência e a destruição do patrimônio comum não é nem nunca será o nosso caminho, e só serve aos que querem que tudo siga igual. É em unidade e nos respeitando que poderemos construir um Chile digno e justo para todos e todas”, reiterou.

As agressões dos carabineiros deixaram um saldo trágico de dois mortos, 56 feridos e 450 detidos

Mesmo na pesquisa do grupo de mídia El Mercurio, da oligarquia, e do Tu Influyes, Boric lidera com folga a intenção de voto à presidência, somando de 22% a 25%. Atrás dele vem o advogado de extrema-direita José Antonio Kast (Partido Republicano), que tem entre 15% a 16%, e Yasna Provoste (Novo Pacto Social) e Sebastián Sichel (Chile Podemos Mais) com 11%. | bit.ly/3pwqSuV



ESCRITOR CHILENO PROPÕE AVANÇOS

Patrício Rivas defende candidatura de Gabriel Boric “numa frente muito ampla pela democracia”

“Gabriel Boric tem clara a necessidade de um grande bloco social e político pelas mudanças, profundamente democrático, capaz de compreender os desafios da ciência, da cultura, da educação e da integração latino-americana”, afirmou o escritor e ensaísta Patrício Rivas. Autor do livro Chile, um longo setembro, o histórico dirigente do Movimento de Esquerda Revolucionária (MIR), que combateu heroicamente a ditadura de Augusto Pinochet (1973-1990), defende a coalizão contra o retrocesso.

Para o escritor, Gabriel Boric rompe com a lógica “herdeira do pinochetismo”. Rivas ressaltou que “as pessoas estão fartas do neoliberalismo” e de todo o mal causado. “O Estado deve passar a cumprir um papel central como motor do desenvolvimento”, defendeu, frisando que “isso se dará, fundamentalmente, com uma política de tributação das grandes empresas nacionais e estrangeiras e a efetiva nacionalização de setores estratégicos como o lítio e o cobre”. | bit.ly/3vDrrEm



ARGENTINOS FESTEJAM “DIA DA LEALDADE”

Multidão comemora os 76 anos do peronismo e defende suspensão dos pagamentos ao FMI

Uma multidão se concentrou no centro de Buenos Aires para comemorar os 76 anos do nascimento do peronismo – o movimento político mais importante do país – e demandar do atual governo a suspensão do pagamento da dívida externa diante do desafio de retomada da economia da Argentina e da erradicação da pobreza.

O ato, no denominado Dia da Lealdade, aconteceu no domingo (17) na Plaza de Mayo. No dia 17 de outubro de 1945 uma enorme mobilização popular ocupou as ruas da capital argentina com trabalhadores de todas as categorias vindos do país inteiro para exigir a libertação de Juan Domingo Perón. Na época, Perón estava afastado do seu cargo de Secretário de Trabalho, preso por forças da ditadura instaurada por um golpe no início daquele mês com o apoio da oligarquia e dos Estados Unidos.

A data ficou marcada na memória e na luta do movimento operário e sindical argentino em defesa da soberania nacional e por um governo popular.

Em meio a uma situação difícil enfrentada pelo atual governo de Alberto Fernández e após o revés sofrido pelas forças peronistas, em setembro, nas recentes prévias pré-eleitorais PASO (Aberta, Simultânea e Primária Obrigatória), a manifestação teve o sentido de apoiar o governo e de celebração da memória de dois dos principais líderes da história recente, o general Juan Domingo Perón e sua esposa Eva Duarte, assim como o de expressar as reivindicações dos sindicatos e das organizações sociais. | bit.ly/3vDrvUC



EUA CONTRA LATINO-AMERICANOS

Denúncias de maus tratos e abusos sexuais por agentes da imigração estadunidense

Um novo relatório condenatório revela a dimensão da crise humanitária que se desenrola na fronteira dos Estados Unidos com o México. A Human Rights Watch divulgou mais de 160 informes, comoventes e impactantes, sobre todo tipo de abusos que os imigrantes solicitantes de asilo sofreram nas mãos de agentes de imigração nos últimos cinco anos.

