Política

Noam Chomsky: um ano após ataque ao Capitólio, o golpe continua em curso

 

06/01/2022 18:13

Apoiadores de Trump vagam sob a rotunda do Capitólio dos EUA após violar o edifício do Capitólio em 6 de janeiro de 2021, em Washington, DC (SAUL LOEB/AFP VIA GETTY IMAGES)

Créditos da foto: Apoiadores de Trump vagam sob a rotunda do Capitólio dos EUA após violar o edifício do Capitólio em 6 de janeiro de 2021, em Washington, DC (SAUL LOEB/AFP VIA GETTY IMAGES)

 
No terceiro e último debate presidencial de 2016, Donald Trump havia sinalizado que poderia não reconhecer a eleição caso perdesse para Hillary Clinton. No entanto, ele disse a seus apoiadores, um dia depois, que definitivamente aceitaria os resultados da eleição se ele vencesse.

A ameaça de Trump de rejeitar os resultados das eleições democraticamente disputadas deveria tê-lo desqualificado para concorrer ao cargo mais alto do país.

Mas, em vez disso, ele venceu as eleições de 2016 e, em seguida, dividiu o país como nenhum outro presidente entrante. E quando ele perdeu a eleição de 2020 para Joe Biden, ele não só se recusou a admitir a derrota, mas também tentou bloquear a certificação do voto eleitoral, instando seus fanáticos apoiadores reunidos no Capitólio dos Estados Unidos em 6 de janeiro de 2021, a “parar o roubo ”da eleição. Meses antes, ele já havia colocado sua base em alerta máximo, dizendo: “A única maneira de perdermos esta eleição é se a eleição for fraudada”.

Sob um suposto homem forte menos incompetente, o ataque ao Capitólio poderia ter levado à queda real do sistema de democracia representativa norte-americano. Mas o ataque de 6 de janeiro, em vez disso, apresentou a desorganização característica de Trump e a falta de um plano coerente.

Um dia depois da tentativa de golpe, Trump anunciou que haveria uma "transição ordenada" de poder em 20 de janeiro, mas isso não significava que ele tinha planos de "entrar calmamente naquela boa noite". Pelo contrário, ele continuou a espalhar mentiras sobre a eleição de 2020, que ele mesmo chamou de “Grande Mentira”, mesmo depois de não ter conseguido convencer as autoridades na Geórgia e no Arizona a anular os resultados desses estados. O advogado pessoal de Trump, Rudy Giuliani, também tentou convencer um juiz federal em Williamsport, Pensilvânia, a anular centenas de milhares de votos no estado.

A posição de Trump era bastante simples: se a democracia não me dá os resultados eleitorais desejados, dane-se a democracia!

A “Grande Mentira” de Trump continua a dominar a esmagadora maioria dos eleitores republicanos, e o próprio Partido Republicano está cada vez mais relutante em aceitar a derrota. Posteriormente, os estados com legislaturas republicanas aprovaram ondas de novas leis restringindo a votação e estão assumindo o controle de juntas eleitorais locais e estaduais. Esses desenvolvimentos falam muito sobre a mentalidade antidemocrática que se tornou a marca registrada do Partido Republicano na era Trump.

Na entrevista a seguir, Noam Chomsky reflete sobre o aniversário da insurreição de 6 de janeiro e nos oferece suas próprias percepções sobre o que pode estar por vir em um país onde um segmento muito considerável da população ainda acredita nas mentiras de Trump.

Noam Chomsky é reconhecido internacionalmente como um dos mais importantes intelectuais vivos. Sua estatura intelectual foi comparada à de Galileu, Newton e Descartes, e seu trabalho teve uma enorme influência em uma variedade de áreas da pesquisa acadêmica e científica, incluindo linguística, lógica e matemática, ciência da computação, psicologia, estudos de mídia, filosofia, política e assuntos internacionais. Ele é autor de cerca de 150 livros e recebeu vários prêmios de alto prestígio, incluindo o Sydney Peace Prize e o Kyoto Prize (o equivalente japonês ao Nobel), e dezenas de títulos de doutorado honorário das universidades mais renomadas do mundo. Chomsky é Professor Emérito do MIT e atualmente Professor Laureado na Universidade do Arizona.

