Política

O retorno de Karl Marx para entender o que está acontecendo no capitalismo avançado

O que Marx escreveu sobre a natureza do capitalismo tem sido acertado, de modo que a crise não pode ser entendida sem recorrer às suas análises

04/01/2018 14:56

Vicenç Navarro
Professor de Ciência Política e Política Pública. Universidade Pompeu Fabra


Em uma das colunas mais conhecidas do semanal The Economist , a coluna Bagehot (de Adrian Wooldridge), acaba de publicar um artigo em sua edição de 13 de maio que seria impensável que pudesse aparecer nas páginas de qualquer revista econômica na Espanha de semelhante orientação liberal como tem o jornal. Na verdade, não só em qualquer revista econômica, mas em qualquer um dos principais meios de comunicação deste país (incluindo a Catalunha), tal artigo nunca poderia ter sido publicado.

Sob o título O momento marxista e o subtítulo Os Trabalhadores estão certos: Karl Marx tem muito para ensinar aos políticos de hoje , a coluna Bagehot analisa o debate entre o líder do Partido Trabalhista do Reino Unido, o Sr. Jeremy Corbyn e seu ministro da Economia e Finanças à sombra, o Sr. John McDonnell, por um lado, e os líderes do Partido Conservador, bem como os periódicos conservadores Daily Telegraph e Daily Mail , por outro. Definir o debate como uma troca é, no entanto, excessivamente generoso por parte da coluna Bagehot, já que a resposta da imprensa conservadora e dos líderes conservadores aos líderes trabalhistas é uma demonização grosseira, vulgar e ignorante de Marx e do marxismo, confundindo marxismo com stalinismo, coisa que se faz constantantemente nas principais mídias espanholas, em sua maioria também de orientação conservadora ou neoliberal.

Os sucessos de Marx de acordo com Bagehot, de The Economist

Uma vez descartado os argumentos do direito britânico, a coluna Bagehot passa a discutir o que considera as grandes profecias de Karl Marx (e, assim, as define) para entender o que está acontecendo hoje no mundo capitalista desenvolvido, observando que muitas de suas previsões acabaram por ser verdade. Entre eles, ele ressalta que:
1. A classe capitalista (que na coluna Bagehot insiste em que continua a existir, embora esse termo não seja usado para defini-la) , que é a classe dos proprietários e gerentes de grande capital produtivo, está sendo substituído - como Marx anunciou - cada um cada vez mais pelos proprietários e gestores de capital especulativo e financeiro, que Marx (e a coluna Bagehot) consideram parasitas da riqueza criada pelo capital produtivo . Esta classe parasitária é aquela que, de acordo com essa coluna, domina o mundo do Capital, sendo essa situação o responsável pelo crescimento "desobediente" e "escandaloso" (termo que Bagehot usa) de desigualdades. Os primeiros alcançaram cada vez mais benefícios à custa de todos os outros. E para mostrar isso, o colunista do Economist ressalta que, enquanto em 1980, os executivos-chefe das 100 companhias britânicas mais importantes ganhavam 25 vezes mais do que o empregado típico de suas empresas, hoje ganham 130 vezes mais. As principais equipes de tais entidades inflaram seus rendimentos à custa de seus funcionários, recebendo ao mesmo tempo pagamentos (além do salário) das empresas através de ações, pensões e outros privilégios e benefícios.Novamente, a coluna Bagehot, aponta que Marx previu e assim aconteceu. Além disso, a coluna Bagehot descarta o argumento de que essas remunerações se devem ao que o mercado de talentos exige, já que a maioria desses salários escandalosos dos executivos foram atribuídos por eles mesmos, através do contato que têm nos Comitês Executivos ( Conselho Executivo ) de empresas.