Preparados por funcionários encarregados de asilo do Escritório de Serviços de Cidadania e Imigração dos EUA, esses informes internos foram obtidos por meio de uma solicitação de acesso a registros públicos. Nestes documentos, estão compilados testemunhos detalhando comportamentos brutais de agentes da Alfândega e Proteção de Fronteiras, Patrulha de Fronteira e Imigração e Fiscalização Alfandegária.

A denúncia foi divulgada acompanhada de um vídeo publicado pela Human Rights Watch, que advertiu para as "agressões, abusos sexuais e tratamento discriminatório". Entre as diferentes ameaças aos requerentes de asilo estavam a ameaça de estupro e a de roubar crianças, e a de chutá-los e chamá-los de “filhos da puta”, “parasitas” e “lixo”. "Disseram que, como meu filho era cidadão americano, eles o levariam embora", denunciou um dos solicitantes. | bit.ly/3pBfa26



ASSASSINATOS NA COLÔMBIA

Quatro jovens são mortos no 77º massacre do ano no país

Quatro jovens colombianos foram assassinados no município de San Rafael, no departamento de Antioquia, na noite de terça-feira (19). O massacre é o 77º registrado no país sul-americano neste ano, nefasta cifra reconhecida até pelo presidente Iván Duque.

O líder social Yesid Zapata denunciou que, na oportunidade, os jovens participavam de uma atividade cultural, cantando nas ruas, e que as razões para o atentado ainda não foram esclarecidas.

“Geralmente, este tipo de massacre nessas áreas tem a ver com o conflito e disputa por áreas de tráfico”, informou Zapata às rádios locais. | bit.ly/3CaaUtP



CARTA DA GUATEMALA

25 anos depois da guerra civil, militares assaltam o Congresso exigindo indenização

Um dia depois de o Congresso guatemalteco eleger a nova diretoria que tomará posse em janeiro de 2022, um grupo de militares aposentados invadiu a sede parlamentar e incendiou vários veículos, exigindo a aprovação de uma lei que os indenize pelos serviços prestados durante o conflito armado interno (1960-1996).

Diante da baderna, esses veteranos - vários dos quais eram membros de esquadrões da morte - foram expulsos do complexo legislativo por grupos antimotins.

Oficialmente, a guerra civil na Guatemala promovida pelos Estados Unidos deixou cerca de 200 mil mortos e 45 mil desaparecidos, a grande maioria indígenas maias. | bit.ly/3juXWzA



ESTADO DE EXCEÇÃO NO EQUADOR

Flagrado pelos Pandora Papers, presidente Lasso tenta censurar protestos

Sindicalistas e indígenas rejeitaram na terça-feira (19) o estado de exceção imposto pelo presidente do Equador, Guillermo Lasso, decretado em meio a mobilizações sociais contra a política econômica do governo, ao aumento sistemático do preço dos combustíveis e à investigação do presidente por seus vínculos com empresas em paraísos fiscais flagradas pelos Pandora Papers.

Para driblar a ameaça de impeachment e incapaz de impor seu desastroso programa neoliberal ao parlamento - controlado pela oposição -, o presidente e banqueiro Guillermo Lasso decretou estado de exceção no Equador por 60 dias, sob o pretexto de combate ao narcotráfico, no esforço para virar a mesa.

No mesmo dia em que Lasso apertou o torniquete e a censura contra a população, uma comissão parlamentar começou a colher os testemunhos de mais de 40 pessoas que serão convocadas a depor, incluindo o próprio presidente, a sua esposa e o seu filho. O processo deve estar concluído em 6 de novembro, e pode indicar o impeachment. | bit.ly/2ZhY3YD



CUBA CONTRA A COVID-19

Mais de um milhão de crianças vacinadas com duas doses da Soberana 02

Como parte da campanha de vacinação massiva contra a Covid-19, mais de um milhão de crianças e adolescentes cubanos entre dois e 18 anos receberam desde setembro as duas doses de Soberana 02, com altos níveis de segurança demonstrados.

A campanha de imunização de crianças e adolescentes iniciou assim que o Centro para o Controle Estatal de Medicamentos, Equipamentos e Dispositivos Médicos aprovou o uso de emergência da vacina neste grupo etário.