CJ Polychroniou: Há um ano, em 6 de janeiro de 2021, uma multidão de partidários de Donald Trump invadiu o Capitólio dos Estados Unidos na tentativa de bloquear a certificação dos votos eleitorais - um procedimento de rotina após uma eleição presidencial - que teria formalizado a vitória de Joe Biden. O edifício do Capitólio foi violado em algumas ocasiões no passado, mas esta foi a primeira vez na história do país que um ataque à democracia foi realmente incitado por um presidente deixando o cargo. Na verdade, meses depois, o ex-presidente Trump chegaria ao ponto de condenar o processo criminal daqueles que participaram do ataque ao Capitólio naquele dia, embora ele tivesse denunciado a insurreição depois de ter sofrido o processos de impeachment. Do seu ponto de vista, Noam, como devemos entender o que aconteceu em 6 de janeiro de 2021?

Noam Chomsky: Os participantes do ataque ao Capitólio, sem dúvida, tinham percepções e motivos variados, mas estavam unidos no esforço de derrubar um governo eleito; em suma, uma tentativa de golpe, por definição. Além disso, foi uma tentativa que poderia ter sido bem-sucedida se algumas figuras republicanas proeminentes tivessem mudado de posição e concordado com a tentativa de golpe, e se o comando militar tivesse tomado decisões diferentes. Trump estava fazendo todos os esforços para facilitar o golpe, que certamente teria sido aplaudido por uma grande maioria dos eleitores republicanos e pela liderança política republicana, que, com poucas exceções, rasteja a seus pés em uma vergonhosa demonstração de covardia.

As implicações para o futuro são muito claras. A organização republicana - é difícil considerá-la por mais tempo como um autêntico partido político - agora está preparando cuidadosamente as bases para ter sucesso na próxima tentativa, qualquer que seja o resultado eleitoral. Tudo está sendo feito abertamente, não só não está sendo desenvolvido às escondidas, mas também é orgulhosamente anunciado por seus líderes. Tudo tem sido regularmente noticiado, para que ninguém, com suficiente interesse para prestar atenção à cena política norte-americana, possa deixar de perceber. Para mencionar apenas a discussão mais recente que vi, a Associated Press descreve como o Partido Republicano está realizando uma “insurreição em câmera lenta” e se tornou “uma força antidemocrática”, algo que nunca aconteceu antes na política norte-americana. Algumas semanas antes, Barton Gellman descreveu os planos em detalhes no site The Atlantic.

Não há necessidade de revisar as muitas falhas conhecidas do sistema democrático formal: o Senado radicalmente antidemocrático, o enorme papel da riqueza concentrada e do poder privado na determinação dos resultados eleitorais e da legislação, as vantagens estruturais fornecidas a uma minoria rural tradicionalista e muito mais. Mas também existem questões mais amplas.

O que era progressista no século 18 está agora tão antiquado que, se os Estados Unidos se candidatassem a se tornar membro da União Europeia, provavelmente seriam rejeitados por não satisfazer as normas democráticas. Isso levanta questões que merecem mais atenção do que recebem.

Com todo o respeito aos Fundadores da nação, uma questão - levantada por Thomas Jefferson em seus próprios termos - é por que devemos reverenciar os sentimentos de um grupo de homens brancos ricos do século 18, proprietários de escravos, especialmente agora que o sistema de emendas sucumbiu às profundes falhas do sistema político formal. Não menos curiosas são as doutrinas jurídicas do originalismo / textualismo que nos convocam a decifrar seus pronunciamentos com pouca atenção às condições sociais e econômicas como um guia decisivo para a ação judicial. Olhando nossa cultura política à distância, há muita coisa que pareceria demasiadamente estranha.

