Pelo Mundo

A América Latina vai mudar

Boletim Semanal de Notícias da Carta Maior - 8 a 14 de novembro de 2021

14/11/2021 10:32

(Arte/Carta Maior)

Créditos da foto: (Arte/Carta Maior)




CHILE EM DISPUTA

Câmara dos Deputados aprova impeachment contra Piñera

A Câmara dos Deputados do Chile aprovou, na madrugada de terça-feira (9), prosseguir com o processo de impeachment contra o presidente Sebastián Piñera. As acusações são de irregularidades e negociatas nos paraísos fiscais das Ilhas Virgens Britânicas de um projeto ilegal de mineração. A informação veio à tona com os Pandora Papers.

Após uma maratona de 24 horas - e em meio a uma campanha eleitoral suspensa por casos de Covid-19 entre os candidatos - os deputados decidiram por 78 votos a favor e 67 contra que a acusação constitucional passe ao Senado. A acusação será votada na Câmara Alta a poucos dias das eleições do próximo 21 de novembro.

Para ser possível a vitória, o deputado do Partido Socialista, de oposição, Jaime Naranjo, leu um discurso de 1.300 páginas que incluía a acusação contra Piñera, com o objetivo de atrasar a votação e permitir que os deputados Jorge Sabag e Giorgio Jackson, participassem da sessão. Os dois deputados cumpriam as últimas horas de seu isolamento obrigatório por conta do coronavírus.

A oposição apresentou a denúncia contra o presidente no dia 13 de outubro. O documento se baseia em dois capítulos acusatórios: o primeiro por violação do “princípio da probidade e do direito de viver em um ambiente livre de contaminação”, e o segundo por ter “comprometido gravemente a honra da nação”.

A acusação segue agora para o Senado, que tem 43 membros e onde é necessário maioria de dois terços para destituir o presidente. Caso isso aconteça, Piñera é impedido de exercer funções públicas por cinco anos. A situação do mandatário é também investigada pela justiça chilena. | bit.ly/3Fdjg50



SANGUE CHILENO

Carabineiros mataram dois membros da comunidade mapuche

A Alianza Territorial Mapuche do Chile informou que dois indígenas foram assassinados e pelo menos quatro ficaram feridos recentemente por carabineiros (a tropa de choque) na localidade de Huentelolén, em Bío Bío, território militarizado pelo estado de exceção determinado pelo presidente Sebastián Piñera.

Conforme a organização, as vítimas identificadas como Jordan Liempi Machacan e Iván Porma perderam a vida pelos tiros disparados por agentes policiais, apoiados por soldados da Marinha, enquanto se manifestavam contra a ocupação do território ancestral mapuche.

Diante dos acontecimentos, a Central Unitária de Trabalhadores (CUT) do Chile conclamou os parlamentares a rejeitarem a extensão do Estado de Exceção na macrozona sul, que protege o uso indiscriminado da força, “e que substituam essas medidas por um diálogo efetivo que contribua para resolver a dívida histórica do Estado chileno com seus povos nativos, no sentido do reconhecimento ativo da plurinacionalidade de nosso país”. | bit.ly/30u9Kf4



VERDADE ARGENTINA

Presidente afirma que já é hora de Macri deixar de mentir

O presidente da Argentina, Alberto Fernández, respondeu às declarações do ex-presidente Mauricio Macri (2015-2019) sobre assumir a dívida com o Fundo Monetário Internacional (FMI) e disse que "é hora de parar de mentir” sobre a dívida de US$ 44 bilhões assumida pelo governo passado.

Conforme Fernández, de forma absurda, US$ 21 bilhões foram para as mãos de credores privados que queriam tirar seus recursos do país, a que se seguiu “o mais magnífico vazamento de dinheiro que a Argentina tem lembrança".