Além das duas doses de Soberana 02, o processo inclui uma terceira vacina de Soberana Plus, que deve terminar em novembro. | bit.ly/3puWGAf



VENEZUELA ALERTA

Presença de secretário de Estado dos EUA na Colômbia é para “planificar agressões”, denuncia Delcy Rodriguez

A vice-presidente da Venezuela, Delcy Rodríguez, condenou, na quinta-feira (21), como “lamentável a presença do secretário de Estado dos EUA, Antony Blinken, em território colombiano”. “É claro que está planificando agressões contra o nosso país”, acrescentou.

O fato, denunciou, é que, sob a gestão de Duque, a Colômbia passou a plantar 245.000 hectares de coca para a produção de cocaína, “o que representa um aumento de mais de mil toneladas”.

“O paramilitarismo domina quase 75% do território colombiano. Blinken deve ser responsabilizado perante o povo americano pelos massacres contra os líderes sociais e pelos assassinatos de migrantes venezuelanos”, acrescentou a vice-presidente. | bit.ly/3nl7LRX



DIPLOMATA VENEZUELANO SEQUESTRADO

Detido ilegalmente, Alex Saab é extraditado para os EUA pelo governo de Cabo Verde

A arbitrária extradição para os Estados Unidos pelo governo de Cabo Verde do empresário e diplomata venezuelano Alex Saab, no sábado (16), é na realidade um sequestro, como acusou o presidente Nicolás Maduro.

Saab foi detido e preso ilegalmente em 12 de junho de 2020 enquanto o avião que o conduzia era reabastecido de gasolina em uma rota de Teerã a Caracas. Não existia ordem internacional de captura nesse momento. A ordem foi emitida pela Interpol no dia seguinte da detenção e retirada pouco depois.

De fato, o Tribunal de Justiça da Comunidade Económica dos Estados da África Ocidental, ao qual Cabo Verde reconhece jurisdição, decidiu em março de 2021 que a prisão do diplomata era ilegal porque “o alerta da Interpol solicitando a sua prisão foi emitido no dia seguinte à sua prisão” e em junho do mesmo ano, o Conselho de Direitos Humanos da ONU pediu-lhe que se abstivesse de extraditar Saab para os EUA enquanto seu caso fosse examinado.

Além disso, devido a um incidente, soube-se que o Grupo de Trabalho das Nações Unidas contra a Detenção Arbitrária e quatro relatores especiais da organização haviam alertado que “a situação criada pelas mais altas autoridades de Cabo Verde violaria gravemente, de forma ilimitada e prolongada, compromissos do país com os princípios mais elementares dos direitos humanos”. | bit.ly/3BlMVa9



MEDO EM HONDURAS

Jornalistas correm perigo na cobertura das eleições

Organizações internacionais de jornalistas denunciaram o regime de terror instaurado pelo presidente de Honduras, Juan Orlando Hernández (JOH), e fizeram um chamado para que a liberdade de imprensa na cobertura das eleições do próximo novembro seja respeitada.

Na noite de quinta-feira (21), o veículo em que se encontrava a jornalista Riccy Moreno, apresentadora da CampusTV e ex-candidata pelo Partido Liberdade e Refundação (LIBRE), foi alvejado, em San Pedro Sula, no norte do país.

Somente nos primeiros nove meses deste ano, as entidades já contabilizaram 39 ataques contra jornalistas e comunicadores sociais, em um cenário tão perigoso que fez com que a Repórteres Sem Fronteiras catalogasse o país como o terceiro mais perigoso para a imprensa da América Latina. Ao longo de sua administração, JOH já forçou mais de 50 comunicadores a se exilarem devido ao risco de vida.

Os profissionais de imprensa trabalham sem nenhum tipo de proteção à sua integridade física e têm sido vítimas constantes de tiros da polícia. | bit.ly/3b3CNYT



BOLÍVIA-PERU

Presidentes vão debater e construir agenda comum

Os presidentes da Bolívia e do Peru, Luis Arce e Pedro Castillo, confirmaram na quinta-feira (21) que o gabinete binacional será reinstalado na cidade de La Paz, nos próximos dias 29 e 30 (sexta e sábado), com uma agenda de quatro pontos comuns. O evento contará com a participação dos dois.

O ministro do Serviço Diplomático do Peru, Eduardo Zeballos, explicou que quatro eixos temáticos definidos no plano de ação serão tratados na reunião binacional: meio ambiente e recursos hídricos transfronteiriços; segurança e defesa; desenvolvimento econômico, políticas sociais e fortalecimento institucional; e infraestrutura para integração e desenvolvimento.