Mas mesmo o sistema esfarrapado que ainda sobrevive é intolerável para os destruidores republicanos. Nada é esquecido em seu ataque sistemático à frágil estrutura. Os métodos estendem-se desde "tomar posse da máquina eleitoral antes esquecida" no nível local, até aprovar leis para impedir as "pessoas erradas" de votar, conceber uma estrutura legal para estabelecer o princípio de que os legislativos republicanos podem determinar "legalmente" escolha dos eleitores, seja qual for o público irrelevante que muitos escolherem.

No pano de fundo não muito distante estão os apelos para "salvar nosso país" pela força, se necessário, onde "nosso país" é uma sociedade patriarcal nacionalista cristã de supremacia branca na qual os não-brancos podem participar, desde que "conheçam seus lugares"; não à mesa.

O medo [dos brancos] de “perder nosso país” é [em parte uma resposta às] tendências demográficas que estão corroendo as maiorias brancas, resistindo até mesmo à radical manipulação de distritos eleitorais imposta para ampliar as vantagens estruturais do voto rural conservador disperso. Outra ameaça ao “nosso país” é que a supremacia branca é cada vez mais rejeitada, especialmente pelos jovens, assim como a devoção à autoridade religiosa, até mesmo a filiação à igreja.

Assim, embora as acusações de propagandistas de direita sejam em grande parte fantasia e ilusão, eles têm base suficiente na realidade para inflamar aqueles que veem seu mundo familiar de dominação desaparecer diante de seus olhos. E com a ordem social desmoronando sob o ataque neoliberal, esses medos podem ser facilmente manipulados por demagogos e oportunistas - enquanto seus senhores nas suítes executivas e mansões se deliciam com a oportunidade de levar adiante os lucros excessivos que tem abocanhado por 40 anos, já que os desafios futuros podem ser vencidos pela violência estatal e privada, se necessário.

Esse é um mundo pode não estar muito longe, embora não vá durar muito com os supremos negadores do clima no comando. Quando a Hungria, a atual queridinha da direita, desce para o fascismo, já é ruim o suficiente. Se os EUA o fizerem, a sobrevivência a longo prazo da sociedade humana torna-se uma perspectiva sombria.

CJ Polychroniou: O que o ataque ao Capitólio de 6 de janeiro nos diz sobre o estado da democracia dos Estados Unidos no século 21? E você concorda com a visão de que Trump foi produto de instituições políticas ruins?

Noam Chomsky: Diz-nos que a limitada democracia política que ainda existe está por um fio delicado.

Se as instituições políticas - de modo mais geral, instituições socio-econômicas-políticas interligadas - podem produzir um Presidente Trump, elas estão infectadas com doenças malignas profundas. Um momento de reflexão mostra que as malignidades são tão profundas que estão levando a sociedade humana organizada ao suicídio, e não em um futuro distante, com Trump e seus acólitos e apologistas entusiasticamente na liderança. A esta altura, é preciso um verdadeiro talento literário para exagerar.

Quais são essas instituições? Essa é uma investigação de longo alcance para empreender aqui, mas há alguns destaques instrutivos.

Os chamados Fundadores delinearam com bastante clareza o tipo de sociedade que imaginaram: "aqueles que são donos do país devem governá-lo" e garantir que "a minoria dos opulentos seja protegida da maioria" (John Jay, James Madison, respectivamente) . O modelo deles era a Inglaterra, onde as instituições reinantes foram descritas com precisão alguns anos antes por Adam Smith em palavras que podem ser repetidas: Os "mestres da humanidade", os comerciantes e fabricantes da Inglaterra, são os "principais arquitetos" da política governamental e garantem que seus próprios interesses sejam "atendidos de maneira peculiar", não importa quão "grave" seja o impacto sobre os outros, incluindo as pessoas da Inglaterra, mas também, com muito mais gravidade, as vítimas da “selvagem injustiça dos europeus”, notadamente o povo da Índia, então o país mais rico do mundo, que a Inglaterra estava roubando e espoliando em benefício dos mestres. Sob a proteção do Estado que controlam, os mestres podem perseguir sua "máxima vil": “Tudo para nós e nada para os outros”, a máxima dos senhores feudais adotada pelos senhores da humanidade que os vinham substituindo desde a “gloriosa revolução” do século anterior.