“O endividamento de Macri significou para a Argentina uma educação pública pior, uma saúde pública pior e o abandono total da ciência e da tecnologia”, resumiu o chefe de Estado, que reiterou: “É hora de pedir a Macri que pare de mentir, pois já fez muito dano. "

“Que ele não siga roubando a esperança dos argentinos, ele já fez com que a economia acabasse destruída. E com suas atitudes e políticas ele só deixou a Argentina de joelhos, é hora de colocá-la de pé”, sublinhou Fernández, antes das eleições legislativas de domingo (14). | bit.ly/3qyDkem



REPRESSÃO NO MÉXICO

Guarda Nacional ataca marcha de migrantes na fronteira com os EUA

Elementos da Guarda Nacional Mexicana reprimiram com violência a manifestantes que saíram de toda a América Central – incluindo o Caribe – em direção aos Estados Unidos.

O sangrento confronto ocorreu quando os soldados mexicanos tentaram deter a passagem da caravana de mais de quatro mil migrantes – um terço deles crianças – pelo município de Tapachula, em Chiapas, na fronteira com a Guatemala.

O choque, que deixou dois policiais feridos, ocorreu quase uma semana depois de um outro enfrentamento ter provocado a morte de um dos migrantes da marcha. A Guarda Nacional admitiu ter disparado contra um veículo em que viajavam migrantes, causando vários lesionados e a perda de uma vida.

Nos últimos anos, o aumento da exploração estadunidense sobre a região tem ampliado o número de pessoas desesperadas pela fome, pela miséria e o desemprego, que buscam no outro lado da fronteira alguma perspectiva.

Várias organizações de direitos humanos do México exigiram a “cessação imediata da repressão” contra a caravana, bem como a “suspensão das políticas de contenção que violam suas garantias”. Conforme as entidades, pôde ser observado “o uso ilegítimo e excessivo da força” contra as pessoas que iniciaram sua caravana em 23 de outubro passado. | bit.ly/3Hln5au



URUGUAI FEMINISTA

Mulheres reivindicam o cumprimento da Lei da Revogação Voluntária da Gravidez

Diversos grupos feministas uruguaios se concentraram, quarta-feira (10), em frente à Torre Executiva, em Montevidéu, para entregar uma declaração de protesto ao presidente Luis Lacalle Pou, na qual pedem a renúncia do presidente da Administração Estatal de Serviços de Saúde (ASSE), Leonardo Cipriani.

Vestidos com roupas laranja, as manifestantes repudiaram as recentes declarações do presidente da ASSE, Leonardo Cipriani, de que os processos de aborto seriam revisados para evitar que as equipes de serviços médicos dessem luz verde às interrupções de forma “altamente automatizada”.

Além de Cipriani, elas censuraram o ex-legislador e líder do Partido Nacional, Carlos Iafigliola, que liderou a fracassada campanha para revogar a Lei da Revogação Voluntária da Gravidez e recentemente propôs "desestimular o aborto".

“Hoje a investida da direita conservadora novamente quer que esqueçamos os espaços conquistados e os sinais constantes, diretos e simbólicos, são mais uma prova de sua clara intenção de arrebatar as conquistas que custaram anos de resistência”, diz o comunicado em defesa dos direitos das mulheres. | bit.ly/3F8m7fG



SAÚDE NAS AMÉRICAS

OPAS alerta que doenças evitáveis podem retornar em surtos

A Organização Pan-Americana da Saúde (Opas) alertou, na quarta-feira (10), que doenças evitáveis por vacinas, como sarampo, gripe, coqueluche e tétano, devem aumentar, caso as imunizações caiam. A entidade também criticou o atraso nas imunizações contra a Covid-19.

De acordo com a diretora da Opas, Carissa Etienne, “a região está enfrentando uma crise iminente em torno da vacinação de rotina e uma atenção contínua deve ser dada como prioridade para sustentar e fortalecer a imunização e outros programas essenciais de saúde”.