O vice-ministro de Relações Exteriores, Freddy Mamani, explicou que o encontro possibilitará a retomada dos acordos assumidos antes do golpe de 2019 na Bolívia. “Os compromissos que assumimos progrediram bastante. Avançamos pelo menos 30%, mas sobretudo devemos ter em conta a quebra da ordem constitucional somada à pandemia, que dificultou o cumprimento de tudo o que foi estabelecido”, acrescentou. | bit.ly/3Ga4YU6

DENUNCIA BOLIVIANA

Oposição planejou assassinar Luis Arce antes de assumir a presidência

O ministro de governo da Bolívia, Eduardo del Castillo, denunciou na segunda-feira (18/10) que nomes ligados à golpista Jeanine Áñez negociaram com paramilitares um plano para matar o então presidente eleito Luis Arce, em 2020, antes da sua posse.

Conforme Castillo, o plano foi elaborado por paramilitares colombianos que participaram do assassinato do presidente haitiano Jovenel Moise, em julho de 2021. Entre os milicianos, estaria German Alejandro Rivera García, ex-capitão do exército colombiano, detido em Porto Príncipe após assumir a participação na execução de Moise.

Outro elemento que teria viajado à Bolívia é Antonio Intriago, opositor venezuelano e dono da empresa de segurança privada que recrutou os elementos para os dois assassinatos.

As investigações apontam que os paramilitares viajaram da Colômbia e dos Estados Unidos para a Bolívia poucos dias antes das eleições presidenciais e se hospedaram em um hotel a poucos metros da Praça Murillo, onde foi realizada a cerimônia de posse de Arce. | bit.ly/3GgGSqT



CIDADE DO MÉXICO

Estátua de mulher indígena substituirá a de Colombo na praça principal

A prefeita da Cidade do México, Claudia Sheinbaum, afirmou na terça-feira (12) que o pedestal onde ficava a estátua de Cristóvão Colombo na principal praça da cidade será substituído pela imagem de uma mulher indígena da época anterior à chegada dos europeus.

A representação de Colombo era do início do século 20 e estava localizada no Paseo de la Reforma, uma das avenidas mais importantes da capital, que foi planejada e construída pelo Imperador Maximiliano de Habsburgo, no século 19.

As grandes marchas e manifestações na cidade sempre tiveram uma parada estratégica para desfigurar e atacar a estátua, principalmente quando se trata de mobilizações indígenas e camponesas.

Em agosto passado o presidente Andrés Manuel López Obrador fez questão de lembrar os 500 anos da queda de Tenochtitlán, a capital do império asteca nas mãos dos conquistadores espanhóis, onde hoje está a cidade do México. O governo organizou várias comemorações ao longo do ano para recordar a data, percorrendo o país para pedir perdão às comunidades indígenas pelas atrocidades coloniais e exigiu uma reparação semelhante ao governo espanhol. | nyti.ms/3m9O1RH



PANAMÁ NAS RUAS

Trabalhadores protestam contra tentativa de privatizar a Seguridade Social

Sob o lema de “Povo Unido”, várias organizações sindicais tomaram as ruas da Cidade do Panamá na quarta-feira (20) contra a tentativa do governo do presidente Laurentino Cortizo de privatizar o Fundo de Seguridade Social (CSS). As entidades também defendem a garantia dos direitos sociais e trabalhistas e a convocação de uma Assembleia Nacional Constituinte.

Nas palavras de ordem os manifestantes condenaram a falta de medicamentos e reivindicaram melhor atenção à saúde, denunciaram o alto custo de vida e defenderam o congelamento dos preços dos produtos de primeira necessidade; levantaram a voz pelo aumento do salário mínimo; rechaçaram a onda de demissões e os abusos dos bancos, das máfias portuárias, do monopólio energético e da mineração a céu aberto.

Lideranças do Sistema Único de Trabalhadores da Construção (Suntracs) e da Confederação Nacional de Unidade Sindical Independente (Conusi) acusaram o presidente de realizar um diálogo “dele com ele mesmo”. | bit.ly/3ma8zJX

Conteúdo Relacionado