Soberania Nacional

Para FUP, compromissos da gestão da Petrobras com acionistas dificultam redução nos preços dos combustíveis

 

07/12/2021 15:05

(Agência Petrobras)

Créditos da foto: (Agência Petrobras)

 
Deyvid Bacelar, coordenador-geral da Federação Única dos Petroleiros (FUP), diz que compromissos com acionistas exigem altos preços dos combustíveis:

“Apesar da redução de 18,7% no preço do barril de petróleo no mercado internacional, que caiu para menos de US$ 70, sabemos que a gestão da Petrobrás terá dificuldade de reduzir os preços dos derivados de petróleo em suas refinarias nessa monta, tendo em vista os compromissos feitos com acionistas minoritários, principalmente dos Estados Unidos, garantindo o pagamento, nos próximos 5 anos, de R$ 350 bilhões em dividendos, além dos últimos R$ 63,4 bilhões que foram pagos neste ano de 2021.

É óbvio que, para pagar tais dividendos, é necessário que os preços continuem altos. E apesar do presidente Jair Bolsonaro ter dito que a Petrobrás começará a anunciar nesta semana redução nos preços de seus combustíveis, sabemos que há essa dificuldade.

Tudo indica que o conselho de administração e a direção executiva da Petrobrás não acompanharão a redução que houve nos preços do Brent; e mesmo que houvesse alguma redução, lembramos que o gás de cozinha já teve aumento, de outubro de 2016 – quando foi implantada a política de Preço de Paridade de Importação (PPI) – até hoje de quase 290%. Ou seja, mesmo com a queda na cotação do petróleo, o impacto no preço do botijão de gás ao consumidor seria ínfimo. A mesma coisa se aplica à gasolina e diesel, que já tiveram aumentos acima de 100% no mesmo período”.






Conteúdo Relacionado