Marx estava certo


2. Marx e Bagehot questionam a legitimidade dos estados, instrumentalizados por poderes financeiros e econômicos. A evidência acumulada mostra que o casamento do poder econômico e político caracterizou a natureza dos Estados . A coluna Bagehot refere-se, por exemplo, ao caso de Blair (líder da 3ª Camada), que, depois de deixar o cargo político de um líder do Partido Trabalhista, tornou-se um conselheiro de entidades financeiras e regimes inapresentáveis. Na Espanha, podemos adicionar uma longa lista de ex-políticos que agora trabalham para grandes empresas, colocando a seu serviço todos os conhecimentos e contatos adquiridos durante seu cargo político.
3. Outra característica do capitalismo predito por Marx - de acordo com a coluna Bagehot - é a crescente monopolização do capital, tanto produtiva quanto especulativa, que está ocorrendo nos países capitalistas mais desenvolvidos .Bagehot mostra como essa monopolização está acontecendo.
4. E, se isso não bastasse, Bagehot ressalta que Marx também estava certo quando apontou que o capitalismo por si só cria pobreza através da diminuição salarial . Na verdade, Bagehot esclarece que Marx falou de "imersão", que é - de acordo com o colunista - um termo um tanto exagerado, mas verdadeiro em sua essência, já que, de acordo com o colunista, os salários vão caindo desde que a crise começou em 2008, de modo que, no ritmo atual, a tão alardeada recuperação não permitirá que se alcance os níveis de emprego e salários de antes da Grande Recessão em muitos anos.

E mais, além dessas grandes previsões, a coluna Bagehot afirma que a crise atual não pode ser entendida sem entender as mudanças dentro do capital, por um lado, e o crescimento da exploração da classe trabalhadora, por outro, como notou Marx.

O leitor pode imaginar um grande jornal espanhol, seja ou não de economia, que permitiria um artigo como esse? The Economist é o semanário liberal mais importante do mundo. E promove essa ideologia. Mas, alguns dos seus principais colunistas são capazes de aceitar que, depois de tudo, Marx, o maior crítico do capitalismo, estava certo. Seria, eu repito, impensável que, neste país, tão inclinado para a direita como resultado de uma transição imodélica de uma ditadura fascista a uma democracia tão limitada, não só um jornal liberal, mas qualquer jornal importante, publica esse artigo com o tom e a análise o que o torna uma das maiores colunas desse jornal, assinado por um dos liberais mais ativos e conhecidos. Esta coluna e a pessoa que está a cargo dela, no entanto, não se converteram ao marxismo. Mas eles reconhecem que o marxismo - que neste país foi definido por algumas vozes como antiquado, irrelevante ou pior - é uma ferramenta essencial para entender a crise atual. Na verdade, eles não são os primeiros a ter feito isso.Outros economistas reconheceram essa realidade, embora, em geral, esses economistas não se encaixem na sensibilidade liberal. Paul Krugman, um dos economistas keynesianos mais populares do mundo de hoje, disse recentemente que o economista que melhor previu e analisou as crises periódicas do capitalismo, como o atual, foi Micha%u042 Kalecki, que pertencia a essa tradição.

Onde a coluna Bagehot erra, sem dúvidas, é no final do artigo, quando atribui a Marx as políticas realizadas por alguns de seus seguidores.Confundindo o marxismo com o leninismo, a coluna conclui que a resposta histórica e a solução que Marx propõe seria um desastre. Agora, que o leninismo teve uma base no marxismo, não significa que todo marxismo fosse leninista, um erro frequentemente cometido por autores que não estão familiarizados com a literatura científica dessa tradição. De fato, Marx deixou seu terceiro volume para o fim, pois teria que se concentrar precisamente na análise do Estado .Infelizmente, ele nunca pode começar. Mas o que ele escreveu sobre a natureza do capitalismo tem sido acertado, de modo que a crise não pode ser entendida sem recorrer às suas categorias analíticas. A evidência disso é claramente forte e o grande interesse que apareceu no mundo acadêmico e intelectual anglo-saxão, e especialmente nos Estados Unidos e no Reino Unido (onde The Economist é publicado ) é um indicador disso. Mas eu tenho medo de que o que está acontecendo nessas partes do mundo não se verá neste país, onde os principais meios de informação são predominantemente de desinformação e persuasão.

 

Conteúdo Relacionado