“A menos que melhoremos nossos programas de imunização de rotina, a região corre alto risco de novos surtos e reaparição de doenças evitáveis por vacinas”, completou a diretora, alertando que os primeiros dias da pandemia de coronavírus registraram um declínio significativo nas vacinações de rotina. | bit.ly/3FcFDaY



ENSINAMENTOS CUBANOS

Ilha apresenta na Unesco experiências educativas no enfrentamento à pandemia

Cuba participa da 41ª Conferência Geral da Organização das Nações Unidas pela Educação, Ciência e Cultura (Unesco) contribuindo com suas experiências no enfrentamento ao coronavírus e no retorno às aulas dos estudantes já imunizados com vacinas 100% nacionais.

A ministra da Educação, Ena Elsa Velázquez Cobiella, se reuniu com a subdiretora geral da Unesco, Stefania Giannini, e reafirmou o compromisso da Ilha em fortalecer os laços com o organismo. De sua parte, Stefania reforçou o interesse em conhecer as medidas adotadas por Cuba para continuar o curso escolar, bem como a preparação dos professores em tempos de pandemia.

Como mais de 90% do corpo discente se encontra imunizado com as vacinas Abdala ou Soberana 02, a ministra salientou que se decidiu por aumentar a frequência de acordo com as condições de cada centro educativo, pois embora de janeiro a julho tenham sido ministradas aulas por televisão, a troca direta com o professor é vital para resolver problemas de aprendizagem. | bit.ly/3FrBGPV



SOLIDARIEDADE À CUBA

Personalidades, juristas e ex-presidentes pedem a Biden o fim do embargo

Em apelo ao governo do presidente dos EUA, Joe Biden, dezenas de políticos, artistas, juristas e personalidades dos continentes europeu e americano defenderam o fim do embargo econômico à Cuba.

Em carta enviada na quarta-feira (10), ex-presidentes como Dilma Rousseff, do Brasil, Rafael Correa, do Equador, e José Manuel Zelaya, de Honduras, denunciaram que nos anos 90 Washington “promulgou uma série de leis” que dificultaram ainda mais a situação econômica e social de Cuba, “tentando fechar possibilidades de compra de alimentos, procurando subjugar seu povo pela fome”.

De acordo com os signatários, se trata de uma medida “desumana”. O apelo ao governo dos Estados Unidos é para que “ponha fim às tentativas de desestabilizar uma nação que em nenhum momento empreendeu ações contra sua segurança, ou convocou cidadãos norte-americanos a subverter a ordem estabelecida, apesar dos múltiplos e sérios problemas sociais internos que esta potência mundial possui”.

Desde 1992 a Assembleia Geral das Nações Unidas aprova resoluções exigindo o fim do regime de sanções, que são sistematicamente ignoradas pelos governos estadunidenses, incluindo agora a gestão do democrata Joe Biden. | bit.ly/30pzmd9



PROTESTO EM PORTO RICO

Universitários condenam “plano de ajuste”: “estão roubando nossa Pátria”

Porto-riquenhos ocuparam na segunda-feira (8) a frente do Tribunal da Justiça Federal de San Juan, na capital, contra o Plano de Ajuste da Dívida Pública (PAD), apresentado pelo governo.

Durante as manifestações, foram vistos cartazes com slogans como “Essa dívida é ilegal e não vamos pagá-la”, "O orçamento não se equilibra com a violação dos nossos direitos” e "Eles estão roubando nossa Pátria; a solução é que se vão embora", "Fora com os abutres" e "A educação é direito de todos, não privilégio de alguns".

A manifestação foi endereçada à juíza Laura Taylor Swain, que fará a análise do projeto e decidirá em relação a sua validade, assim como quanto a sua implementação.