Os mestres da humanidade sempre entenderam que o capitalismo de livre mercado iria destruí-los e as sociedades que eles possuíam. Consequentemente, eles sempre clamaram por um Estado poderoso para protegê-los da devastação do mercado, deixando expostos os menos afortunados. Isso tem ficado dramaticamente claro no curso da “economia de socorro financeiro” dos últimos 40 anos de guerra de classes, mascarada pela retórica do “mercado livre”.

Essas características centrais das instituições capitalistas de Estado reinantes foram exacerbadas pela podridão que se espalhou desde o período entreguerras em Viena, quando adotaram o termo “neoliberalismo” no simpósio internacional Walter Lippmann em Paris em 1938, então na Sociedade Mont Pelerin. As ideias foram implementadas em condições experimentais quase perfeitas durante a ditadura assassina de Augusto Pinochet no Chile, quebrando a economia em meia dúzia de anos, mas isso não importou. A essa altura, eles tinham um jogo maior em vista: a economia global na era de vigorosa guerra de classes lançada por Ronald Reagan e Margaret Thatcher e levada adiante por Bill Clinton e outros sucessores, estabelecendo com mais firmeza a máxima vil e desmantelando obstáculos problemáticos como um sistema de previdência e sindicatos limitados.

Esse é o tipo de terreno em que um Trump pode aparecer, embora haja, é claro, vários fatores de natureza variada que interagem.

CJ Polychroniou: Parece que a violência política se tornou uma norma aceita entre muitos norte-americanos hoje. Em primeiro lugar, quais você acha que são os motivos de Trump para continuar a repetir a tese da “Grande Mentira”? Em segundo lugar, você concorda que o neofascismo está ganhando terreno e que a subversão eleitoral continua sendo uma ameaça real?

Noam Chomsky: Os motivos de Trump são bastante claros. Não precisamos de um diploma em psiquiatria avançada para saber que um megalomaníaco sociopata deve sempre vencer; nada mais pode ser contemplado. Além disso, ele é um político astuto que entende que seus adoradores aceitarão facilmente a "Grande Mentira".

Muitos se perguntam sobre a disposição de dois terços dos republicanos em acreditar na ridícula pretensão de que a eleição foi roubada. Deveremos ficar verdadeiramente surpreendidos com isso? Dê uma olhada nas opiniões dos republicanos sobre outros assuntos. Por exemplo, perguntados se os humanos foram criados como são hoje: cerca de metade dos republicanos acredita que sim. Ou se os muçulmanos estão tentando impor a lei Sharia aos EUA: 60% dos republicanos que confiam na Fox News. Ou em uma série de outras crenças pré-modernas nas quais os EUA (principalmente republicanos) estão virtualmente sozinhos entre sociedades comparáveis.

Então, por que não uma eleição roubada?

A subversão eleitoral não é apenas uma ameaça. Ela está acontecendo no “golpe suave” que está em curso agora. Assim como a tendência para uma forma de fascismo. Há evidências de que as atitudes gerais dos eleitores de Trump em uma série de questões são semelhantes às dos eleitores europeus de partidos de extrema direita com origens fascistas. E esses setores são agora uma força motriz no partido Republicano.

Também há evidências substanciais de que esse desvio para a extrema direita pode ser motivado em parte pela lealdade cega a Trump. Esse parece ser o caso do problema mais crítico que os humanos já enfrentaram: a destruição ambiental. Durante os anos de Trump no cargo, o reconhecimento republicano da mudança climática como um “problema sério”, já chocantemente baixo, caiu 20%, mesmo com a natureza emitindo avisos dramáticos, em alto e bom som, de que estamos correndo para o desastre.

