O jornalismo de esquerda precisa de você. Venha ser parceiro Carta Maior. Doe agora!
Seja Parceiro Carta Maior

Que pensar das novas formas de coabitação

Crescem no mundo todo as uniões entre homoafetivos (homens e mulheres) que lutam pela constituição de um quadro jurídico que lhes garanta estabilidade e reconhecimento social, o que vem feito também no Brasil

17/01/2018 17:51

 

 
Ao lado das famílias-matrimônio que se constituem no marco jurídico-social e sacramental, mais e mais surgem as famílias-parceria (coabitação e uniões-livres) que se formam consensualmente fora do marco tradicional e perduram enquanto houver a parceria, dando origem à família consensual não conjugal.

Crescem no mundo todo as uniões entre homoafetivos (homens e mulhares) que lutam pela constituição de um quadro jurídico que lhes garanta estabilidade e reconhecimento social, o que vem feito também no Brasil.

Não é lícito emitir um juízo ético sobre estas formas de coabitação sem antes entender o fenômeno. Concretamente: como conceituar a família face às várias formas como ela está se estruturando nos dias atuais?

Um especialista brasileiro, Marco Antônio Fetter, o primeiro entre nós a criar a Universidade da Família, em Porto Alegre, com todos os graus acadêmicos, asssim define:”a família é um conjunto de pessoas com objetivos comuns e com laços e vínculos afetivos fortes, cada uma delas com papel definido, onde naturalmente aparecem os papéis de pai, de mãe, de filhos e de irmãos”(Correio Riograndense, 29/10/2003,11).

Transformação maior, entretanto, ocorreu na família com a introdução de preservativos e de anticoncepcionais, hoje incorporados à cultura como algo normal e ajudando a evitar a AIDS e outras doenças sexualmente transmissíveis. Ademais, com os preservativos e a pílula, a sexualidade ficou separada da procriação e do amor estável.

Mais e mais a sexualidade bem como o matrimônio são vistos como chance de realização pessoal, incluindo ou não a procriação. A sexualidade conjugal ganha mais intimidade e espontaneidade, pois, pelos meios contraceptivos e pelo planejamento familiar fica liberada do imprevisto de uma gravidez não desejada. Os filhos/filhas são queridos e decididos de comum acordo.

A ênfase na sexualidade como realização pessoal propiciou o surgimento de formas de coabitação que não são estritamente matrimoniais. Expressão disso são as uniões consensuais e livres sem outro compromisso que a mútua realização dos parceiros ou a coabitação de homoafetivos.

Tais práticas, por novas que sejam, devem incluir também uma perspectiva ética e espiritual. Importa zelar para que sejam expressão de amor e de mútua confiança. Se houver amor, para uma leitura cristã do fenômeno, tem a ver com Deus, pois Deus é amor (1Jo 4,12.16). Então, não cabem preconceitos e discriminações. Antes, cumpre ter respeito e abertura para entender tais fatos e  colocá-los também diante de Deus. Se as pessoas comprometidas assim o fizerem e assumirem a relação  com responsabilidade não se lhe pode negar relevância religiosa e espiritual. Cria-se uma atmosfera que ajuda superar a tentação da promiscuidade e reforça-se  a estabilidade e faz diminuir os preconceitos sociais.

Se há sexo sem procriação, pode haver procriação sem sexo. Trata-se do complexo problema da procriação in vitro, da inseminação artificial e do “útero de aluguel”. Toda esta questão é extremamente polêmica em termos éticos e espirituais e sobre isso parece não haver consenso.

Geralmente a posição oficial católica tende a uma visão naturista, exigindo para a procriação a relação sexual direta dos esposos, quando, é razoável se admitir a legitimidade da união de um óvulo da esposa com um espermatozoide do esposo de forma artificial e depois implantar óvulo fecundado no útero, desde que tal procedimento seja imbuído de amor.

Sobre esta questão complexa, valemo-nos da  opinião de um especialista holandês católico:

“A tecnificação da procriação humana não é sem problemas. A inseminação artificial em suas diferentes formas, a fecundação in vitro e o transplante de embriões nos permitem realizar uma gravidez fora dos quadros seguros do casamento tradicional. Assim é possível que uma mulher engravide por inseminação artificial com esperma de um doador anônimo; pode-se reunir in vitro espermatozoides e óvulos e implantá-los depois na mulher; pode-se ter um filho por meio de uma ‘mãe de “aluguel”. Estes meios técnicos não estão, de forma neutra, à nossa disposição enquanto capacidade puramente instrumental, neles deve estar presente uma responsabilidade ética”(Concilium n.260,1995,36). São meios a serviço do amor parental.

Não basta a procriação artificial. O ser humano tem direito de nascer humanamente, de um pai e de uma mãe que em seu amor o desejaram. Se por qualquer problema recorre-se a uma intervenção técnica, nunca pode-se perder a ambiência humana e o reto propósito ético.

O filho/filha que dai procede deve poder ter nome e sobrenome e ser recebido socialmente. A identidade social, nestes casos, é mais importante, antropologicamente, que a identidade biológica. Ademais, é importante que a criança seja inserida num ambiente familiar para que, em seu processo de individuação, possa realizar o complexo de Electra em relação à mãe ou o de Édipo em relação ao pai, de forma bem sucedida. Assim se evitam psicologicamente danos irreparáveis.

Por fim deve-se sempre entender a vida como a culminância da cosmogênese e o maior dom do Criador.

Leonardo Boff escreveu com Rose-Marie Muraro, Feminino/masculino, Record, Rio de Janeiro 2002.



Créditos da foto:  

PARCERIAS