As mobilizações foram lideradas por estudantes da Universidade de Porto Rico, membros do Partido da Independência de Porto Rico (PIP) e pelos legisladores Denis Márquez e María de Lourdes Santiago. | bit.ly/30kd4ts



FARSA NA NICARÁGUA

Após prisão de opositores, Ortega chega ao quarto mandato consecutivo

Com sete candidatos opositores presos, o presidente da Nicarágua, Daniel Ortega, se elegeu para o quarto mandato consecutivo, no domingo (7), depois de 14 anos no poder.

O ex-guerrilheiro, que também governou o país centro-americano em 1980, logo após a Frente Sandinista de Libertação Nacional (FSLN) ter deposto em 1979 o ditador Anastasio Somoza, disputou com outros cinco candidatos completamente desconhecidos e considerados colaboradores do governo.

Conforme o Observatório Cidadão Urnas Abertas, o índice médio de abstenção foi de 81,5%, havendo cidades em que o percentual de eleitores que se somaram à conclamação da oposição pelo boicote alcançou aos 84%. A jornada vigiada por 30 mil militares e policiais, em que os funcionários públicos estavam obrigados a votar, foi marcada pela “perseguição e o assédio”, noticiou o site Confidencial.

Considerado “completamente manipulado” e “não democrático” pela comunidade internacional, o processo eleitoral aconteceu três anos e meio depois dos protestos de 2018 para exigir a renúncia de Ortega, nos quais grupos de defensores de direitos humanos identificaram ao menos 328 mortos, o que aprofundou o país de 6,5 milhões de habitantes em uma profunda crise política.

Neste ano, a partir de junho, Ortega desatou um processo persecutório em que três partidos foram proscritos, sete aspirantes à presidência e outros 32 ativistas, políticos, empresários e jornalistas detidos, somando-se a outros 120 oposicionistas que estão presos desde 2018. | bit.ly/30pzyJp



NICARÁGUA SANDINISTA

''Abstenção recorde é resposta nicaraguense ao entreguismo de Ortega'', afirma Mónica Baltodano

“Muito mais do que não ir votar nas eleições de domingo (7), os nicaraguenses deixaram as ruas completamente desertas, como quando há uma greve geral. A abstenção foi imensa, uma resposta ao entreguismo de Ortega, a uma política neoliberal e privatista que, para manter-se no poder, necessita prender todos os principais candidatos da oposição”.

A denúncia é da comandante guerrilheira Mónica Baltodano, histórica liderança da Frente Sandinista de Libertação Nacional (FSLN), dirigente do Movimento Resgate do Sandinismo e ex-deputada da Assembleia Nacional. De acordo com a comandante, “não houve eleição, foi tudo um teatro, uma apresentação ridícula, tão ridícula que não cuidaram sequer da encenação”. O fato, revelou, “é que continuam na prisão os sete principais candidatos da oposição à presidência, então temos agora 150 presos políticos”.

Presa e torturada pela ditadura de Anastasio Somoza – sustentada pelo governo dos Estados Unidos – ganhou papel de destaque durante a luta insurrecional (1978-1979). Uma irmã de Mónica Baltodano perdeu as duas mãos na luta guerrilheira e outra foi assassinada por um bombardeio somozista. Perseguida pelo regime de Ortega, atualmente encontra-se com a família no exílio. | .bit.ly/3HrQqjw

SOLIDARIEDE AOS NICAS

Argentina manifesta “preocupação” com prisão de oposicionistas e pede que o país “recupere o diálogo”

Após as recentes eleições na Nicarágua, a Argentina pediu que o país centro-americano "recupere o diálogo e a convivência democrática" e manifestou sua "preocupação" com a prisão de líderes da oposição.

“A República Argentina ratifica seu compromisso histórico com a defesa dos Direitos Humanos e apoia firmemente o trabalho da Alta Comissária das Nações Unidas, Michelle Bachelet, a respeito a situação na Nicarágua", ressaltou o comunicado do Ministério das Relações Exteriores.

