Pelo Mundo

A França pode ser pioneira em um modelo espacial de interesse geral para a humanidade

 

24/10/2021 12:59

(Stephane Corvaja/Agência Espacial Europeia/AP)

Créditos da foto: (Stephane Corvaja/Agência Espacial Europeia/AP)

 

O lançamento de Ariane 5 em 22 de outubro nos lembra do papel da França diante da nova fronteira que a humanidade atravessou: o espaço. Graças a uma clara e constante vontade política, e graças ao trabalho árduo de seus colaboradores, engenheiros e cientistas, a França assume a vanguarda das potências espaciais. Kourou na Guiana Francesa é o terceiro maior porto espacial do mundo. A contribuição de cada um dos franceses para o espaço é a segunda maior do mundo. Como todos os feitos científicos e técnicos alcançados pelo nosso país, isso ocorreu graças à mobilização de seu Estado em direção a resoluçoes de interesse geral. Desde então, dominamos todo o know-how necessário para a produção e lançamento de satélites, viagens tripuladas e exploração científica interplanetária. Esse é um grande trunfo, já que quase tudo no mundo é atualmente feito por meio de tecnologias espaciais: telecomunicações, transporte de bens e pessoas, observação do meio ambiente e espécies, aplicações digitais.

Mas devemos lançar um alerta: no campo espacial a humanidade tambem está chegando a um ponto de bifurcação, onde é proposta uma direção: a do "novo espaço". Esta corresponde a uma visão liberal anglo-saxã. Seus mestres são bilionários inescrupulosos que sonham em fazer do espaço seu novo playground e, acima de tudo, uma bela fonte de lucros. Fortemente subsidiados pelos orçamentos dos Estados Unidos, eles despertam sonhos ineptos de turismo espacial ou propaganda luminosa no espaço. Isso antes de obstruir a órbita da Terra com "constelações de mini-satélites". Assim, eles já estão prontos para reproduzir no céu todos os seus estragos terrenos. Eles estão até preparando a apropriação e mineração das estrelas. De fato, os Estados Unidos legalizam essa privatização do espaço desde 2015. Luxemburgo, nunca atrasado para bons negócios financeiros, seguiu esse exemplo em 2016. Foi rasgado unilateralmente o Tratado Espacial de 1967. Este estipulava que todos os corpos celestes fossem res nullius: considerados não pertencentes a ninguém. O que a França disse sobre essa corrida louca? Nada. Sob o efeito das presidências Hollande e Macron, ela se entregou como um seguidor servil.

A Humanidade foi ao espaço para fazer publicidade para alguns bilionários e suas empresas multinacionais? Ou isso foi feito para expandir o escopo de seu conhecimento científico e melhorar a vida do povo humano? Se os franceses decidirem na próxima eleição presidencial, nosso país pode se tornar pioneiro em um modelo espacial de interesse humano geral. Cabe a nosso pais dar vida a uma francofonia científica e espacial criando uma universidade espacial internacional. Vamos criar um setor de empregos relacionados ao espaço. Essas capacidades técnicas, em um momento de incerteza ecológica, são muito mais essenciais do que a "Internet das Coisas" que os projetos de Elon Musk estão almejando. Propomos uma missão internacional para limpar a órbita baixa, para evitar colisões de satélites que de outra forma se tornarão inevitáveis e repletas de consequências na Terra. Estejamos na manobra para reviver a ideia de uma exploração internacional do espaço, incluindo as missões robóticas marcianas, sob a égide da ONU e das principais associações científicas internacionais.

Para fazer tudo isso, a França deve evitar a qualquer custo de ser excluioda de sua posiçao no espaço. Essa ameaça existe por causa da inconsistência de nossos líderes. Aqueles que permitiram que nossa autonomia se deteriorasse dentro da Europa e do espaço, que a França contribuiu para criar. A Alemanha rasgou o acordo de satélite que tivemos com eles em 2017. Emmanuel Macron assinou um acordo que confirma a realocação da construção de um motor do foguete Ariane na Alemanha. Enquanto isso, sendo um parceiro injusto, o governo alemão quer desenvolver seu próprio setor para mini-lançadores e usar um local de lançamento na Noruega, em vez do de Kourou, na Guiana Francesa. Isso depois de se recusar a reservar ao lançador europeu Ariane a exclusividade de seus satélites.

Basta ! A França não pode fazer nada de bom se não for mais mestre de seus projetos. É hora de fortalecer o Centro Nacional de Estudos Espaciais (CNES) e restaurá-lo à sua posição de liderança em nossa política espacial. Da mesma forma, é absurdo ter aceitado sem sequer uma discussão no parlamento a instalação de um centro espacial do OTAN em Toulouse, apesar da história recente dos Estados Unidos em termos de espionagem e traiçoes contra nós. Este centro terá que ser fechado. A França deve ser capaz de se defender sozinha. Mas deve recusar a corrida armamentista espacial na qual os Estados Unidos estão envolvidos. Se eu ganhar a eleição presidencial, a França vai propor um novo tratado sobre a desmilitarização do espaço sideral. Expandirá sua cooperação espacial com a Rússia e a Itália. Continuará sua cooperação efetiva com a China. A França enviou uma câmera no rover chinês de Marte. O horizonte espacial contém uma certa visão da Humanidade. Aquele que tem seu olhar voltado para as estrelas em vez de pregado em seus conflitos. Que outro caminho pode existir para o nosso país?

Jean-Luc Mélenchon,
Kourou, Guiania Francesa
22 de otoubro de 2021

Conteúdo Relacionado