O fenômeno é profundamente perturbador, e não sem precedentes sombrios. Um século atrás, a Alemanha estava no auge da civilização ocidental, produzindo grandes contribuições para as ciências e as artes. A República de Weimar foi considerada por cientistas políticos como um modelo de democracia. Alguns anos depois, os alemães estavam adorando o Der Führer e aceitando as mentiras mais vis e agindo de acordo com elas. Isso incluiu algumas das figuras mais respeitadas, como Martin Heidegger; Lembro-me muito bem do meu choque quando comecei a ler sua Introdução à Metafísica de 1935, quando foi publicada em inglês, 60 anos atrás. E tenho idade suficiente para me lembrar de ter ouvido pensamentos atrozes semelhantes quando era uma criança nos anos 30, perto de casa. O clássico de Sinclair Lewis de 1935 sobre como o fascismo pode ser implantado na América por nacionalistas cristãos (It Can't Happen Here) não era mera fantasia quando apareceu, e não é nenhuma surpresa que tenha voltado às listas de best-sellers na era Trump .

CJ Polychroniou: As disputas estaduais chegaram ao centro da política dos Estados Unidos, mas os democratas não estão conseguindo acompanhar essa nova realidade. O que está acontecendo? Por que a política estadual é mais importante hoje em dia, e por que os democratas parecem ter embarcado em uma missão suicida no que diz respeito à estratégia política?

Noam Chomsky: A negligência com a política estadual pelos democratas parece ter decolado com Barack Obama. Essa área crítica da política norte-americana foi entregue aos republicanos que, naquela época, já estavam se movendo em direção à sua postura atual de rejeitar a política democrática como um impedimento à sua tarefa de "salvar o país" (a versão para a base de votos) e manter poder para servir aos ricos e ao setor empresarial (a compreensão da liderança).

CJ Polychroniou: Até agora, surpreendentemente, não houve avanços na investigação do comitê da Câmara sobre o ataque de 6 de janeiro. Você acha que o comitê seleto do Congresso envolvido nesta tarefa estabelecerá a responsabilidade pelo que aconteceu naquele dia infame? E, em caso afirmativo, quais seriam as implicações políticas de tal resultado?

Noam Chomsky: A liderança republicana já neutralizou o comitê seleto recusando-se a participar em termos aceitáveis e, em seguida, rejeitando intimações - uma estratégia sensata para atrasar os procedimentos por meio de procedimentos judiciais até que eles possam simplesmente dissolver o comitê, ou melhor, reformulá-lo para perseguir seus inimigos políticos. Esse é o tipo de tática que Trump usou com sucesso ao longo de sua carreira como um empresário fracassado, e para políticos corruptos.

Deixando isso de lado, os eventos de 6 de janeiro foram investigados de forma tão completa, e até mesmo apresentados visualmente de forma tão vívida, que nada de substancial provavelmente será revelado. As elites republicanas que querem retratar a insurreição como um piquenique inocente no parque, com alguma violência encenada pelos antifas para fazer com que cidadãos decentes e respeitadores da lei pareçam ruins, persistirão independentemente do que for revelado. E embora haja mais a aprender sobre o pano de fundo, não é provável que tenha muito efeito no que parece agora uma imagem razoavelmente plausível.

Suponha que o comitê seleto apresentasse evidências novas e realmente contundentes sobre o papel de Trump ou outra conivência de alto nível na tentativa de golpe. A grande mídia controlada por Rupert Murdoch teria pouca dificuldade em remodelar isso como mais uma prova de que o "Estado Profundo", junto com os "ratos comunistas" e "pedófilos sádicos" que supostamente dirigem o Partido Democrata, conspiraram para difamar o "Grande Homem." Seus fanáticos adoradores provavelmente seriam encorajados por esta prova adicional da iniquidade das forças do mal coniventes com a "Grande Substituição". Ou qualquer invenção fabricada por aqueles capazes de converter a teoria crítica da raça em um instrumento para destruir a “raça branca em guerra”, entre outros triunfos da propaganda.

Meu palpite é que o trabalho do comitê acabará sendo um presente para as forças protofascistas que estão destruindo o que resta da democracia formal, assim como o processo de impeachment acabou sendo.

Vale a pena prosseguir pelo bem da história - presumindo que haverá alguma história que se importará se o plano para estabelecer um governo republicano duradouro for bem-sucedido.

Sem exagero.

*Publicado originalmente em 'Truthout' | Tradução de César Locatelli



Conteúdo Relacionado