A ex-presidente chilena havia dito ao Conselho Suíço de Direitos Humanos que “é imperativo que o governo” nicaraguense, “mais uma vez garanta o pleno exercício dos direitos civis e políticos para todos os nicaraguenses; que cesse a perseguição contra a oposição, a imprensa e a sociedade civil”. | bit.ly/3qua6Nz



SUL DA COLÔMBIA

Região fará consulta popular contra extrativismo predatório das mineradoras transnacionais

O impacto dos projetos de exploração e extração impostos pelas mineradoras transnacionais na Colômbia se traduz na contaminação das águas e dos ecossistemas, na deterioração do tecido social e do modo de vida tradicional das comunidades camponesas, na militarização do território e na violação dos direitos humanos.

Em resposta aos frequentes abusos, dirigentes dos movimentos sociais e das comunidades afetadas na região sul do país estão organizando uma consulta popular, no dia 19 de dezembro, contra a mineração predatória.

Na prática, denunciam as organizações, muitas lideranças têm recebido ameaças de morte, são perseguidas e agredidas fisicamente por policiais – que atuam como guardas privadas de interesses estrangeiros – e ainda acusadas de impedir o desenvolvimento de suas comunidades ao confrontarem-se com o modelo das atividades mineiras.

A votação ocorrerá de forma simultânea em sete municípios: San Pablo, La Cruz, Belén, Colón, San Pedro de Cartago e La Unión, no Departamento de Nariño; e Florencia, no Departamento de Cauca. | bit.ly/3He5xwK



BOLÍVIA SOBERANA

Presidente Arce denuncia que “comitês cívicos mostram claramente sua intenção golpista”

“As declarações dos comitês cívicos mostram claramente sua intenção golpista, desnudaram a realidade da suposta face democrática que escondiam do povo boliviano. Hoje, a direita é clara”, afirmou o presidente da Bolívia, Luis Arce, alertando para o real propósito ditatorial deste movimento.

Dos trópicos de Cochabamba, bastião do Movimento ao Socialismo - Instrumento Político pela Soberania dos Povos (MAS-IPSP), Arce agradeceu na quinta-feira (11) o massivo apoio da população para fazer com que a democracia prevaleça. “O que não ganharam nas eleições querem ganhar novamente com o golpe de Estado, porque é simplesmente o único mecanismo que possuem, pois já mostraram uma total incapacidade de gerir o Estado”, ressaltou, lembrando que foram estes mesmos setores os protagonistas do colapso institucional em 2019.

Desde o dia 8 de novembro, a direita convocou uma greve por tempo indeterminado para rejeitar a Lei 1.386, que estabelece a estratégia nacional de combate à legitimação de lucros ilícitos e ao financiamento do terrorismo. | bit.ly/3wEBJoh



GUATEMALA PROTESTA

Autoritarismo de Giammattei se aprofunda e amplia perseguição à imprensa

“Estamos diante de uma forma contemporânea de construção do autoritarismo, que concentra seu maior esforço na perseguição à liberdade de expressão e opinião”, afirmou o advogado e analista político Oswaldo Samayoa, referindo-se às práticas do governo do presidente Alejandro Giammattei de impor o toque de recolher.

Uma das regiões censuradas é El Estor, no departamento de Izabal, mantida sob estado de sítio até 24 de novembro, após os protestos contra a exploração ilegal feita por uma mineradora estrangeira.

Segundo Samayoa, “se permitirmos que isso continue avançando, o próximo passo é remover qualquer tipo de oponente que queira competir livremente pelo desenvolvimento ou pelo poder político”.

Para o advogado, o violento assédio vivido por jornalistas nacionais como internacionais recentemente em El Estor, se deve ao surgimento de maiores espaços de comunicação e difusão – com menor controle de sufoco por parte de monopólios privados – como são as redes sociais e meios alternativos, que geram maior investigação jornalística independente e mais fontes de informação. | bit.ly/3Fb5Syl



Conteúdo Relacionado